In­ten­ção de con­su­mo re­cua 7,13% em mar­ço

O Diario do Norte do Parana - - ECONOMIA - Van­da Mu­nhoz van­da@odi­a­rio.com

Re­du­ção é re­fe­ren­te a fe­ve­rei­ro. Foi a quar­ta que­da con­se­cu­ti­va. No com­pa­ra­ti­vo com mar­ço do ano pas­sa­do, que­da che­ga a 14,87%.

Com 118,5 pon­tos, a In­ten­ção de Con­su­mo das Fa­mí­li­as (ICF) re­gis­trou, nes­te mês, a quar­ta que­da con­se­cu­ti­va. A re­du­ção é de 7,13%, em re­la­ção a fe­ve­rei­ro, que so­mou 127,6 pon­tos. Já em re­la­ção a mar­ço do ano pas­sa­do, com 139,2 pon­tos, o re­cuo che­ga a 14,87%. As in­for­ma­ções são da Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal (CNC) e da Fe­de­ra­ção do Co­mér­cio de Bens, Ser­vi­ços e Tu­ris­mo doPa­ra­ná(Fe­co­mér­cio-PR).

Ape­sar das re­du­ções su­ces­si­vas, a ICF ain­da es­tá aci­ma da mé­dia na­ci­o­nal, que é de 110,6 pon­tos, e tam­bém su­pe­ra a área dein­di­fe­ren­ça,de­cem­pon­tos.

Os va­lo­res têm ou­tras di­fe­ren­ças, quan­do se con­si­de­ra a fai­xa de ren­da aci­ma de dez sa­lá­ri­os mí­ni­mos. Nes­se ca­so, são 120,8 pon­tos e a re­du­ção, em re­la­ção a fe­ve­rei­ro, com 125,6 pon­tos, é de 3,82%. Já no com­pa­ra­ti­vo com mar­ço de 2014, quan­do fo­ram re­gis­tra­dos 144,2 pon­tos, aque­daé­de16,22%.

Pa­ra as fa­mí­li­as com ren­da de até dez sa­lá­ri­os mí­ni­mos, o re­gis­tro é de 118 pon­tos, o que re­pre­sen­ta uma di­mi­nui­ção de 7,81%, em re­la­ção a fe­ve­rei­ro, quan­do fo­ram re­gis­tra­dos 128 pon­tos, pa­ra a fai­xa fi­nan­cei­ra. Em com­pa­ra­ção com mar­ço do ano pas­sa­do, com 138,2 pon­tos, a que­daé­de14,16%.

Pa­ra Moha­mad Ali Awa­da, pre­si­den­te do Con­se­lho do Co­mér­cio e Ser­vi­ços da As­so­ci­a­ção Co­mer­ci­al e Em­pre­sa­ri­al de Ma­rin­gá (Acim), a que­da na in­ten­ção do con­su­mo é re­fle­xo da eco­no­mia. “A po­pu­la­ção es­tá in­se­gu­ra, pois não sa­be se a pre­si­den­te sai ou fi­ca. Tam­bém não sa­be se es­ta­rá em­pre­ga­da da­qui a al­gum tem­po. Há tam­bém a in­fla­ção e fal­ta de au­men­to re­al no sa­lá­rio”, des­ta­ca. O re­sul­ta­do des­se qua­dro, se­gun­do ele, é a re­du­ção do con­su­mo, in­clu­si­ve por par­te dos em­pre­sá­ri­os em re­la­ção à in­dús­tria e for­ne­ce­do­res. “O em­pre­sá­rio, com me­do de não ven­der, tam­bém aca­ba se­gu­ran­do, cri­an­do um cír­cu­lo vi­ci­o­so”, res­sal­ta.

Awa­da acon­se­lha ao em­pre­sa­ri­a­do pa­ra que con­ti­nue tra­ba­lhan­do e bus­can­do ino­var. “Si­gam tra­ba­lhan­do o do­bro, pro­cu­ran­do coi­sas no­vas. Pre­ci­sa­mos­de­se­gu­ran­ça­e­es­ta­bi­li­da­de, de me­di­das sé­ri­as do go­ver­no pa­ra dis­cu­tir uma re­for­ma econô­mi­ca, tri­bu­tá­ria, elei­to­ral. É pre­ci­so mu­dan­ça pa­ra res­ga­tar a con­fi­a­bi­li­da­de do em­pre­sá­rio, mas is­so só se faz com re­for­mas”, afir­ma. Na ava­li­a­ção de­le, além de tra­ba­lhar com fir­me­za, o em­pre­sa­ri­a­do de­ve se re­ci­clar, bus­car qua­li­fi­ca­ção, bem co­mo os co­la­bo­ra­do­res.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.