Plan­ta­ções so­no­ras

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Wi­la­me Pra­do wi­la­me@odi­a­rio.com

Pianista gaú­cho ra­di­ca­do no Rio, Mi­guel Pro­en­ça re­a­li­za pro­je­to Pi­a­no Bra­sil no Te­a­tro Calil Had­dad Agen­da in­clui re­ci­tal, ama­nhã, com en­tra­da fran­ca, mas o gran­de fo­co do pianista é a edu­ca­ção

Mais do que exe­cu­tar dis­pu­ta­dos re­ci­tais, o re­no­ma­do pianista Mi­guel Pro­en­ça, 76 anos, ho­je tem co­mo prin­ci­pal me­ta plan­tar­se­men­tes.Éas­sim­que­e­le­me­ta­fo­ri­za o tra­ba­lho que re­a­li­za com o pro­je­to Pi­a­no Bra­sil, que te­ve on­tem, no Te­a­tro Calil Had­dad,aa­ber­tu­ra­de­su­a­sé­ti­ma­e­di­ção, pa­tro­ci­na­da pe­lo BNDES e Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral e que faz par­te da pro­gra­ma­ção da 2ª Se­ma­naCul­tu­ral­deMa­rin­gá.

Por te­le­fo­ne, Pro­en­ça re­ve­la ter fi­ca­do en­can­ta­do com a ci­da­de. “Or­ga­ni­za­da, lim­pa e com mo­ra­do­res que a amam. Qua­se não dá pa­ra ver o sol por cau­sa da imen­si­dão do ver­de”, diz ele, que es­pe­ra co­lher tam­bém por aqui os bons fru­tos que só a mú­si­ca po­de ofe­re­cer ao ser hu­ma­no, de qual­quer ida­de. As cri­an­ças fo­ram seu pri­mei­ro “al­vo”. Qua­se 500 alu­nos da re­de de en­si­no pú­bli­co ti­ve­ram o pri­vi­lé­gio de re­ce­ber das mãos, da voz e do pi­a­no do gaú­cho ra­di­ca­do no Rio de Ja­nei­ro uma au­la-show ba­se­a­da em car­ti­lha es­cri­ta pe­lo ma­es­tro Ri­car­do Pra­do e be­la­men­te ilus­tra­da­porB­ru­naAs­sisB­ra­sil.

Na tar­de de ho­je, se­rá a vez dos es­tu­dan­tes e pro­fes­so­res da área de mú­si­ca co­nhe­ce­rem o pianista e ain­da par­ti­ci­pa­rem de uma mas­ter class, tam­bém com en­tra­da fran­ca. O ato prin­ci­pal da vin­da de Pro­en­ça a Ma­rin­gá es­tá mar­ca­do pa­ra ama­nhã, às 20h30, tam­bém no Calil. É lá que ele exe­cu­ta­rá re­ci­tal com pro­gra­ma es­co­lhi­do a de­do. “O pro­gra­ma, eu es­co­lho as que eu to­co bem; bom, pe­lo me­nos as que eu acho que fa­ço bem. To­co aqui­lo que gos­to, aqui­lo que con­si­go co­mu­ni­car me­lhor com o pú­bli­co, aqui­lo que tam­bém faz me sen­tir me­lhor, com mais con­fi­an­ça tec­ni­ca­men­te e so­no­ra­men­te.”

Com a pro­pos­ta na­ci­o­na­lis­ta do pro­je­to – fei­ta pe­lo pianista que exe­cu­tou to­da a fa­mo­sa co­le­tâ­nea “Pi­a­no Brasileiro” (2005), con­si­de­ra­da pe­la Unes­co co­mo Pa­trimô­nio da Mú­si­ca Bra­si­lei­ra –, Pro­en­ça não dei­xa de to­car no re­ci­tal al­go de Al­ber­to Nepomuceno e Hei­tor Vil­la-Lo­bos. Mas diz ser um con­fes­so apre­ci­a­dor dos ro­mân­ti­cos. Por is­so, há tam­bém na apre­sen­ta­ção in­ter­pre­ta­ções de pe­ças as­si­na­das por Fré­dé­ric Cho­pin, além de can­ções de Gluck-Kempff, De­bus­sy e Na­za­reth.

Com o Pi­a­no Bra­sil, diz ele, a in­ten­ção é pe­lo me­nos uma aproximação do que ocor­re, por exem­plo, na Ale­ma­nha, país on­de mo­rou por mui­to tem­po e que a edu­ca­ção mu­si­cal é uma re­a­li­da­de. “Não exis­te uma tra­di­ção de en­si­nar mú­si­ca clás­si­ca, de se ou­vir mú­si­ca clás­si­ca, es­tá tu­do mui­to vol­ta­do pa­ra a te­le­vi­são e o com­pu­ta­dor. É um alívio pa­ra os­pais­dei­xa­re­mas­cri­an­ças­brin­can­do com os ta­blets. Eu car­re­go pe­dra com es­se pro­je­to, mas não de­sis­to. So­nho com o dia em que ele se ofi­ci­a­li­ze, que se ins­ti­tu­ci­o­na­li­ze, que eu pos­sa ir pa­ra 40 e não so­men­te pa­ra 15 ci­da­des por ano. Mas pa­ra is­so de­pen­do do apoio po­lí­ti­co.”

Edu­ca­ção­da­al­ma

Tal qual Vil­la-Lo­bos – na opi­nião do pianista, o com­po­si­tor mais im­por­tan­te da his­tó­ria da mú­si­ca bra­si­lei­ra e que per­cor­reu Bra­sil afo­ra le­van­do a sua mú­si­ca du­ran­te oi­to anos –, Pro­en­ça quer ca­mi­nhar (com o pro­je­to, já che­gou a qua­se 150 mu­ni­cí­pi­os), quer le­var mú­si­ca pa­ra o má­xi­mo de gen­te pos­sí­vel e quer, fu­tu­ra­men­te, so­nhar com far­tas co­lhei­tas mu­si­cais, que, pa­ra ele, con­sis­te em al­go apa­ren­te­men­te sim­ples, mas ain­da mui­to dis­tan­te da re­a­li­da­de bra­si­lei­ra: o en­si­no da au­di­ção pa­ra a mú­si­ca de­qua­li­da­de.

“Quem já gos­ta de mú­si­ca clás­si­ca,apre­ci­a­o­pro­je­to.Qu­em­des­co­bre a mú­si­ca clás­si­ca de­pois do pro­je­to, ten­de a agra­de­cer. In­ter­pre­ta­ção, pes­qui­sa e ima­gi­na­ção so­no­ra é edu­ca­ção pa­ra a al­ma, apren­der a ou­vir mú­si­ca é po­der sen­tir o pra­zer de uma ma­ni­fes­ta­ção fan­tás­ti­ca, que emo­ci­o­na, que trans­por­ta a ou­tras at­mos­fe­ras, que ti­ra a pes­soa dos pro­ble­mas mais sé­ri­os, e não co­mo fu­ga, não co­mo o ál­co­ol ou as dro­gas, mas co­mo uma for­ma de cul­ti­var a sen­si­bi­li­da­de”, re­fle­te o pianista.

—FO­TO: RI­CAR­DO LO­PES

PI­A­NO. Mi­guel Pro­en­ça on­tem, no Calil, em au­la-show pa­ra qua­se 500 cri­an­ças.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.