A li­ção do po­ti­nho

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Em meio a tan­tas pos­ta­gens apa­ren­te­men­te bo­bi­nhas que já li no Fa­ce­bo­ok, uma frase, cre­di­ta­da ao per­so­na­gem Ho­mer Simp­son, cau­sou-me pro­fun­da re­fle­xão. Aliás, nem sei se ele che­gou a di­zê-la em al­gum epi­só­dio, mas o fa­to é que há nes­sa frase uma ver­da­de incô­mo­da: “quan­do a cul­pa é mi­nha, co­lo­co em quem eu qui­ser”. Quan­ta fi­lo­so­fia em uma me­ra pos­ta­gem de uma re­de social. Em tem­pos de man­dos e des­man­dos go­ver­na­men­tais, de to­das as es­fe­ras, quan­do o jo­go de em­pur­ra to­ma con­ta e nin­guém sa­be de na­da, o que mais ve­mos são pes­so­as trans­fe­rin­do a ba­ta­ta quen­te. As­su­mir os er­ros? Ad­mi­tir as fa­lhas? Coi­sa ra­ra... Na mi­nha ca­sa ou em sa­la de au­la, sou aque­la adul­ta que se ir­ri­ta quan­do cri­an­ças e ado­les­cen­tes não as­su­mem seus er­ros. Co­mo diz iro­ni­ca­men­te um co­le­ga, pro­fes­sor de his­tó­ria, “a me­lhor res­pon­sa­bi­li­da­de é aque­la que não pre­ci­so as­su­mir”. Ne­gli­gen­ci­ar es­sa im­por­tan­te li­ção e achar nor­mal que nos­sos fi­lhos ou alu­nos fu­jam à res­pon­sa­bi­li­da­de traz con­sequên­ci­as ter­rí­veis. Quem sa­be al­guns dos po­lí­ti­cos que ho­je têm seus no­mes en­vol­vi­dos em es­cân­da­los e ne­gam até a mor­te o ób­vio te­nham ti­do em sua in­fân­cia pais ba­na­nas, que não os en­si­na­ram a ad­mi­tir seus er­ros. Pi­or: não os pu­ni­ram na ho­ra ne­ces­sá­ria. E quan­do uma edu­ca­do­ra, co­mo eu, fa­la em pu­ni­ção, cor­re o ris­co de ser ape­dre­ja­da em pra­ça pú­bli­ca, afi­nal, não fal­ta­rão os que le­rão ape­nas a pa­la­vra “pu­ni­ção”, as­sim, des­con­tex­tu­a­li­za­da. Di­rão “quem hor­ror... pu­nir é sem­pre er­ra­do...”. Pois ano­tem aí: por não te­rem re­ce­bi­do al­gum ti­po de san­ção de seus res­pon­sá­veis, mui­tos se trans­for­mam em adul­tos que pas­sam a vi­da apon­tan­do o de­do pa­ra os ou­tros, na ten­ta­ti­va de se li­vrar do pe­so da res­pon­sa­bi­li­da­de. Co­mo is­so acon­te­ce? É sim­ples. Em sa­la de au­la, por exem­plo, quan­do um alu­no é re­pre­en­di­do por­que es­tá abu­san­do da con­ver­sa, é co­mum o pro­fes­sor ou­vir “não sou eu” ou en­tão “é ele que es­tá con­ver­san­do co­mi­go”. Pa­re­ce uma bo­ba­gem, mas acho ad­mi­rá­vel a ati­tu­de do es­tu­dan­te que diz “foi mal, pro­fes­so­ra”, que é ma­nei­ra jo­vi­al de di­zer “me des­cul­pe”. Es­se sim­ples “foi mal” é pro­va de que hou­ve o re­co­nhe­ci­men­to do er­ro, nes­se ca­so o de con­ver­sar mais do que de­ve­ria du­ran­te a au­la. No am­bi­en­te pro­fis­si­o­nal não é di­fe­ren­te. Quan­tos adul­tos, na qua­se pa­té­ti­ca ten­ta­ti­va de se exi­mi­rem da cul­pa, pro­cu­ram al­guém pa­ra res­pon­sa­bi­li­zar. Al­guém ou al­gu­ma coi­sa. Po­de ser o co­le­ga de de­par­ta­men­to, o tem­po chu­vo­so ou o fa­mo­so sis­te­ma. O im­por­tan­te é fu­gir da frase “eu er­rei”. Re­cen­te­men­te, acon­te­ceu um epi­só­dio fa­mi­li­ar que ilus­tra bem a mi­nha te­se de que pe­que­nas coi­sas po­dem ser­vir de gran­des li­ções na ho­ra de edu­car. Es­cre­vi so­bre o fa­to no Fa­ce­bo­ok e reproduzo ho­je aqui na co­lu­na: Por dois di­as con­se­cu­ti­vos, nos­so ca­çu­la che­gou da es­co­la com o po­ti­nho de plás­ti­co em que le­va o lan­che que­bra­do. Dois di­as, dois po­ti­nhos pa­ra o li­xo. Na pri­mei­ra vez, ao ques­ti­o­ná-lo so­bre o ocor­ri­do, ou­vi um “não sei o que acon­te­ceu… não foi mi­nha cul­pa…”. Na se­gun­da, fi­quei ad­mi­ra­da e fiz de no­vo a per­gun­ta. “Por que is­so es­tá acon­te­cen­do?” “Não sei… não foi mi­nha cul­pa…”. Mas meu ma­ri­do e eu sa­bía­mos bem o que es­ta­va acon­te­cen­do. No afã de brin­car en­quan­to nos es­pe­ra, cer­ta­men­te es­ta­va dei­xan­do a lan­chei­ra em qual­quer lu­gar e al­gum co­le­ga de­ve ter pi­sa­do. En­tão o pai in­ter­veio e dis­se “ago­ra vo­cê vai usar seu di­nhei­ro pra com­prar ou­tro po­ti­nho”. “O quê??? Mas não foi mi­nha cul­pa… al­guém pi­sou e…”. Nes­sas ho­ras, a gen­te vai de Pi­a­get a Pi­no­chet aqui em ca­sa. Co­lo­ca­mos fim à dis­cus­são lem­bran­do o pe­que­no de que a cul­pa era de­le sim. Cui­dar do seu ma­te­ri­al pes­so­al en­quan­to ele es­tá na es­co­la não é ta­re­fa do pro­fes­sor nem dos ami­gos. É ape­nas sua res­pon­sa­bi­li­da­de. Co­mo pais, não va­mos exi­gir que cri­an­ças ve­jam uma lan­chei­ra no chão e di­gam “ó, céus, eu de­vo des­vi­ar pa­ra não que­brar o po­ti­nho…”. Mas po­de­mos exi­gir que o do­no a dei­xe em um lo­cal mais se­gu­ro, afas­ta­do dos pe­zi­nhos dos co­le­gas. Ele fez ca­ra feia, mas fi­cou qui­e­to. E eu te­nho me­do de ba­ra­ta, não de ca­ra feia de cri­an­ça. À noi­te, quan­do fui ao su­per­mer­ca­do, pe­di o di­nhei­ro, con­for­me o com­bi­na­do. A ma­dri­nha de vez em quan­do faz um cofrinho pa­ra o afi­lha­do e ele es­tá jun­tan­do uns tro­ca­dos. “Quan­to, mãe?” “Acho que uns R$ 4,00…” Re­su­mo da his­tó­ria: po­ti­nho no­vo, com­pra­do com o di­nhei­ro que era pa­ra ou­tro fim. É is­so. Se não hou­ves­se pu­ni­ção, tal­vez eu ti­ves­se ain­da que jo­gar mui­tos po­ti­nhos no li­xo e ele dei­xas­se de apren­der a li­ção. A li­ção de que quan­do a cul­pa é mi­nha eu pre­ci­so as­su­mi-la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.