Cor­del em de­fe­sa da mu­lher

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Rafael Do­na­dio re­da­cao@odi­a­rio.com

Li­vre­tos de po­e­sia po­pu­lar, tí­pi­cos da cul­tu­ra nor­des­ti­na, são usa­dos pa­ra cons­ci­en­ti­zar po­pu­la­ção Ex­po­si­ção na Câ­ma­ra traz cor­déis, fei­tos por mãe e fi­lha, con­tra a vi­o­lên­cia so­fri­da pe­la mu­lher

A li­te­ra­tu­ra de cor­del che­gou no Bra­sil tra­zi­da por co­lo­ni­za­do­res por­tu­gue­ses, con­ten­do his­tó­ri­as de gló­ri­as e mi­tos, des­co­bri­men­tos de no­vas ter­ras e sa­gas an­ti­gas, trans­mi­ti­das de ge­ra­ções em ge­ra­ções. Os fo­lhe­tos, es­cri­tos por po­e­tas po­pu­la­res, a mai­o­ria des­co­nhe­ci­dos, foi ab­sor­vi­da e cul­ti­va­da pe­las po­pu­la­ções do Nor­des­te. A tra­di­ção foi man­ti­da até ho­je na di­vul­ga­ção de his­tó­ri­as an­ti­gas e con­tem­po­râ­ne­as, es­ri­tas por au­to­res lo­cais. O no­me cor­del sur­giu da for­ma pe­la qual os li­vre­tos com os ver­sos eram pen­du­ra­dos em bar­ban­tes e cor­dões, tam­bém cha­ma­dos de cor­déis, e ex­pos­tos em pra­ças pú­bli­cas,fei­ras,mer­ca­do­se­li­vra­ri­as.

E foi des­sa fon­te que a Se­cre­ta­ri­a­daMu­lher­deMa­rin­gá(SeMu­lher)bus­couins­pi­ra­ção­pa­ra­re­a­li­zar a mos­tra “Li­te­ra­tu­ra de Cor­del”, em par­ce­ria com a Câ­ma­ra, que acon­te­ce no Es­pa­ço Cul­tu­ral da­que­la ca­sa de leis, de se­gun­da a sex­ta-fei­ra, das 8 às 18 ho­ras. A ex­po­si­ção te­ve iní­cio no dia 16 des­te mês e se­gue até a pró­xi­ma ter­ça-fei­ra. “A ideia sur­giu com o con­vi­te da Ol­ga Agu­lhon (se­cre­tá­ria de Cul­tu­ra de Ma­rin­gá) du­ran­te a Fes­ta Literária de Ma­rin­gá(Flim)”,re­la­taRo­siDi­niz,co­or­de­na­do­ra do pro­je­to. Ro­si ain­da res­sal­ta a im­por­tân­cia da di­vul­ga­ção des­sa ma­ni­fes­ta­ção cul­tu­ral pou­co co­nhe­ci­da no Sul. “Du­ran­te a Flim, nós vi­mos mui­tas cri­an­ças do en­si­no mé­dio pas­sa­rem pe­los cor­déis e não te­rem idei­a­do­que­se­tra­ta­va”,dizRo­si.

Além de di­vul­gar a ar­te do cor­del, a SeMu­lher, res­pon­sá­vel por pro­je­tos de ge­ra­ção de ren­da e pro­te­ção à mu­lher, bus­ca tam­bém, atra­vés des­se ti­po de po­e­sia, cons­ci­en­ti­zar a po­pu­la­ção so­bre as ques­tões fe­mi­ni­nas. Is­so por que a ex­po­si­ção con­tem­pla­oMês­daMu­lher,apre­sen­tan­do seis li­vre­tos de li­te­ra­tu­ra de cor­del que de­sen­vol­vem te­mas co­mo a Lei Ma­ria da Penha, no tex­to “Ma­ria da Penha: A Ma­ria que vi­rou lei”, su­pe­ra­ção, “Mu­lher, há es­pe­ran­ça”, cân­cer de ma­ma, “Um ou­tu­bro di­fe­ren­te”, en­tre ou­tros. To­dos os tra­ba­lhos fo­ram pro­du­zi­dos por Abi­le­ne Garcia, fun­ci­o­ná­ria da Se­cre­ta­ria, e tam­bém por sua mãe, Ana Ma­ria de Oli­vei­ra, am­bas nor­des­ti­nas. Ori­gi­nal­men­te as ca­pas de cor­déis, e mui­tas ve­zes tam­bém o tex­to, são pro­du­zi­dos com xi­lo­gra­vu­ra (ma­triz en­ta­lha­da em ma­dei­ra), mas nos tra­ba­lhos da SeMu­lher es­sas ca­pas fo­ram re­pro­du­zi­das com ima­gens­bus­ca­das­nain­ter­net,de­cor­déis já exis­ten­tes. Mais in­for­ma­ções so­bre a ex­po­si­ção, no si­te da pre­fei­tu­ra: http://www2.ma­rin­ga.pr.gov.br/

RE­NA­TO —FO­TO: ANDRÉ

CONS­CI­EN­TI­ZA­ÇÃO. Ana Ma­ria de Oli­vei­ra e a fi­lha Abi­le­ne Garcia, au­to­ras dos cor­déis ex­pos­tos na Câ­ma­ra: pe­la cons­ci­en­ti­za­ção da so­ci­e­da­de so­bre a vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.