Ain­da não dá pa­ra pre­ver im­pac­to no PR e re­gião

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM ZOOM -

ca­da, a re­ne­go­ci­a­ção des­sas dí­vi­das é uma ban­dei­ra de lu­ta da FNP pe­lo equi­lí­brio fe­de­ra­ti­vo e res­pon­sa­bi­li­da­de fis­cal”.

Li­mi­nar

O ad­vo­ga­do-ge­ral da União, mi­nis­tro Luís Iná­cio Adams, afir­mou que o mo­men­to pa­ra de­fi­ni­ção do in­de­xa­dor da dí­vi­da das Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os - e re­ne­go­ci­a­ção dos contratos - de­ve ser de­fi­ni­do pe­la União e não po­de ser im­pos­to. Ele fez es­sa de­cla­ra­ção ao co­men­tar a li­mi­nar ob­ti­da pe­la pre­fei­tu­ra do Rio de Ja­nei­ro que au­to­ri­za a qui­ta­ção da dí­vi­da com a União con­si­de­ran­do a lei que mu­da a co­bran­ça, san­ci­o­na­da no ano pas­sa­do mas ain­da não re­gu­la­men­ta­da. Se­gun­do ele, é “até ques­ti­o­ná­vel” que a le­gis­la­ção pos­sa de­ter­mi­na­ra­mu­dan­ça.

“A AGU vai de­fen­der a de­ci­são da Ad­mi­nis­tra­ção. A pre­fei­tu­ra es­tá que­ren­do apli­car a le­gis­la­ção ime­di­a­ta­men­te. Na nos­sa opi­nião, a lei au­to­ri­za e não de­ter­mi­na - e é até ques­ti­o­ná­vel que pos­sa de­ter­mi­nar. Por es­sa ra­zão,ade­ci­sãoé­daAd­mi­nis­tra­ção de que mo­men­to fa­zer es­se ajus­te”,dis­se­o­ad­vo­ga­do-ge­ral.

De acor­do com Adams, en­quan­to não for re­gu­la­men­ta­da a ques­tão, a de­ci­são “não po­de ser im­pos­ta” e por is­so a li­mi­nar ob­ti­da “se­rá ob­je­to de re­cur­so”.

É pre­ci­so, se­gun­do ele, que a au­to­ri­za­ção le­gis­la­ti­va pa­ra mu­dar o in­de­xa­dor le­ve a uma “de­ci­são do ór­gão res­pon­sá­vel pe­los contratos a re­fa­zer os contratos”. Adams pre­fe­riu não co­men­tar o pro­je­to que es­ti­pu­la pra­zo de 30 di­as pa­ra que o Exe­cu­ti­vo re­gu­la­men­te o no­vo in­de­xa­dor. “É uma pro­pos­ta em tra­mi­ta­ção. Quan­do, e se ela for apro­va­da, nós de­ve­mos ana­li­sá-la. Por en­quan­to é uma dis­cus­são do Con­gres­so”, afir­mou. De­pu­ta­dos fe­de­rais elei­tos por Ma­rin­gá e re­gião co­me­mo­ram a mu­dan­ça no in­de­xa­dor da dí­vi­da por con­ta da am­pli­a­ção da ca­pa­ci­da­de de en­di­vi­da­men­to e da pos­si­bi­li­da­de de se fa­zer no­vos in­ves­ti­men­tos em in­fra­es­tru­tu­ra pe­lo Es­ta­do e mu­ni­cí­pi­os. No en­tan­to, ain­da não há co­mo pre­ver de quan­to se­rá a re­du­ção. Is­so por­que é ne­ces­sá­rio ava­li­ar os contratos pa­ra ve­ri­fi­car as es­pe­ci­fi­da­des e o pe­río­do em que fo­ram­fir­ma­dos.

Jun­tas, as 30 ci­da­des que in­te­gram a As­so­ci­a­ção dos Mu­ni­cí­pi­os do Se­ten­trião Pa­ra­na­en­se (Amu­sep) de­vem cer­ca de R$ 136 mi­lhões pa­ra ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras pú­bli­cas e ao Te­sou­ro Na­ci­o­nal. Já o Es­ta­do tem dí­vi­da na or­dem de R$ 9 bi­lhões. Es­ses são os to­tais, po­rém não se sa­be o quan­to­po­de­rá­ser­re­ne­go­ci­a­do.

“Anos atrás, o Te­sou­ro as­su­miu o con­tro­le das dí­vi­das de Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os com ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras pú­bli­cas e par­ce­lou tu­do, mas com ju­ros mui­to ele­va­dos.Oqueàé­po­ca­e­ra­van­ta­jo­so, com o tem­po se tor­nou ca­ro. Es­se é o mo­ti­vo pa­ra a mu­dan­ça, que vai im­pac­tar de for­ma mui­to po­si­ti­va pa­ra Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os”, ana­li­sa o de­pu­ta­do fe­de­ral Ri­car­doBar­ros(PP).

De acor­do com o de­pu­ta­do fe­de­ral Ed­mar Ar­ru­da (PSC), que par­ti­ci­pou da co­mis­são es­pe­ci­al que ela­bo­rou o tex­to da lei apro­va­da pe­lo Con­gres­so, o be­ne­fí­cio pa­ra o Pa­ra­ná se­rá me­nor do que pa­ra­ou­trosEs­ta­dos.

En­tre 1997 e 1998, al­guns Es­ta­dos re­ne­go­ci­a­ram as dí­vi­das, o que tam­bém foi fei­to por de­ter­mi­na­dos mu­ni­cí­pi­os em 2001. “Na prá­ti­ca, vai re­du­zir de for­ma sig­ni­fi­ca­ti­va o cus­to da di­vi­da. É cla­ro que pa­ra es­ta­dos co­mo São Pau­lo, Rio de Ja­nei­ro, Mi­nas Ge­rais e su­as ca­pi­tais o ga­nho se­rá mai­or por­que na épo­ca não pa­ga­ram par­te da dí­vi­da. O Pa­ra­ná te­rá be­ne­fí­cio me­nor por­que já pa­gou par­te do que de­via”, ex­pli­ca o par­la­men­tar.

Ele re­cor­da que, quan­do ocor­re­ram as dis­cus­sões pa­ra a cri­a­ção da lei, hou­ve con­cor­dân­cia com Gui­do Man­te­ga, à épo­ca Mi­nis­tro da Fa­zen­da. Além dis­so, a co­mis­são es­pe­ci­al con­tou com o co­man­do do ex-de­pu­ta­do pe­tis­ta Cândido Vac­ca­rez­za.

Ho­je, o go­ver­no fe­de­ral se mos­trou dis­pos­to a fa­zer uma re­ne­go­ci­a­ção mais am­pla pa­ra a re­gu­la­men­ta­ção do in­de­xa­dor, in­cluin­do tam­bém os pro­je­tos de re­for­ma do ICMS, en­tre ou­tras ques­tões. A ideia é si­na­li­zar pa­ra a re­dis­cus­são do pac­to fe­de­ra­ti­vo, que tra­ta da di­vi­são de re­cur­sos en­tre União, es­ta­do­se­mu­ni­cí­pi­os.

Pa­ra o de­pu­ta­do fe­de­ral Luiz Nishi­mo­ri (PSDB) es­sa é uma dis­cus­são fun­da­men­tal. “Ho­je a gen­te vê os mu­ni­cí­pi­os com as me­no­res fa­ti­as dos re­cur­so, sen­do que eles sa­bem re­al­men­te quais são as ne­ces­si­da­des”, diz. ///Eder­sonHi­sing

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.