Ao nos­so pai Tú­pac Amaru II

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Con­cluo tex­to do es­cri­tor pe­ru­a­no Jo­sé Ma­ría Ar­gue­das, ini­ci­a­do se­ma­na pas­sa­da: “Pai meu, Deus Ser­pen­te, teu ros­to era co­mo o gran­de céu, olhe-me: ago­ra o co­ra­ção dos se­nho­res é mais es­pan­to­so, mais su­jo, inspira mais ódio. Cor­rom­pe­ram nos­sos pró­pri­os ir­mãos, lhes vi­ra­ram o co­ra­ção e, com eles, ar­ma­dos de ar­mas que o pró­prio demô­nio dos demô­ni­os não po­de­ria in­ven­tar e fa­bri­car, nos ma­tam. E, não obs­tan­te, há uma gran­de luz em nos­sas vi­das! Es­ta­mos bri­lhan­do! Te­mos bai­xa­do nas ci­da­des dos se­nho­res. Desde es­se lu­gar te fa­lo. Te­mos bai­xa­do co­mo as in­ter­mi­ná­veis fi­las de for­mi­gas da gran­de sel­va. Aqui es­ta­mos, con­ti­go, che­fe ama­do, inol­vi­dá­vel, eter­no Amaru. Nos to­ma­ram nos­sas ter­ras. Nos­sas ove­lhi­nhas se ali­men­tam com fo­lhas se­cas que o ven­to ar­ras­ta, que nem o ven­to quer; nos­sa úni­ca va­ca lam­be ago­ni­zan­do o pou­co sal da ter­ra. Ser­pen­te Deus, pai nos­so: em teu tem­po éra­mos ain­da do­nos, co­mu­ni­tá­ri­os. Ago­ra, co­mo cão que fo­ge da mor­te, cor­re­mos até os va­les quentes. Te­mos nos es­ten­di­do em mi­lha­res de po­vos es­tra­nhos, aves es­pa­vo­ri­das. Es­cu­ta, pai meu: desde as que­bra­das dis­tan­tes, desde os pam­pas fri­os ou quei­man­tes que os fal­sos wi­raqo­chas [in­va­so­res es­pa­nhóis] nos to­ma­ram, te­mos fu­gi­do e te­mos nos es­pa­lha­do pe­las qua­tro re­giões do mundo. Há aque­les que se afer­ram a su­as ter­ras ame­a­ça­das e pe­que­nas. Eles sub­sis­tem aci­ma, em su­as que­rên­ci­as e, co­mo nós, tre­mem de ira, pen­sam, con­tem­plam. Já não te­me­mos a mor­te. Nos­sas vi­das são mais frias, do­em mais que a mor­te. Ou­ça, Ser­pen­te Deus: o açoi­te, o cárcere, o so­fri­men­to in­fin­dá­vel, a mor­te, nos for­ta­le­ce­ram, co­mo a ti, ir­mão mai­or, co­mo ao teu cor­po e teu es­pí­ri­to. Até on­de nos há de em­pur­rar es­ta no­va vi­da? A for­ça que a mor­te fer­men­ta e cria no ho­mem não po­de fa­zer que o ho­mem re­vol­va o mundo, que o sa­cu­da? Es­tou em Li­ma, na imen­sa ci­da­de, ca­be­ça dos fal­sos wi­raqo­chas. No Pam­pa de Co­mas, so­bre a areia, com mi­nhas lá­gri­mas, com mi­nha for­ça, com meu san­gue, can­tan­do, edi­fi­quei uma ca­sa. O rio do meu po­vo­a­do, sua som­bra, sua gran­de cruz de ma­dei­ra, as gra­mas e ar­bus­tos que flo­res­cem, ro­de­an­do-o, es­tão, es­tão pal­pi­tan­do den­tro des­sa ca­sa; um bei­ja-flor dou­ra­do dan­ça no ar, so­bre o te­to. À imen­sa ci­da­de dos se­nho­res che­ga­mos e a es­ta­mos re­vol­ven­do. Com nos­so co­ra­ção o al­can­ça­mos, o pe­ne­tra­mos; com nos­so re­go­zi­jo não ex­tin­gui­do, com a re­lam­pa­gue­an­te alegria do ho­mem so­fre­dor que tem o po­der de to­dos os céus, com nos­sos hi­nos an­ti­gos e no­vos, os es­ta­mos en­vol­ven­do. Ha­ve­mos de la­var al­go às cul­pas por sé- cu­los se­di­men­ta­das nes­ta ca­be­ça cor­rom­pi­da dos fal­sos wi­raqo­chas, com lá­gri­mas, amor ou fo­go. Com o que se­ja! So­mos mi­lha­res de mi­lha­res, aqui, ago­ra. Es­ta­mos jun­tos; te­mos nos con­gre­ga­do po­vo­a­do por po­vo­a­do, no­me por no­me, e es­ta­mos es­trei­tan­do es­ta imen­sa ci­da­de que nos odi­a­va, que nos de­pre­ci­a­va co­mo a ex­cre­men­to de ca­va­los. [...] Apren­do já a lín­gua de Cas­te­la, en­ten­do a ro­da e a má­qui­na; com nós cres­ce teu no­me [...]. Me con­tam que em ou­tros po­vo­a­dos os ho­mens açoi­ta­dos, os que so­fri­am, são ago­ra águi­as, con­do­res de imen­so e livre voo. Tran­qui­lo es­pe­ra. Che­ga­re­mos mais lon­ge que quan­do tu qui­ses­te e so­nhas­te. Odi­a­re­mos mais que quan­to tu odi­as­te; ama­re­mos mais do que tu amas­te, com amor de pom­ba en­can­ta­da, de ca­lan­dria. Tran­qui­lo es­pe­ra, com es­se ódio e com es­se amor sem sos­se­go e sem li­mi­tes, o que tu não pu­des­te o fa­re­mos nós. Ao ge­la­do la­go que dor­me, ao ne­gro pre­ci­pí­cio, à mos­ca azu­la­da que vê e anun­cia a mor­te, à lua, às es­tre­las e à ter­ra, o su­a­ve e po­de­ro­so co­ra­ção do ho­mem; a to­do ser vi­ven­te e não vi­ven­te, que es­tá no mundo, ne­le que alen­ta ou não alen­ta o san­gue, ho­mem ou pom­ba, pe­dra ou areia, fa­re­mos que se re­go­zi­gem, [...] Bai­xa à ter­ra, Ser­pen­te Deus, in­fun­de-me teu alen­to; põe tu­as mãos so­bre a te­la im­per­cep­tí­vel que co­bre o co­ra­ção. Dá-me tua for­ça, pai ama­do”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.