Bo­tão do pâ­ni­co não tem da­ta pa­ra ser im­ple­men­ta­do

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM - Eder­son Hi­sing eder­son@odi­a­rio.com

Pro­gra­ma de­pen­de do en­vol­vi­men­to de mu­ni­cí­pio, Es­ta­do e Jus­ti­ça pa­ra sair do pa­pel Pre­fei­tu­ra man­tém ser­vi­ço de apoio

O dis­po­si­ti­vo de se­gu­ran­ça pre­ven­ti­va, co­nhe­ci­do co­mo bo­tão do pâ­ni­co, pa­ra pro­te­ger mu­lhe­res ví­ti­mas de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca ain­da não tem pra­zo pa­ra ser usa­do em Ma­rin­gá. Em­bo­ra a lei te­nha si­do san­ci­o­na­da em 30 de ju­lho do ano pas­sa­do, mu­ni­cí­pio, Es­ta­do e Jus­ti­ça ain­da tra­ba­lham pa­ra vi­a­bi­li­zar a im­plan­ta­ção - que de­ve de­mo­rar. Is­so por­que se­quer há pre­vi­são or­ça­men­tá­ria pa­ra a com­pra de equi­pa­men­tos.

“A pre­fei­tu­ra não tem co­mo ope­ra­ci­o­na­li­zar sem os ór­gãos de se­gu­ran­ça. Ad­qui­rir os equi­pa­men­tos é uma coi­sa, mas quem vai aten­der? Es­ta­mos com es­sa di­fi­cul­da­de”, afir­ma o che­fe de ga­bi­ne­te da Pre­fei­tu­ra de Ma­rin­gá,LuizCar­losMan­za­to.

Se­gun­do ele, o mu­ni­cí­pio aguar­da a si­na­li­za­ção do Es­ta­do pa­ra fir­mar um con­vê­nio e dar iní­cio à uti­li­za­ção do bo­tão do pâ­ni­co. A de­sem­bar­ga­do­ra De­ni­se Kru­ger, da Co­or­de­na­do­ria Es­ta­du­al da Mu­lher em Si­tu­a­ção de Vi­o­lên­cia Do­més­ti­ca e Fa­mi­li­ar do Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (TJ), ex­pli­ca que o de­sa­fio é ga­ran­tir a efe­ti­va apli­ca­ção das ações ino­va­do­ras que pro­te­jam ain­da mais as mu­lhe­res.

“Es­ta­mos im­plan­tan­do uma sé­rie de ações pa­ra me­lho­rar o aten­di­men­toà­mu­lhe­ra­pó­sa­de­ter­mi­na­ção da me­di­da protetiva. Den­tre elas, es­tá a cri­a­ção da pa­tru­lha da lei Ma­ria da Penha, em Curitiba, e a im­ple­men­ta­ção do bo­tão do pâ­ni­co em Gu­a­ra­pu­a­va e Ma­rin­gá”. O Diá­rio pro­cu­rou sa­ber mais de­ta­lhes so­bre a im­plan­ta­ção jun­to ao TJ, mas não hou­ve res­pos­ta até o fe­cha­men­to­des­ta­e­di­ção.

Pe­la lei, o uso do dis­po­si­ti­vo se­rá de­ter­mi­na­do pe­lo po­der Ju­di­ciá­rio que se­le­ci­o­na­rá os ca­sos de mu­lhe­res agre­di­das que ne­ces­si­tem de uma vi­gi­lân­cia mais ri­go­ro­sa da aproximação do agres­sor. Ao ser aci­o­na­do­po­ru­ma­mu­lhe­rem­ris­coi­mi­nen­te de agres­são, o apa­re­lho emi­te si­nal pa­ra uma uni­da­de po­li­ci­al que aten­de­rá o ca­so.

Em ju­lho de 2014, quan­do a lei foi san­ci­o­na­da, o Jui­za­do da Vi­o­lên­cia Do­més­ti­ca da co­mar­ca con­ta­bi­li­za­va 1,3 mil mu­lhe­res com me­di­das pro­te­ti­vas vi­gen­tes. E o grá­fi­co da es­ta­tís­ti­ca é cres­cen­te em Ma­rin­gá e re­gião. So­men­te no úl­ti­mo fi­nal de se­ma­na, oi­to ca­sos de vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher fo­ram re­gis­tra­dos em Sa­ran­di.

En­tre ja­nei­ro e fe­ve­rei­ro des­te ano, a Se­cre­ta­ria da Mu­lher re­a­li­zou 517 aten­di­men­tos e acom­pa­nha­men­tos de mu­lhe- res e fa­mí­li­as ví­ti­mas da vi­o­lên­cia do­més­ti­ca. A es­tru­tu­ra do mu­ni­cí­pio con­ta com o Cen­tro de Re­fe­rên­cia de Aten­di­men­to à Mu­lher Ma­ria Ma­riá (Cram) - lo­ca­li­za­do na Zo­na 2 - on­de as ví­ti­mas po­dem bus­car aju­da com equi­pe mul­ti­dis­ci­pli­nar. Além dis­so, exis­te a Ca­sa Abri­go, des­ti­na­da às mu­lhe­res e fi­lhos que cor­rem ris­cos e op­tam por dei­xar o lo­cal on­de vi­vem.

Aná­lia Nas­ser, se­cre­tá­ria da Mu­lher, ex­pli­ca que no abri­go tam­bém são mi­nis­tra­dos cur­sos de cos­tu­ra e pa­ni­fi­ca­ção, por exem­plo, pa­ra que as mu­lhe­res pos­sam ter uma op­ção de ren­da ao sair. “Tra­ba­lha­mos es­te rom­pi­men­to, co­mo as­su­mir a vi­da da­li em di­an­te. A gen­te en­ten­de tam­bém que é pre­ci­so um tra­ba­lho de pre­ven­ção com as cri­an­ças, pois pe­lo am­bi­en­te que vi­vem po­dem se tor­nar adul­tos agres­si­vos tam­bém”, res­sal­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.