‘Ma­chis­mo é o pro­ble­ma’

O Diario do Norte do Parana - - ZOOM -

A so­ció­lo­ga Ca­mi­la Ga­let­ti ex­pli­ca que atu­al­men­te não se dis­cu­te o cer­ne da ques­tão da vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher: o ma­chis­mo.

1 Fa­la-se mui­to na vi­o­lên­cia fí­si­ca. Quais ou­tras for­ma­a­que­as­mu­lhe­res­são­ví­ti­mas?

— Fa­la-se mui­to da vi­o­lên­cia fí­si­ca, mas de for­ma ba­na­li­za­da. A vi­o­lên­cia do­més­ti­ca foi ba­na­li­za­da e is­so le­vou à in­vi­si­bi­li­da­de­do­cri­me­queé­con­si­de­ra­do de mai­or in­ci­dên­cia no Bra­sil.Exis­te a vi­o­lên­cia psi­co­ló­gi­ca, a sim­bó­li­ca, e is­so é re­pro­du­zi­do nos di­fe­ren­tes mei­os so­ci­ais. Mu­lhe­res de­sem­pe­nha­rem as mes­mas fun­ções de um ho­mem e re­ce­be­rem me­nos por is­so é um ti­po de vi­o­lên­cia ba­se­a­da na­di­fe­ren­ça­de­gê­ne­ro.

2 As me­di­das pro­te­ti­vas são pa­li­a­ti­vas. Qual o cer­ne da­ques­tão?

— O ma­chis­mo. O pro­ble­ma é que a so­ci­e­da­de ci­vil, em vez de tra­tar dis­so, bus­ca me­di­das pa­li­a­ti­vas, co­mo a cri­a­ção de­va­gõe­sex­clu­si­vos­pa­ra­mu­lhe­res em me­trôs. Não é dis­cu­ti­do por­que acon­te­ce o as­sé­dio.

3 Por que as ví­ti­mas se ca­lam, que fa­to­res di­fi­cul­ta­ma­de­nún­cia?

— Pe­lo fa­to de fi­ca­rem ex­pos­tas o tem­po to­do. Além da di­fi­cul­da­de em li­dar com a vi­o­lên­cia, ex­por is­so em ór­gãos que não pos­su­em pre­pa­ra­ção pa­ra li­dar com os ca­sos tor­na o pro­ces­so mui­to mais di­fí­cil. Fal­tam pro­fis­si­o­nais nas de­le­ga­ci­as da mu­lher, es­tru­tu­ra­ção das equi­pes mul­ti­dis­ci­pli­na­re­se­tam­bém­cons­ci­en­ti­za­ção­da­po­pu­la­ção. ///Eder­sonHi­sing

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.