De­pois de 40 anos, ir­mãs se re­en­con­tram

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - ///DaRe­da­ção

E 40 anos se pas­sa­ram pa­ra que acon­te­ces­se o re­en­con­tro das ir­mãs Ve­ra Lú­cia Ca­lis­to, de Man­da­gua­ri, e Neu­za Ca­lis­to, fun­ci­o­ná­ria do se­tor de fis­ca­li­za­ção da Pre­fei­tu­ra de Ma­rin­gá, que tra­zia no olhar um mis­to de sur­pre­sa e alegria. Ve­ra não le­vou mui­to a sé­rio quan­do, di­as atrás, seu fi­lho des­co­briu no fa­ce­bo­ok o en­de­re­ço da tia. On­tem, elas se re­en­con­tra­ram na pre­fei­tu­ra. Pri­mei­ra­men­te, se olha­ram e, ti­mi­da­men­te, uma dis­se o no­me da ou­tra, até se apro­xi­ma­rem e da­rem o abra­ço que se­lou o rei­ní­cio, o re­a­ta­men­to. Tu­do den­tro de uma con­ti­da emo­ção que só foi um pou­co mais ex­te­ri­o­ri­za­da a par­tir do­es­tí­mu­lo­de­fun­ci­o­ná­ri­os­da­pre­fei­tu­ra­que­a­com­pa­nha­ra­mo­mo­men­to.Elo­go,qua­tro­dé­ca­das­co­me­ça­ra­ma­ser­re­li­ga­das.Pa­ra­tan­to as­sun­to em atra­so, já mar­ca­ram uma chur­ras­ca­da no do­min­go em Man­da­gua­ri quan­do os pa­ren­tes da par­te de Ve­ra e da par­te de Neu­sa vão­se­co­nhe­cer. Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os têm até cin­co anos pa­ra ze­rar o es­to­que de pre­ca­tó­ri­os, que são as dí­vi­das do po­der pú­bli­co re­co­nhe­ci­das pe­la Jus­ti­ça. O pra­zo foi de­ter­mi­na­do pe­lo Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), on­de o as­sun­to é de­ba­ti­do desde 2013, quan­do a cor­te der­ru­bou uma emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal de 2009 que ins­ti­tuía um sis­te­ma de par­ce­la­men­to dos pa­ga­men­tos em até 15 anos. Com a de­fi­ni­ção so­bre o te­ma, o STF ga­ran­te aos cre­do­res uma da­ta má­xi­ma pa­ra o re­ce­bi­men­to de dí­vi­das que, mui­tas ve­zes, se ar­ras­tam desde as dé­ca­das­de1990.

Só na re­gião da As­so­ci­a­ção dosMu­ni­cí­pi­os­doSe­ten­triãoPa­ra­na­en­se (Amu­sep), 219 cre­do­res têm R$ 60,8 mi­lhões a re­ce­ber de 19 pre­fei­tu­ras, nos ou­tros 11 mu­ni­cí­pi­os, não há pre­ca­tó­ri­os pen­den­tes. A mai­or dí­vi­da se con­cen­tra em Ma­rin­gá, on­de 72 cre­do­res pos­su­em um cré­di­to de R$ 49,8 mi­lhões. A se­gun­da mai­or dí­vi­da na Amu­sep é de Man­da­gua­ri, on­de há 78 pes­so­a­se­em­pre­sasàes­pe­ra­do­pa­ga­men­to­deR$5,6mi­lhões.

O pre­fei­to de Man­da­gua­ri, Ro­mu­al­do Ba­tis­ta, o Ba­tis­tão (PT), afir­mou que pre­ten­de cum­prir a de­ter­mi­na­ção ju­di­ci­al e vai pa­gar to­do s os cre­do­res den­tro do pra­zo le­gal. “Va­mos pa­gar to­dos. Se eu con­ti­nu­ar pre­fei­to, vou re­sol­ver es­sa ques­tão. O que for es­ti­pu­la­do va­mos cum­prir. Até ago­ra não fiz em­prés­ti­mos, só pa­guei con­tas”, diz.

Amai­or­par­te­das­dí­vi­das­se­re­fe­re a uma re­a­de­qua­ção fei­ta na lei do pla­no de car­rei­ra dos ser­vi­do­res mu­ni­ci­pais em 2001 e tam­bém a um pro­ble­ma com uma em­prei­tei­ra, re­gis­tra­do en­tre o fi­nal da dé­ca­da de 1980 e co­me­ço do­sa­nos­de1990.

Em Ma­rin­gá, de acor­do com o che­fe de ga­bi­ne­te, Luiz Car­los Man­za­to, a de­ci­são do STF não pre­o­cu­pa. “Não vai al­te­rar onos­so­pla­ne­ja­men­to.Te­mo­sal­guns pro­ble­mas de lá trás, que es­tão to­dos par­ce­la­dos e te­mos des­ti­na­do cer­ca de R$ 10 mi­lhões ao ano pa­ra es­tes pa­ga­men­tos. Es­tá den­tro do pre­vis­to”, diz. Os mai­o­res pre­ca­tó­ri­os do mu­ni­cí­pio são re­la­ti­vos a dí­vi­das con­traí­das na cons­tru­ção do Ae­ro­por­toSil­vi­oNa­meJu­ni­or.

Ou­tros gran­des cre­do­res são ad­vo­ga­dos e do­nos de ter­ras de­sa­pro­pri­a­das. De to­dos pre­ca­tó­ri­os, três são re­la­ti­vas à ex­tin­ta Cai­xa de Pen­são e Apo­sen­ta­do­ria dos Ser­vi­do­res Pú­bli­cos Mu­ni­ci­pais de Ma­rin­gá (Cap­se­ma). Em ape­nas um dos pro­ces­sos, a pen­dên­ci­a­su­pe­raR$1mi­lhão.

Ape­sar­de­jul­ga­da,aa­ção­da­tri­mes­tra­li­da­de e a dí­vi­da da ad­mi­nis­tra­ção com­cer­ca­de3­mil­fun­ci­o­ná­ri­os e ex-fun­ci­o­ná­ri­os pú- As­tor­ga Co­lo­ra­do Dou­tor Ca­mar­go Flo­raí Ita­gua­jé Itam­bé Man­da­gua­ri Ma­ri­al­va Ma­rin­gá Mu­nhoz de Mel­lo Nos­sa Se­nho­ra das Gra­ças No­va Es­pe­ran­ça Pai­çan­du Pa­ra­na­city San­ta Fé San­ta Inês San­to Iná­cio Sa­ran­di Uni­flor To­tal 3 8 5 3 1 2 78 7 72 2 1 2 3 3 2 11 6 7 3 bli­cos ain­da não cons­ta da re­la­ção de pre­ca­tó­ri­os. Atu­al­men­te, o pro­ces­so da trimestralidade se en­con­tra em fa­se de li­qui­da­ção dos cál­cu­los.

“É bas­tan­te coi­sa, são cer­ca de três mil con­tas in­di­vi­du­ais a se­rem re­fei­tas”, ex­pli­ca Man­za­to. Se­gun­do ele, só após a con­ta­bi­li­za­ção de ca­da dí­vi­da é que o R$ 742,9 mil R$ 428,4 mil R$ 420,5 mil R$ 292,8 mil va­lor não di­vul­ga­do R$ 141,2 mil R$ 5,6 mi­lhões R$ 663,1 mil R$ 49,8 mi­lhões va­lor não di­vul­ga­do R$ 27,8 mil R$ 61,2 mil R$ 120,8 mil R$ 156 mil R$ 109,3 mil R$ 1,1 mi­lhão R$ 309,9 mil R$ 574,3 mil R$ 94,7 mil R$ 60,8 mi­lhões Ân­gu­lo, Ata­laia, Flo­res­ta, Fló­ri­da, Igua­ra­çu, Iva­tu­ba, Lo­ba­to, Mandaguaçu, Ou­ri­zo­na, Pre­si­den­te Cas­te­lo Bran­co e São Jor­ge do Ivaí não têm pre­ca­tó­rio a pa­gar, se­gun­do ba­lan­ço dis­po­ní­vel on­tem no Tri­bu­nal de Jus­ti­ça do Pa­ra­ná. mu­ni­cí­pio vai ter con­di­ções de fa­zer al­gu­ma pro­pos­ta de pa­ga­men­to. “Ne­go­ci­ar sem sa­ber o va­lor exa­to fi­ca di­fí­cil”, jus­ti­fi­ca.

Pa­ra evi­tar no­vo acú­mu­lo de dé­bi­tos de pre­ca­tó­ri­os, o STF de­ci­diu que , a par­tir de 2020, as dí­vi­das re­co­nhe­ci­das na Jus­ti­ça até o mês de ju­lho te­rão de en­trar no or­ça­men­to­do­a­no­se­guin­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.