Hu­mor per­de Jor­ge Lo­re­do

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Ubi­ra­tan Bra­sil Agên­cia Es­ta­do

Aos 89, mor­re Jor­ge Lo­re­do, in­tér­pre­te do per­so­na­gem cô­mi­co Zé Bo­ni­ti­nho, que mar­cou épo­ca na TV Ator, que es­ta­va in­ter­na­do desde o dia 3 de fe­ve­rei­ro em hos­pi­tal do Rio, sem­pre te­ve saú­de aba­la­da

Cri­a­dor do fa­mo­so per­so­na­gem Zé Bo­ni­ti­nho, o ator Jor­ge Lo­re­do mor­reu na ma­nhã de on­tem, no Rio de Ja­nei­ro. Ele es­ta­va hos­pi­ta­li­za­do desde o dia 3 de fe­ve­rei­ro no Hos­pi­tal São Lu­cas, no Rio. A cau­sa da mor­te ain­da não foi con­fir­ma­da.

Feio, voz na­sa­la­da, ges­tos ro­bó­ti­cos – na­da pa­re­cia de­pre­ci­ar a ima­gem de Zé Bo­ni­ti­nho, o mais fa­mo­so e lon­ge­vo per­so­na­gem­cri­a­do­porJor­geLo­re­do.

Ele nas­ceu em Cam­po Gran­de, no dia 7 de maio de 1925, e não pa­re­cia que vi­ve­ria du­ran­te mui­to tem­po. Aos 12 anos, por exem­plo, foi di­ag­nos­ti­ca­do com os­te­o­mi­e­li­te na per­na es­quer­da. Is­so­lhe­pro­vo­ca­vau­ma­dor­cons­tan­te, que só foi cu­ra­da na dé­ca­da de 1970. Por con­ta dis­so, Lo­re­do foi um ga­ro­to tí­mi­do e in­tro­ver­ti­do.

Car­rei­ra

Quan­do com­ple­tou 20 anos, foi in­ter­na­do em um sa­na­tó­rio com di­ag­nós­ti­co de tu­ber­cu­lo­se. O que pa­ra mui­tos re­pre­sen­ta­ria o fim tor­nou-se uma no­va op­ção de vi­da – in­cen­ti­va­do por mé­di­cos, Lo­re­do in­gres­sou em um gru­po te­a­tral no pró­prio hos­pi­tal, on­de des­co­briu sua vo­ca­ção de ator.

Após re­ce­ber al­ta, um tes­te vo­ca­ci­o­nal iden­ti­fi­cou uma ten­dên­cia pa­ra “ati­vi­da­des exi­bi­ci­o­nis­tas”. Mes­mo as­sim, Lo­re­do pro­cu­rou uma es­co­la de te­a­tro em bus­ca de pa­péis “sé­ri­os”, mas, con­tra a sua von­ta­de, sua pri­mei­ra au­di­ção foi pa­ra re­pre­sen­tar o mo­nó­lo­go cô­mi­co “Co­mo Pe­dir uma Mo­ça em Ca­sa­men­to”.Apro­va­do,não­lhe­res­tou al­ter­na­ti­va que ado­tar o hu­mo­ris­mo­co­mo­pro­fis­são.

Sur­gi­ram as­sim per­so­na­gens que se tor­na­ram clás­si­cos co­mo o Men­di­go fi­ló­so­fo da Pra­ça da Alegria, cri­a­do no fi­nal dos 1950 – era um vai­do­so e es­no­be clo­chard que a to­dos os es­mo­le­res tra­ta­va­de“meu­no­bre­co­le­ga”.

O gran­de su­ces­so, no en­tan­to, veio em 1961, com o sur­gi­men­to­deZéBo­ni­ti­nho,per­so­na­gem que mar­cou de­fi­ni­ti­va­men­te sua car­rei­ra O mo­ti­vo era o jo­go de con­tra­di­ções: ape­sar de vi­si­vel­men­te um ho­mem feio, co­mi­men­so­só­cu­lo­seum­bi­go­di­nho del­ga­do, Bo­ni­ti­nho jus­ti­fi­ca­va­o­a­pe­li­do­e­e­ra­o­ter­ror­das­mu­lhe­res.

Su­as fra­ses de efei­to (“Mu­lher pa­ra mim é igual pa­ra­fu­so: é no ar­ro­cho”) e os mo­ti­vos de seu can­sa­ço(“Ho­je­bei­jei999­mu­lhe­res e es­tou com a bo­ca mo­le”) pro­vo­cam inú­me­ras gar­ga­lha­das dos es­pec­ta­do­res do pro­gra­ma Noi­tes Ca­ri­o­cas, na an­ti­ga TVRio.

Se­gun­do Lo­re­do, a ins­pi­ra­ção veio de um ami­go me­ti­do a ga­ra­nhão, cha­ma­do Jarbas. “Ele era uma­fi­gu­ra,can­ta­va­to­da­sas­mu­lhe­res, pa­ra­va em fren­te ao es­pe­lho pa­ra pen­te­ar o bi­go­de. Eu o imi­ta­va nas fes­tas e as pes­so­as se di­ver­ti­am mui­to”, con­ta­va.

Eo­per­so­na­ge­ma­gra­da­va­tam­bém os cha­ma­dos in­te­lec­tu­ais, a pon­to de o ci­ne­as­ta Rogério Sgan­zer­la ter se ins­pi­ra­do em Zé Bo­ni­ti­nho pa­ra cri­ar as his­tó­ri­as dos fil­mes “Sem Es­sa, Ara­nha” (1970)e“OA­bis­mo”(1978).

Tra­ba­lho ju­rí­di­co

Ape­sar do su­ces­so, ele nun­ca se ilu­diu com a fa­ma. Tan­to que, du­ran­te a se­ma­na, tra­ba­lha­va co­mo ad­vo­ga­do, es­pe­ci­a­li­za­do em pre­vi­dên­cia social. Em 2001, ele ga­ran­tia que mui­tas ve­zes viu sua ren­da to­tal­men­te atre­la­da ao tra­ba­lho ju­rí­di­co, uma “re­ta­guar­da fi­nan­cei­ra” que já o sal­va­ra de si­tu­a­ções di­fí­ceis.

“A TV é in­cons­tan­te: ho­je vo­cê es­tá em­pre­ga­do e fa­mo­so, ama­nhã nem lem­bram seu no­me”, di­zia. “Atu­al­men­te, qua­se tu­do o que ga­nho vem do meu es­cri­tó­rio. Sus­pi­ro ali­vi­a­do quan­do lem­bro que te­nho ou­tra pro­fis­são.”

Jor­ge Lo­re­do não gos­ta­va de mis­tu­rar o per­so­na­gem Zé Bo­ni­ti­nho com sua car­rei­ra de ad­vo­ga­do, mas con­ta­va que per­de­ra a quan­ti­da­de de ve­zes em que fla­grou um cli­en­te com von­ta­de de rir só de olhar pa­ra sua ca­ra.

“No meu es­cri­tó­rio, ado­to uma con­du­ta sé­ria pa­ra não con­fun­di­rem as coi­sas, e evi­to fa­lar so­bre TV com os cli­en­tes. Te­nho de pas­sar cre­di­bi­li­da­de, mi­nhas gra­ças co­mo hu­mo­ris­ta são um ou­tro ne­gó­cio”, di­zia. “Mas não fo­ram pou­cas as ve­zes que cli­en­tes se sur­pre­en­de­ram ao me ve­rem e até co­me­ça­ram a rir. Tem gen­te até que pe­de fo­to do Zé Bo­ni­ti­nho au­to­gra­fa­da de­pois das au­di­ên­ci­as .

—FO­TO: AGLIBERTO LI­MA/AE

ADEUS. Jor­ge Lo­re­do na pe­le de Zé Bo­ni­ti­nho: per­so­na­gem dei­xa­rá sau­da­des

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.