A jus­ti­ça nos­sa de ca­da dia

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Agen­te an­da de car­ro pe­la ave­ni­da, ir­ri­ta­dos com es­se mo­vi­men­to des­ne­ces­sá­rio, com as fai­xas de pe­des­tre car­re­ga­das, com o pos­sí­vel atra­so que es­ses ou­tros po­dem nos cau­sar. Xin­ga­mos quan­do nos ve­mos na imi­nên­cia de um aci­den­te pro­vo­ca­do por aqui­lo que cha­ma­mos de “inap­ti­dão alheia pa­ra a di­re­ção”, ou me­lhor, “bar­bei­ra­gem”. É in­crí­vel co­mo pres­ta­mos aten­ção em nos­sos ho­rá­ri­os, em nos­sas ta­re­fas, obri­ga­ções, ne­ces­si­da­des. Pres­ta­mos aten­ção até na mú­si­ca sem gra­ça – e por ve­zes ma­chis­ta – que es­tá to­can­do no rá­dio. Mas so­mos ab­so­lu­ta­men­te in­ca­pa­zes de per­ce­ber que a cal­ça­da não é pai­sa­gem, que inú­me­ras vi­das cru­zam nos­sas vi­das di­a­ri­a­men­te, que po­de­mos to­cá-las, in­ter­fe­rir em seus cur­sos. Em ca­da cor­po há um dra­ma, e pa­ra ca­da dra­ma há uma so­lu­ção pron­ta que apren­de­mos as­sis­tin­do te­le­vi­são ou len­do tex­ti­nhos de re­des so­ci­ais. Ape­nas quan­do es­ta­mos no trân­si­to per­ce­be­mos a cons­tân­cia dos er­ros de di­re­ção das pes­so­as. Mais pe­ri­go­so que is­so se­ria no­tar a di­fi­cul­da­de que te­mos de gui­ar nos­sas pró­pri­as vi­das. So­mos bar­bei­ros as­su­mi­dos e vi­ve­mos di­ri­gin­do nos­sas vi­das pe­ri­go­sa­men­te es­pe­ran­do que amu­le­to pen­du­ra­do no re­tro­vi­sor nos dê sor­te, nos pro­te­ja dos ris­cos de se vi­ver sem pe­rí­cia al­gu­ma. Vi­ver, ca­ros lei­to­res, é com­ple­ta­men­te ar­ris­ca­do, mas ain­da pi­or é quem não as­su­me seu pró­prio ris­co. Quan­do há um amor que se pas­sa, vo­cê pen­sa que aque­la pes­soa fi­ca­rá mar­ca­da pa­ra sem­pre na sua vi­da. Mas as mar­cas não são ex­clu­si­vi­da­des do amor. A ca­da pas­so, im­pri­mi­mos a mar­ca de nos­so pe­so no so­lo, e is­so não po­de­rá ser des­fei­to ja­mais. Nos­sos cor­pos são a me­mó­ria vi­va do mundo, e ca­da pes­soa na cal­ça­da é par­te cons­ti­tuin­te des­se al­guém que vo­cê é. Não do al­guém for­ja­do, bem de­li­mi­ta­do e cer­ti­nho que vo­cê pen­sa ser, mas da­qui­lo que vo­cê é de ver­da­de. Vo­cê po­de afir­mar ser de di­rei­ta ou es­quer­da, ser con­tra a cor­rup­ção, ser or­gu­lho­so do juiz que es­tu­dou na mes­ma uni­ver­si­da­de que seu fi­lho – e que por si­nal, po­de­ria ter es­tu­da­do em qual­quer ou­tra. Vo­cê po­de ser a fa­vor da fa­mí­lia e da jus­ti­ça, po­de ser um ho­mem de bem, ou uma mu­lher hon­ra­da. O que vo­cê não é ca­paz de fa­zer é apa­gar da me­mó­ria da mu­lher ne­gra e po­bre a for­ma co­mo vo­cê olhou pra ela. Vo­cê ja­mais apa­ga­rá da his­tó­ria do men­di­go a pa­la­vra de des­gra­ça que lan­çou na vi­da de­le. Nós ja­mais se­re­mos há­beis pa­ra re­a­ver a jus­ti­ça que dei­xa­mos de fa­zer por pu­ra co­mo­di­da­de. So­mos, ca­ros lei­to­res, am­pla e ir­re­vo­ga­vel­men­te res­pon­sá­veis por tu­do aqui­lo que fa­ze­mos e igual­men­te res­pon­sá­veis por tu­do aqui­lo que dei­xa­mos de fa­zer. Se eu pu­des­se pe­dir al­go aos deu­ses, pe­di­ria sa­be­do­ria pa­ra sou­bés­se­mos di­ri­gir as pa­la­vras que sa­em das nos­sas bo­cas re­ve­lan­do os amiú­des de nos­sos co­ra­ções. Pe­di­ria ain­da o olhar cor­re­to, o an­dar cor­re­to, o sen­tir cor­re­to, ou se­ja, pe­di­ria que to­dos ti­vés­se­mos ha­bi­li­da­de pa­ra ser­mos com­ple­ta­men­te hu­ma­nos. A vi­da – ab­sur­da – nos en­si­na o quan­to dói ca­da dor, mas ape­nas ca­da um de nós po­de es­cre­ver na his­tó­ria, ape­sar de nos­sas vãs pa­la­vras, a jus­ti­ça pró­pria de ser hu­ma­no: o com­pa­de­cer.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.