Re­na­to Rus­so, ex-Le­gião, com­ple­ta­ria 55 anos

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Agên­cia Es­ta­do re­da­cao@odi­a­rio.com

Can­tor e com­po­si­tor que fun­dou a se­mi­nal ban­da de rock Le­gião Ur­ba­na, Re­na­to Rus­so, que mor­reu em 11/10/1996, com­ple­ta­ria 55 anos on­tem.

Ví­ti­ma de com­pli­ca­ções de­cor­ren­tes da Aids, Re­na­to ti­nha ape­nas 36 anos, mas já ha­via ins­cri­to seu no­me na his­tó­ria do rock na­ci­o­nal. Ele ocu­pa­va a 25.ª po­si­ção na Lis­ta dos Cem Mai­o­res Ar­tis­tas da Mú­si­ca Bra­si­lei­ra da re­vis­ta “Rol­ling Sto­ne”, em ou­tu­bro de 2008. Ho­mos­se­xu­al as­su­mi­do desde os 18 anos, ele ja­mais con­fir­mou es­tar com a do­en­ça.

Com a Le­gião, Re­na­to Rus­so, que nas­ceu no Rio, dei­xou oi­to ál­buns de es­tú­dio, cin­co ao vi­vo e al­guns lan­ça­dos pos­tu­ma­men­te, além de vá­ri­os con­tos, en­tre ou­tros es­cri­tos.

Gra­vou tam­bém três dis­cos so­lo e can­tou com Eras­mo Car­los, Cás­sia El­ler, Her­bert Vianna, Adri­a­na Cal­ca­nho­to, Pau­lo Ri­car­do,Lei­laPi­nhei­ro,Biquí­niCa­va­dão, 14 Bis e Ple­be Ru­de, en­tre ou­tros. Uma das mais bem-su­ce­di­das ban­das do País em 14 anos de ati­vi­da­de, a Le­gião ven­deu mais­de25­mi­lhões­de­dis­cos.

Em 1973, Re­na­to e sua fa­mí­lia fo­ram mo­rar em Bra­sí­lia, e lá, em 1978, ele for­mou a ban­da Abor­to Elé­tri­co, na qual mos­tra­va sua pre­di­le­ção pe­lo punk in­glês. São des­se pe­río­do mú­si­cas co­mo “Té­dio”, “Que País É Es­se?” ou “Ve­ra­neio Vas­caí­na”.

Foi em ho­me­na­gem ao in­glês Ber­trand Rus­sell e aos franceses Je­an-Jac­ques Rous­se­au e Henri Rous­se­au, que Re­na­to Man­fre­di­ni Jú­ni­or ado­tou o so­bre­no­me ar­tís­ti­co Rus­so e se tor­nou um mi­to pa­ra vá­ri­as ge­ra­ções de fãs da Le­gião, que o ve­ne­ram co­mo a um deus.

Sua tra­je­tó­ria ins­pi­rou fil­mes co­mo “Fa­ro­es­te Ca­bo­clo” (2013), di­ri­gi­do por Re­né Sam­paio, e “So­mos Tão Jo­vens” (2013), de Antonio Car­los da Fon­tou­ra. Em re­la­ção ao fil­me de Fon­tou­ra, fi­ca cla­ro que a “mú­si­ca de Rus­so es­te­ve pre­sen­te em fa­ses agu­das da his­tó­ria re­cen­te do Bra­sil e a co­men­tou. Mes­mo os que pen­sam que não co­nhe­cem sua mú­si­ca, aca­bam por re­co­nhe­cê-la, pois em mui­tos mo­men­tos ela se tor­nou uma tri­lha so­no­ra do País, tão em cri­se quan­to o mú­si­co”, co­mo afir­ma o crí­ti­co do jor­nal O Es­ta­do de S.Pau­lo Luiz Za­ninO­ric­chio.

À fren­te da Le­gião Ur­ba­na, Re­na­toRus­so­e­su­ces­sos­co­mo“Pais e Fi­lhos”, “Edu­ar­do e Mô­ni­ca”, “Ge­ra­ção Co­ca-Cola”, “Tem­po Per­di­do”, “Eu Sei”, en­tre ou­tros, vi­ra­ram ob­je­to de cul­to de fãs de to­da­sa­si­da­des.

—FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

VI­DA BRE­VE. Re­na­to Rus­so, que te­ve vi­da abre­vi­a­da pe­la Aids: can­tor e com­po­si­tor re­cu­sou se ad­mi­tir do­en­ça

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.