Rocky vol­ta à lu­ta

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Luiz Car­los Mer­ten Agên­cia Es­ta­do

Os­car de Fil­me e Di­re­ção em 1976, com Syl­ves­ter Stal­lo­ne no pa­pel prin­ci­pal vol­ta às te­las de São Pau­lo Fil­me deu re­co­nhe­ci­men­to ao ator até en­tão con­si­de­ra­do bron­co e re­cu­pe­rou au­to-es­ti­ma nos EUA

Em me­a­dos dos anos 1970, a ‘Amé­ri­ca’ vi­via uma cri­se de con­fi­an­ça. As de­nún­ci­as dos re­pór­te­res Carl Berns­tein e Bob Wo­odward no The Washing­ton Post so­bre o en­vol­vi­men­to de Ri­chard Ni­xon no as­sal­to à se­de do Par­ti­do De­mo­cra­ta pro­du­zi­ram um es­cân­da­lo que le­vou à re­nún­cia do pre­si­den­te, pa­ra evi­tar o im­pe­a­ch­ment. To­do es­se pro­ces­so foi de­mo­ra­do e a qu­e­bra de con­fi­an­ça nas ins­ti­tui­ções pro­du­ziu uma cri­se mo­ral. O ci­ne­ma trans­for­mou-a em qu­e­bra de con­fi­an­ça nas re­la­ções in­ter­pes­so­ais e pro­du­ziu gran­des fil­mes co­mo “Um Lan­ce no Es­cu­ro”, de Arthur Penn. Na sequên­cia, foi elei­to Jimmy Car­ter e os EUA pa­re­ci­am vi­ver um (re)co­me­ço. Fal­ta­va um mo­ti­va­dor pa­ra a na­ção.

“Rocky, Um Lu­ta­dor” ga­nhou os Os­cars de fil­me e di­re­ção de 1976 e trans­for­mou em as­tro um ator meio bron­co que, até en­tão, fi­ze­ra so­men­te pe­que­nos pa­peis. Além de atu­ar, Syl­ves­ter Stal­lo­ne, es­cre­veu o ro­tei­ro. Foi in­di­ca­do pa­ra o prê­mio da Aca­de­mia, mas per­deu pa­ra o de “Re­de de Intrigas”, de Paddy Chayefsky. O pró­prio Rocky ven­ceu “To­dos os Ho­mens do Pre­si­den­te”, de Alan J. Pa­ku­la, com Ro­bert Red­ford e Dus­tin Hoff­man co­mo Wo­odward e Berns­tein e que abor­da­va de for­ma mais di­re­ta o es­cân­da­lo de Wa­ter­ga­te. Rocky ven­ceu tam­bém “Mo­to­ris­ta de Tá­xi” (Ta­xi Dri­ver), de Mar­tin Scor­se­se. O mi­la­gre que trans­for­mou o fil­me ‘pe­que­no’ num es­tou­ro foi de­vol­ver a con­fi­an­ça aos norte-ame­ri­ca­nos. Ou­tro mi­la­gre é que, pas­sa­dos qua­se 40 anos, “Rocky, Um Lu­ta­dor” não te­nha per­di­do o en­can­to. É a atra­ção da vez na sé­rie de clás­si­cos res­tau­ra­dos da re­de Ci­ne­mark. Tal­vez não se­ja ‘clás­si­co’, mas é, com cer­te­za, ‘cult’

Na his­tó­ria, Rocky Bal­boa é um zé-nin­guém cu­ja vi­da pa­ti­na. Lu­ta­dor de úl­ti­mas ca­te­go­ria, vi­ven­do num cor­ti­ço, ele se acha um fra­cas­sa­do. Pa­ra co­me­mo­rar o bi­cen­te­ná­rio da in­de­pen­dên­cia, o cam­peão Apol­lo Creed va­le-se de um gol­pe de publicidade e pro­põe en­fren­tar um des­co­nhe­ci­do, nu­ma lu­ta vá­li­da pe­lo tí­tu­lo. Rocky trei­na, e ven­ce. Na fan­ta­sia do fil­me, mi­la­gres acon­te­cem - na Amé­ri­ca. Rocky/Stal­lo­ne é a pro­va de que, com de­di­ca­ção e es­for­ço, po­de-se su­pe­rar não im­por­ta o quê. Uma vez na li­ça, Rocky tem mui­tas opor­tu­ni­da­des de desistir com hon­ra, mas ele vai até o fim. Vi­ra o he­rói da mas­sa anô­ni­ma. Du­as pes­so­as são de­ci­si­vas no pro­ces­so - sua mu­lher, Adri­en­ne/Ta­lia Shi­re, e o ve­lho trei­na­dor, Mic­key/Bur­gess Me­re­dith.

É um ra­ro fil­me do bo­xe que en­fa­ti­za a im­por­tân­cia do trei­na­dor e do trei­na­men­to. Rocky dá du­ro cor­ren­do nas ru­as de Fi­la­dél­fia ao som do sco­re de Bill Con­ti, tão triun­fal que com­pe­te até ho­je com o de Van­ge­lis em “Car­ru­a­gens de Fo­go”, de Hugh Hudson, co­mo te­ma de for­ma­tu­ras e even­tos mo­ti­va­ci­o­nais. E Adri­en­ne é um do­ce É tí­mi­da, aves­sa à vi­o­lên­cia. O di­re­tor John G. Avild­sen com cer­te­za viu “Mar­ca­do pe­la Sar­je­ta” (So­me­body Up The­re Li­kes Me), que Ro­bert Wi­se re­a­li­za­ra 20 anos an­tes. Ou­tra his­tó­ria de pu­gi­lis­ta ita­li­a­no, e as ce­nas da aproximação de Paul New­man e Pi­er Angeli pos­su­em uma ter­nu­ra que só não é re­pe­ti­da na ín­te­gra por­que Stal­lo­ne não con­se­gue re­pre­sen­tar co­mo New­man. Mas ele é óti­mo, den­tro do con­cei­to tra­ça­do pe­lo ator e ro­tei­ris­ta. “Vo­cê tem de ser um idi­o­ta pa­ra ser lu­ta­dor.” Is­so não o im­pe­de de fa­zer com que Rocky use o es­por­te de for­ma po­si­ti­va, pa­ra se afir­mar.

Sur­gi­ram na sequên­cia Rocky 2, 3, 4 e 5. Stal­lo­ne foi di­ri­gin­do as sequên­ci­as, me­nos a úl­ti­mas, à qual vol­tou John G. Avild­son. No meio, o di­re­tor cri­ou as sé­rie “Ka­ra- tê Kid”, com Ralph Mac­chio, so­bre um lu­ta­dor ju­ve­nil. E o pró­prio Stal­lo­ne se en­vol­veu em ou­tra sé­rie, “Ram­bo”. O pri­mei­ro fil­me, di­ri­gi­do por Ted Kot­cheff, é mui­to bom e po­de ser vis­to co­mo um es­tu­do das con­sequên­ci­as do­més­ti­cas da Gu­er­ra do Vi­et­nã na vi­da norte-ame­ri­ca­na. O pro­ble­ma é que Stal­lo­ne se ali­nhou com o pre­si­den­te re­pu­bli­ca­no Ro­nald Re­a­gan, vi­rou seu por­tavoz no ci­ne­ma e Ram­bo ven­ceu, na fic­ção, a Gu­er­ra do Vi­et­nã, que os EUA ha­vi­am per­di­do na re­a­li­da­de (em “Ram­bo, a Mis­são”), e ain­da ba­teu os so­vié­ti­cos em “Ram­bo III”, no Afe­ga­nis­tão. Até Rocky en­trou na on­da de ide­o­lo­gi­za­ção à di­rei­ta e, em “Rocky IV”, ven­ceu o cam­peão so­vié­ti­co, Dra­go (Dolph Lund­gren). Tu­do is­so veio de­pois. No pri­mei­ro Rocky, o per­so­na­gem é ir­re­sis­tí­vel, en­can­ta­dor. Di­fí­cil não torcer por ele ou se iden­ti­fi­car com ele

—FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

SU­BIN­DO! Stal­lo­ne em “Rocky, Um Lu­ta­dor”: ator re­cri­ou o he­rói da mas­sa anô­ni­ma em tem­pos de mo­ral bai­xa nos EUA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.