Pro­je­to de al­co­ol­du­to da re­gião até Por­to de Pa­ra­na­guá é sus­pen­so

O Diario do Norte do Parana - - PARANÁ - Luiz de Car­va­lho car­va­lho@odi­a­rio.com

En­di­vi­da­men­to das usi­nas e a cri­se econô­mi­ca de­ses­ti­mu­la­ram o se­tor su­cro­e­ner­gé­ti­co Pre­si­den­te da Al­co­par diz que pro­je­to ‘es­ta­va in­do bem’ com apoio de em­pre­sas e go­ver­no

Fa­to­res co­mo o en­di­vi­da­men­to da mai­o­ria das usi­nas, fal­ta de de­fi­ni­ção do eta­nol co­mo ma­triz ener­gé­ti­ca e a cri­se econô­mi­ca le­va­ram em­pre­sá­ri­os do se­tor su­cro­e­ner­gé­ti­co do no­ro­es­te pa­ra­na­en­se a sus­pen­der tem­po­ra­ri­a­men­te o pro­je­to de im­plan­ta­ção de uma tu­bu­la­ção li­gan­do a re­gião de Ma­rin­gá ao li­to­ral do Es­ta­do, por on­de a pro­du­ção de ál­co­ol che­ga­ria ao Por­to de Pa­ra­na­guá pa­ra ex­por­ta­ção.

A ex­pec­ta­ti­va do se­tor era que o al­co­ol­du­to, pla­ne­ja­do desde 2010, en­tras­se em ope­ra­ção ano pas­sa­do. em “Por mais fa­vo­rá­vel que se­ja a ideia de um al­co­ol­du­to, re­du­zin­do os gas­tos com trans­por­te de ál­co­ol até o por­to e re­ti­ran­do mi­lha­res de ca­mi­nhões das es­tra­das, a si­tu­a­ção atu­al ar­re­fe­ceu o pro­je­to, que vai es­pe­rar por um mo­men­to­mais­pro­pí­cio”,dis­se­o­pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos Pro­du­to­res de Bi­o­e­ner­gia do Pa­ra­ná (Al­co­par), en­ge­nhei­ro Mi­guel Ru­bens Tra­nin, dei­xan­do cla­ro que is­to não sig­ni­fi­ca que o pro­je­to foi abor­ta­do. Foi ape­nas sus­pen­so.

De acor­do com o pre­si­den­te da Al­co­par, “o pro­je­to ca­mi­nha­va bem, com em­pre­sas de pe­so se in­te­res­san­do em fir­mar par­ce­ria e apoio do go­ver­no”, in­clu­si­ve um de­cre­to es­ta­du­al trans­for­mou em uti­li­da­de pú­bli­ca a fai­xa de ser­vi­dão por on­de pas­sa­ria o po­li­du­to, desde a CPL Tra­ding, no li­mi­te de Sa­ran­di com Ma­ri­al­va, até o Por­to de Pa­ra­na­guá, sem­pre acom­pa­nhan­do a li­nha fér­rea. Fo­ram re­a­li­za­das as pri­mei­ras au­di­ên­ci­as pú­bli­cas, com a par­ti­ci­pa­ção de re­pre­sen­tan­tes do se­tor su­cro­al­co­o­lei­ro, am­bi­en­ta­lis­tas, pro­pri­e­tá­ri­os ru­rais e uni­ver­si­tá­ri- os dos cur­sos li­ga­dos ao meio am­bi­en­te.

No mo­men­to em que se co­me­çou a pen­sar em ca­na­li­zar o ál­co­ol, em vez de trans­por­tá-lo em ca­mi­nhões, a pro­du­ção no no­ro­es­te pa­ra­na­en­se es­ta­va em cres­ci­men­to e ha­via pro­je­tos pa­ra no­vas usi­nas, mas pa­ra vi­a­bi­li­zar o du­to era ne­ces­sá­ria um vo­lu­me mui­to mai­or e a ideia era que tam­bém a pro­du­ção do Ma­to Gros­so e Ma­to Gros­so do Sul pu­des­se des­cer pa­ra o por­to por meio da ca­na­li­za­ção a par­tir deMa­rin­gá.

Po­rém, desde 2008, o vo­lu­me de pro­du­ção es­tá es­ta­bi­li­za­do, o se­tor mer­gu­lhou em di­fi­cul­da­des, não fo­ram cons­truí­das no­vas usi­nas e de­ze­nas das que exis­ti­am fo­ram de­sa­ti­va­das. “Tão gra­ve quan­to a cri­se, é a fal­ta de de­fi­ni­ção quan­to ao eta­nol co­mo ma­triz ener­gé­ti­ca bra­si­lei­ra”, ex­pli­ca Tra­nin, “pois sem es­ta de­fi­ni­ção não te­mos se­gu­ran­ça pa­ra vi­su­a­li­zar­mos um ho­ri­zon­te se­gu­ro pa­ra jus­ti­fi­car um investimento de 800 mi­lhões de dó­la­res”.

Pe­lo pro­je­to, o al­co­ol­du­to te­ria uma ex­ten­são de 502 quilô­me­tros, pas­san­do por 23 mu­ni­cí­pi­os.Ele­te­ri­a­ca­pa­ci­da­de­pa­ra­es­co­ar 4 mi­lhões de me­tros cú­bi­cos deál­co­ol­po­ra­no.

Com a ope­ra­ção do du­to, dei­xa­ri­am de cir­cu­lar pe­las es­tra­das en­tre o no­ro­es­te e Pa­ra­na- guá cer­ca de 400 car­re­tas por dia, evi­tan­do a quei­ma de gran­de quan­ti­da­de de óleo di­e­sel, des­gas­te das es­tra­das e pe­ri­go pa­ra ou­tros veí­cu­los. Com es­te em­pre­en­di­men­to, os pro­du­to­res de ál­co­ol es­pe­ra­vam che­gar a um no­vo pa­ta­mar na área de lo­gís­ti­ca. A pre­vi­são era que com o po­li­du­to as des­pe­sas com o trans­por­te do eta­nol pa­ra o por­to fi­ca­ria em pou­co mais de 15% dos gas­tos atu­ais.

—FO­TO: ARQUIVO-DNP

SEM ÁLCOOLDUTO. Pro­du­ção de ál­co­ol em usi­na na re­gião de Ma­rin­gá.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.