En­con­tro com Bra­nagh

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Elai­ne Gu­e­ri­ni Es­pe­ci­al pa­ra AE

Ken­neth Bra­nagh, o ho­mem por trás de “Cin­de­re­la” fa­la so­bre fil­me da Dis­ney e por que acei­tou di­re­ção Ator e di­re­tor ir­lan­dês de 54 anos diz que bus­cou não fa­zer fil­me in­gê­nuo, mas evi­tou o sar­cas­mo

Um en­con­tro com Ken­neth Bra­nagh aju­da a en­ten­der por que o ir­lan­dês foi es­co­lhi­do pe­los es­tú­di­os Dis­ney pa­ra gri­tar “ação” em Cin­de­re­la. Um gen­tle­man, o ci­ne­as­ta de 54 anos, mais co­nhe­ci­do por as­si­nar Thor (2011), Um Jo­go de Vi­da ou Mor­te (2007) e Hen­ri­que V (1989), ain­da se le­van­ta da ca­dei­ra com a che­ga­da de uma mu­lher à sa­la - no ca­so, a repórter. “Mi­nha mãe me en­si­nou a ser um ca­va­lhei­ro e a ter con­si­de­ra­ção pe­los ou­tros. Acho im­por­tan­te ter bo­as ma­nei­ras”, con­tou o di­re­tor, que im­pri­me re­fi­na­men­to e de­co­ro na ver­são do clás­si­co de ani­ma­ção de 1950. A su­per­pro­du­ção de US$ 95 mi­lhões aca­ba de che­gar às te­las bra­si­lei­ras.

“Vi­ve­mos num mundo em que a ci­vi­li­da­de e a bon­da­de pa­re­cem es­tar fo­ra de mo­da. E foi jus­ta­men­te es­ses va­lo­res que pro­cu­rei res­ga­tar na mi­to­lo­gia da ga­ta bor­ra­lhei­ra, sem que ela pa­re­ces­se uma per­so­na­gem im­pro­vá­vel só por não es­tar con­ta­mi­na­da com o de­bo­che dos di­as atu­ais.”

A se­guir, os prin­ci­pais tre­chos da en­tre­vis­ta con­ce­di­da em Los An­ge­les.

ODIÁ­RIO/AE–Cin­de­re­la se­gue­na­con­tra­mão­das úl­ti­mas adap­ta­ções de con­to de fa­das, em que a ten­dên­cia é acen­tu­ar o ca­rá­ter obs­cu­ro dos clás­si­cos. Is­so foi pro­po­si­tal?

KEN­NETH BRA­NAGH – Foi. Até por­que não qu­e­ria um fil­me car­re­ga­do de es­cu­ri­dão e sar­cas­mo. Por ou­tro la­do, a ideia tam­bém não foi fil­mar uma obra com a mes­ma in­ge­nui­da­de da ani­ma­ção que a Dis­ney lan­çou dé­ca­das atrás. Es­pe­ro ter atin­gi­do um equi­lí­brio, tra­zen­do um pou­co a ma­gia do ori­gi­nal, mas com um pé na re­a­li­da­de. Sa­be­mos que a vi­da é du­ra, mas o ci­nis­mo não é a úni­ca ma­nei­ra de li­dar com os pro­ble­mas.

Ain­da as­sim, Cin­de­re­la é al­truís­ta de­mais pa­ra um per­so­na­gem­com­pro­pos­ta mais re­a­lis­ta, não?

O fa­to de não ter­mos tra­zi­do a his­tó­ria pa­ra os di­as atu­ais nos fa­vo­re­ceu, per­mi­tin­do que Cin­de­re­la con­ser­vas­se a au­ra oti­mis­ta de fil­mes an­ti­gos. Pa­ra que is­so des­se cer­to, sa­bia que tu­do de­pen­de­ria da for­ma co­mo ela fos­se apre­sen­ta­da ao pú­bli­co. Por is­so, nós a ve­mos cres­cer num am­bi­en­te fa­mi­li­ar fe­liz. Is­so faz com que a pla­teia com­pre a ideia de que ela tem va­lo­res mo­rais e fé na hu­ma­ni­da­de, ape­sar dos maus-tra­tos que so­fre nas mãos da ma­dras­ta.

Hou­ve­a­pre­o­cu­pa­ção­em re­de­fi­nir Cin­de­re­la pa­ra uma no­va ge­ra­ção, re­du­zin­do a pas­si­vi­da­de da per­so­na­gem vis­ta no de­se­nho?

Nos­sa pro­ta­go­nis­ta é uma mu­lher que faz es­co­lhas por si mes­ma. Ela não se faz de ví­ti­ma nem fi­ca sen­ta­da es­pe­ran­do o prín­ci­pe che­gar pa­ra sal­vá­la. O mo­men­to em que eles se co­nhe­cem, an­dan­do de ca­va­lo na flo­res­ta, é cru­ci­al pa­ra es­ta­be­le­cer uma di­nâ­mi­ca de igual­da­de. Co­mo um não sa­be quem o ou­tro é, a atra­ção mú­tua é ge­nuí­na e de­sin­te­res­sa­da, sem chan­ce de Cin­de­re­la ver na­que­le ho­mem uma es­pé­cie de tá­bua de sal­va­ção.

Hou­ve­pres­são­na re­cons­ti­tui­ção da ce­na do bai­le,um­dos­mo­men­tos em­ble­má­ti­cos­da­a­ni­ma­ção?

Sim. Desde o iní­cio, a Dis­ney qu­e­ria que o bai­le fos­se uma es­pé­cie de ex­pe­ri­ên­cia sen­so­ri­al do es­pec­ta­dor - co­mo se ele es­ti­ves­se lá, usan­do aque­las rou­pas ele­gan­tes. Pro­ble­mas lo­gís­ti­cos qua­se me dei­xa­ram lou­co an­tes da re­a­li­za­ção da ce­na, que con­su­miu cin­co di­as de fil­ma­gens.

Quais?

Pa­ra co­me­çar, os lustres do sa­guão que le­va­vam 2,5 mil ve­las. Foi um su­fo­co con­se­guir uma so­lu­ção pa­ra man­ter a ilu­mi­na­ção à mo­da an­ti­ga por mais de 8 ho­ras de fil­ma­gem diá­ria. Ima­gi­ne se ti­vés­se­mos de tro­car de ve­las a ca­da du­as ho­ras?

Qual a mu­lher que mais o ins­pi­rou em sua vi­da?

Mi­nha mãe, por ela ter en­con­tra­do tem­po pa­ra tra­ba­lhar fo­ra e ain­da nos edu­car, en­quan­to meu pai pas­sa­va o dia to­do fo­ra (co­mo en­ca­na­dor ou mar­ce­nei­ro). Olhan­do pa­ra trás, me im­pres­si­o­no com o nú­me­ro de re­fei­ções que pre­pa­rou pa­ra nós, en­quan­to mo­rá­va­mos com eles. Fico até com re­mor­so quan­do me lem­bro das mi­nhas re­cla­ma­ções à me­sa. “Ah, não! Fei­jão de no­vo...”, di­zia eu, sem me dar con­ta de co­mo es­ta­va sen­do in­gra­to.

—FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

LÁ E CÁ. Bra­nagh: bus­cou “equi­lí­brio, com a ma­gia do ori­gi­nal e um pé na re­a­li­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.