Ro­man­ce Dois Ir­mãos é lan­ça­do em qua­dri­nhos

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Ubi­ra­tan Bra­sil Agên­cia Es­ta­do

Obra de Mil­ton Ha­toum vai em bus­ca de no­vo pú­bli­co, pe­las mãos de Fá­bio Moon e Gabriel Bá HQ, que cus­tou qua­tro anos de tra­ba­lho, te­ve lan­ça­men­to in­ter­na­ci­o­nal e já es­tá nas li­vra­ri­as

A li­te­ra­tu­ra de Mil­ton Ha­toum é tão se­du­to­ra que não im­pe­de o rom­pi­men­to de bar­rei­ras - ape­sar de so­ar co­mo uma ta­re­fa qua­se im­pos­sí­vel, o ro­man­ce “Dois Ir­mãos” já foi adap­ta­do pa­ra o pal­co, pre­pa­ra-se pa­ra ga­nhar a te­la do ci­ne­ma e ago­ra che­ga em uma ca­pri­cha­da adap­ta­ção pa­ra os qua­dri­nhos, re­a­li­za­da pe­los ir­mãos gê­me­os Fá­bio Moon e Gabriel Bá, em edi­ção da Com­pa­nhi­a­dasLe­tras.

Ao­bra,já­dis­po­ní­vel­nas­li­vra­ri­as­bra­si­lei­ras,foi­lan­ça­dain­ter­na­ci­o­nal­men­te no fim de se­ma­na du­ran­te o Sa­lão do Li­vro de Pa­ris, even­to­que­reu­niu­o­ro­man­cis­tae os­qua­dri­nis­tas­pa­raum­de­ba­te.

Fo­ram qua­tro anos de tra­ba­lho em um de­sa­fio lan­ça­do em 2009,quan­do,du­ran­te­aFes­taLi­te­rá­ria In­ter­na­ci­o­nal de Pa­raty, a Flip,Mo­o­neBá­con­ver­sa­vam­des­com­pro­mis­sa­da­men­te com Ha­toum até que André Con­ti, edi­tor da Com­pa­nhia, no­tou que os ar­tis­tas eram gê­me­os co­mo os per­so­na­gens do ro­man­ce. “Por que não le­vam a his­tó­ria pa­ra os qua­dri­nhos?”,in­ci­touCon­ti.

Não se tra­ta­va de um de­sa­fio qual­quer - pu­bli­ca­do em 2000, DoisIr­mão­séum­dos­mai­se­lo­gi­a­dos­ro­man­ces­deMil­tonHa­toum e acom­pa­nha o con­fli­to en­tre os gê­me­os Omar e Yaqub, des­cen­den­tes de li­ba­ne­ses que vi­vem na Ma­naus da pri­mei­ra me­ta­de do sé­cu­lo pas­sa­do. Fi­lhos de Halim e Za­na, eles en­fren­ta­ram uma gra­ve dis­cor­dân­cia ain­da me­ni­nos, di­vi­di­dos pe­lo in­te­res­se por Li­via, o que pro­vo­cou uma ci­são fa­mi­li­ar.

Oma­reYaqub­tam­bém­são­sus­pei­tos de um de­les ser o pai de Na­el, fi­lho de Do­min­gas, a ín­dia que é a em­pre­ga­da da ca­sa. É sob o pon­to de vis­ta de Na­el que a tra­ma é nar­ra­da, his­tó­ria que, gra­ças ao ta­len­to de Ha­toum, ul­tra­pas­sa a se­me­lhan­ça com a di­fe­ren­ça bí­bli­ca en­tre Caim e Abel pa­ra, sob os ecos da flo­res­ta, tra­tar de an­ces­trais ori­gens in­dí­ge­nas, da bru­ta­li­da­de da co­lo­ni­za­ção, das vi­vên­ci­as dos avós imi­gran­tes e dos con­fli­tos pro­vo­ca­dos pe­la pas­sa­gem do ru­ral pa­ra our­ba­no.

“Nes­ses qua­tro anos de tra­ba­lho, le­mos o ro­man­ce ao me­nos três ve­zes an­tes de co­me­çar­mos os pri­mei­ros ras­cu­nhos”, con­ta Moon. “Qu­e­ría­mos in­te­ri­o­ri­zar o rit­mo da his­tó­ria, o cli­ma da ci­da­de.” A lei­tu­ra, no en­tan­to, não foi su­fi­ci­en­te e os gê­me­os em­bar­ca­ram pa­ra Ma­naus a fim de des­co­brir pes­so­al­men­te, du­ran­te uma se­ma­na, a ar­qui­te­tu­ra que Ha­toum re­cria de for­ma ao mes­mo tem­po crí­ti­ca e ca­ri­nho­sa.

“Con­cen­tra­mos­nos­sa­pes­qui­sa no cen­tro da ci­da­de, on­de se pas­sa boa par­te do ro­man­ce, um lo­cal que ain­da apre­sen­ta resquí­ci­os dos anos 1920 e 30”, co­men­ta Bá. O pas­so se­guin­te foi de­fi­nir qual se­ria o tra­ço mais ade­qua­do e co­mo se­ri­am di­vi­di­dos os ca­pí­tu­los.Aop­ção­pe­lo­pre­to­e­bran­co foi qua­se ime­di­a­ta, a fim de apre­sen­tar Ma­naus por meio de um jo­go de luz e som­bras, o que res­sal­ta­a­dra­ma­ti­ci­da­de.

Lo­go que re­tor­nou do Ama­zo­nas, a du­pla con­ver­sou com Ha­toum, pois eles sen­ti­am que a ci­da­de do li­vro se trans­for­ma qua­se co­mo um so­nho. “E era im­por­tan­te cap­tar es­se cli­ma”, jus­ti­fi­ca Bá. Os gê­me­os tam­bém apre- sen­ta­ram ao es­cri­tor seus pla­nos de co­mo pre­ten­di­am re­gis­trar a ca­sa­e­tam­bé­mos­per­so­na­gens.

“Mil­ton foi mui­to ge­ne­ro­so e nos in­cen­ti­vou, mas fez um im­por­tan­te re­pa­ro em re­la­ção a Za­na”, con­ta Moon. “Pen­sá­va­mos em uma mu­lher sen­su­al, qua­se uma ci­ga­na, mas ele des­ta­cou que Za­na é mui­to mais a mãe dos gê­me­os que a mu­lher de Halim.”

O re­ca­do era cla­ro: o cli­ma era mais sen­su­al que vis­to­so e a pai­xão de Halim pe­la mu­lher de­ve­ria ser pre­pon­de­ran­te. “Mil­ton até nos mos­trou fo­tos de fa­mí­lia que nos aju­da­ram a cons­truir os tra­ços fí­si­cos mais im­por­tan­tes”, com­ple­taMo­on.

Du­ran­te o pe­río­do de cri­a­ção, a du­pla tra­ba­lhou si­mul­ta­ne­a­men­te com ou­tros pro­je- tos até se de­ci­dir con­cen­trar o fo­co em Dois Ir­mãos. Afi­nal, era um pro­je­to iné­di­to em sua car­rei­ra - até en­tão, Bá e Moon cri­a­ram his­tó­ri­as em sua mai­o­ria com fi­nal fe­liz, mas, des­sa vez, a tra­gé­dia fa­mi­li­ar apon­tou pa­ra no­vos ca­mi­nhos.

A adap­ta­ção da obra de Mil­ton Ha­toum é o pri­mei­ro tra­ba­lho de Gabriel Moon e Fá­bio Bá desde Day­trip­per, sé­rie ven­ce­do­ra do prê­mio Eis­ner de 2011, o mais im­por­tan­te da in­dús­tria dos qua­dri­nhos. E o es­cri­tor apro­vou o re­sul­ta­do fi­nal. “Quan­do ob­ser­vou o tra­ba­lho fi­nal, Mil­ton pa­re­cia es­tar ad­mi­ran­do fo­tos do pas­sa­do”, con­ta Moon. “Foi co­mo en­trar em seu mundo ima­gi­ná­rio, que ele re­co­nhe­ceu em nos­sos de­se­nhos”, com­ple­ta Ba DOIS IR­MÃOS Au­to­res: Fá­bio Moon e Gabriel Bá Edi­to­ra: Com­pa­nhia das Le­tras (232 págs., R$ 39,90)

—FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

POR QUE NÃO? Ima­gem da HQ “Dois Ir­mãos”, dos gê­me­os Fá­bio Moon e Gra­bri­el Bá: adap­ta­ção da obra de Ha­toum foi es­ti­mu­la­da por edi­tor da Cia. das Le­tras

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.