João Gil­ber­to ado­rou Ma­rin­gá

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

VVo­cê já de­ve ter ou­vi­do que o cé­le­bre es­cri­tor norte-ame­ri­ca­no John dos Pas­sos pas­sou por Ma­rin­gá e es­cre­veu be­las pá­gi­nas so­bre o im­pac­to que a ter­ra ver­me­lha cau­sou ne­le, tal co­mo nos ale­mães e, em es­pe­ci­al mui­tos na­zis­tas que an­da­ram or­ga­ni­zan­do aque­le mal­fa­da­do par­ti­do por es­tas ban­das. Com es­se ca­lor, acho que não ia dar cer­to mes­mo... De­les, sa­be­se por re­gis­tros es­par­sos em fo­tos de cri­an­ças na­zis­tas em for­ma­ção mi­li­tar, mas as im­pres­sões de Pas­sos es­tão pu­bli­ca­das em li­vro, as­sim co­mo as do cé­le­bre an­tro­pó­lo­go fran­cês Clau­de Lé­vi-Strauss que, em “Tris­tes Tró­pi­cos” des­ti­la aci­dez com a re­gião e o mo­do de ocu­pa­ção im­plan­ta­do pe­los in­gle­ses em con­luio com os in­te­res­ses dos go­ver­nan­tes da épo­ca. Lé­vi-Strauss veio amas­sar bar­ro em bus­ca de em­pre­go, fu­gin­do da si­tu­a­ção po­lí­ti­ca que se agra­va­va na Fran­ça, que lo­go aca­bou ocu­pa­da. Já quan­to a quem pa­gou as pas­sa­gens de Pas­sos, as­sim co­mo dos na­zis­tas, bem co­mo o que vi­e­ram fa­zer, há mui­to que in­ves­ti­gar. O es­cri­tor Mar­cos Pe­res an­dou in­ves­ti­gan­do is­so, mas in­tri­gan­te­men­te des­vi­ou do as­sun­to en­fi­an­do Bor­ges no meio e le­van­do os na­zis­tas pa­ra bem lon­ge de Ma­rin­gá. De­ve ter si­do ame­a­ça­do. Já en­con­trei es­se Pe­res, mas ele se mos­trou mui­to fur­ti­vo quan­to à ques­tão, pa­re­cia es­tar ain­da nu­ma tra­ma. Ocor­re que Ma­rin­gá é cheia de mis­té­ri­os, e nem fa­lo dos dis­cos vo­a­do­res que de vez em quan­do fa­zem ra­san­tes atraí­dos pe­lo Tró­pi­co que pas­sa aí na cal­ça­da da Sput­ni­ka Ca­te­dral. Ago­ra me vem es­se pe­tu­lan­te mo­le­que, um Gai­o­to, que an­da en­chen­do as pá­gi­nas des­te jor­nal com in­si­nu­a­ções es­drú­xu­las, mi­ra­bo­lan­te co­mo Ale­xan­dre, o Gran­de, que­ren­do le­van­tar as tra­mas que es­tão por traz da vin­da de João Gil­ber­to a Ma­rin­gá. Cri­ou to­do um bo­chi­cho so­bre is­so, en­vol­ven­do até a mim, que es­tou sem­pre qui­e­to nes­te can­to do jor­nal, de mo­do que sou obri­ga­do a di­zer al­gu­mas coi­sas so­bre o as­sun­to, ain­da que tu­do ve­nha a con­ti­nu­ar nu­ma imen­sa in­cóg­ni­ta. Pois se até o San­to Lu­la, ago­ra trans­for­ma­do num re­les di­a­bo, já veio, por que João Gil­ber­to não vi­ria? Se ele ti­ves­se pes­qui­sa­do mais, te­ria des­co­ber­to que João es­te­ve aqui não uma, mas pe­lo me­nos três ve­zes! A pri­mei­ra foi em 1958, en­tre 3 e 10 de maio, du­ran­te o Fes­ti­val do Ci­ne­ma Na­ci­o­nal fei­to pe­lo pre­fei­to Amé­ri­co Di­as Fer­raz pa­ra co­me- mo­rar o 11.o ani­ver­sá­rio da ci­da­de. Se o fes­ti­val fos­se uns me­ses de­pois, João nun­ca te­ria vin­do, pois nes­sa épo­ca ele ain­da era um qua­se ilus­tre des­co­nhe­ci­do, ten­tan­do gra­var um dis­co so­lo. Em maio ele era ape­nas um lo­bo bo­bo atrás de um ra­bo de saia do ci­ne­ma e se en­tur­mou na co­mi­ti­va festiva do Fes­ti­val pa­ra es­sa bo­qui­nha com tu­do pa­go pe­lo pre­fei­to, na­que­le tem­po de fil­mes co­mo “Vai tra­ba­lhar, va­ga­bun­do”, que da­va o es­pí­ri­to da épo­ca... En­tre os mais co­nhe­ci­dos es­ta­vam Odet­te La­ra, Eva Wil­ma, John Her­bert e Al­ber­to Rus­chel. Co­mo se di­zia de Pa­ris, Ma­rin­gá era uma fes­ta. João era da­do a pe­gar no vi­o­lão pa­ra im­pres­si­o­nar e fez pe­lo me­nos uma se­re­na­ta em “pe­tit co­mi­té” lá no Gran­de Hotel. Tão lo­go foi em­bo­ra de Ma­rin­gá, diz-se que mui­to fe­liz e sa­tis­fei­to..., gra­vou seu pri­mei­ro dis­co em 78 ro­ta­ções, que saiu em agos­to mar­can­do o his­tó­ri­co iní­cio da bos­sa no­va, cau­san­do a re­vo­lu­ção que se co­nhe­ce. Nos anos 80, Jo­sé Gil fez uma mos­tra de ci­ne­clu­be na pre­fei­tu­ra e trou­xe um ja­po­nês ma­lu­co, Mo­re, mo­ra, que tra­ba­lha­va num arquivo do MAM ca­ri­o­ca e expôs um mon­te de fo­tos des­se fes­ti­val e mui­tas his­tó­ri­as. Mas quem é que se in­te­res­sa­va por is­so? A mos­tra fi­cou às mos­cas. Pe­lo que sei, João re­tor­nou a Ma­rin­gá, des­sa vez com Sô­nia Bra­ga, que aqui nas­ceu mas sem­pre re­ne­gou es­se fa­to. Foi João quem con­tou a ela, en­can­ta­do su­as lem­bran­ças, que a mo­ti­vou e lo­go ar­ran­ja­ram um ma­ta-sau­da­de rá­pi­do e in­cóg­ni­to, pa­ran­do nu­ma fa­zen­da de um co­nhe­ci­do de um ami­go, fa­zen­da em que Sô­nia se en­can­tou com o tri­gal ama­re­lo qua­se pron­to pa­ra co­lher. Po­de se di­zer que o que ela apren­deu ali ela usou num fil­me ame­ri­ca­no em que faz uma do­na de fa­zen­da com ca­ra de me­xi­ca­na... Gai­o­to achou o ra­bo da la­gar­ti­xa da ter­cei­ra vin­da de João que, pe­ga de sur­pre­sa, es­tá pu­lan­do nes­tas pá­gi­nas. Es­sa, já que os ou­tros mem­bros da sei­ta à qual per­ten­ço se re­cu­sa­ram a fa­lar, eu, que sou um zé nin­guém, é que não vou to­car no as­sun­to. Che­ga de sau­da­de!

***

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.