Após aci­den­te, am­pu­ta­do en­si­na so­bre se­gu­ran­ça

O Diario do Norte do Parana - - CLASSIDIÁRIO - Fer­nan­da Ber­to­la e Ju­li­a­na Fon­ta­nel­la su­ple­men­tos@odi­a­rio.com EXEM­PLO.

“Nas­ci com dois bra­ços e fi­quei sem ne­nhum”. É as­sim que Flávio Pe­ral­ta re­su­me o re­sul­ta­do de um aci­den­te de tra­ba­lho so­fri­do em 1997, aos 29 anos. Nos qua­se 20 anos que se pas­sa­ram após o in­ci­den­te, ele so­ma vi­tó­ri­as.

Cri­ou um si­te de au­to­a­ju­da, mi­nis­tra pa­les­tras em em­pre­sas pa­ra aler­tar os tra­ba­lha­do­res so­bre a im­por­tân­cia das nor­mas de se­gu­ran­ça no tra­ba­lho, lan­çou a car­ti­lha “Se­gu­ran­ça Sem­pre” e o li­vro “Am­pu­ta­dos Ven­ce­do­res” e, se­gun­do ele, faz ques­tão de de­mons­trar que ‘exis­te vi­da após a am­pu­ta­ção’.

Eram du­as ho­ras da tar­de quan­do Pe­ral­ta, que tra­ba­lha­va pa­ra uma em­pre­sa ter­cei­ri­za­da, pres­ta­va ser­vi­ço pa­ra a com­pa­nhia de ener­gia elé­tri­ca nu­ma chá­ca­ra, em Lon­dri­na. Le­vou ca­pa­ce­te, cin­to de se­gu­ran­ça, bo­tas e ou­tros equi­pa­men­tos de pro­te­ção in­di­vi­du­al. “Pla­ne­jei o ser­vi­ço pa­ra vol­tar lo­go pa­ra ca­sa”, lem­bra, an­tes de con­tar que no dia se sen­tia can­sa­do.

Ele não usou to­dos os equi­pa­men­tos de se­gu­ran­ça da ma­nei­ra ade­qua­da. Tam­bém não te­ve o cui­da­do de ve­ri­fi­car se a re­de elé­tri­ca es­ta­va desligada. Ao che­gar ao lo­cal, ve­ri­fi­cou que a cha­ve de bai­xa ten­são, que es­ta­va vi­sí­vel no pos­te, es­ta­va desligada. Sem dis­po­si­ção pa­ra an­dar 200 me­tros, a fim de fa­zer a ve­ri­fi­ca­ção, con­fi­ou no que a em­pre­sa ha­via di­to (que es­ta­va tu­do des­li­ga­do) e su­biu no pos­te pa­ra efe­tu­ar a tro­ca do trans­for­ma­dor. Foi en­tão que le­vou um cho­que de 13.800 volts.

Ain­da cons­ci­en­te, gri­tou de dor e en­trou em es­ta­do de cho­que. Pen­du­ra­do pe­lo cin­to, aguar­dou o so­cor­ro, que não de­mo­rou a che­gar. Fo­ram dez di­as in­ter­na­do, já in­cons­ci­en­te, até que seus pais pu­des­sem as­si­nar a au­to­ri­za­ção pa­ra que seus bra­ços fos­sem am­pu­ta­dos. O san­gue já não cir­cu­la­va pe­los mem­bros e os rins tam­bém fo­ram afe­ta­dos. Se os bra­ços não fos­sem am­pu­ta­dos, ele cor­ria o ris­co de mor­rer.

Fo­ram mais de 45 di­as in­ter­na­do e mui­tas do­res. Já em ca­sa, não con­se­guir abrir a ge­la­dei­ra pa­ra pe­gar uma gar­ra­fa de água es­ta­va en­tre as di­fi­cul­da­des. Foi ne­ces­sá­rio se adap­tar a de­pen­dên­cia dos ou­tros e en­ca­rar a de­fi­ci­ên­cia fí­si­ca.

En­tre ses­sões de fi­si­o­te­ra­pia, ci­rur­gi­as pa­ra en­xer­to, de­ses­pe­ro e es­pe­ran­ça, ele con­se­guiu en­con­trar for­ças, mui­to na fa­mí­lia, pa­ra en­fren­tar os pro­ce­di­men­tos de co­lo­ca­ção de uma pró­te­se. Fo­ram vá­ri­as ten­ta­ti­vas até que uma pró­te­se no bra­ço es­quer­do, que te­ve o co­to­ve­lo man­ti­do, fos­se ajus­ta­da. Após trei­nos ele se adap­tou e já con­se­guia ma­nu­se­ar o con­tro­le re­mo­to e pe­gar um co­po de água.

De­ci­são

Pe­ral­ta lem­bra que as­sim que che­gou em ca­sa, quan­do saiu do hos­pi­tal, se di­vi­dia en­tre fi­si­o­te­ra­pia e te­le­vi­são, mas aos pou­cos, per­ce­beu que pre­ci­sa­va re­a­gir. “Fui en­fren­tar a re­a­li­da­de”, diz.

Ain­da no hos­pi­tal, ele per­ce­beu que a fal­ta de cui­da­dos com a se­gu­ran­ça qua­se lhe cus­ta­ra a vi­da. As­sim, re­sol­veu lan­çar o si­te am­pu­ta­dos­ven­ce­do­res.com. pa­ra con­tar sua ex­pe­ri­ên­cia e aler­tar os tra­ba­lha­do­res so­bre a im­por­tân­cia das nor­mas de se­gu­ran­ça no tra­ba­lho, bem co­mo aju­dar ou­tras pes­so­as am­pu­ta­das. Ho­je, são 50 mil aces­sos­por­mês.

Pe­ral­ta tam­bém co­nhe­ceu um pa­les­tran­te que o in­cen­ti­vou a se­guir nes­te ca­mi­nho. Ele fez um cur­so e aos pou­cos co­me­çou a dar pa­les­tras por to­do o País. Ele já so­ma mais de mil e viajou até pa­ra a Colôm­bia. “Quan­do per­ce­be­mos que es­sa his­tó­ria po­dia aju­dar pes­so­as, nos ale­gra­mos”.

As di­fi­cul­da­des en­fren­ta­das por ele, in­clu­si­ve a in­se­gu­ran­ça quan­to a en­con­trar uma na­mo­ra­da após o aci­den­te, ser­vi­ram pa­ra que cres­ces­se e se for­ti­fi­cas­se, a pon­to de vi­ver nor­mal­men­te.

A con­vi­te da Co­mis­são In­ter­na de Pre­ven­ção de Aci­den­tes e do Ser­vi­ço Es­pe­ci­a­li­za­do em En­ge­nha­ria de Se­gu­ran­ça e em Me­di­ci­na do Tra­ba­lho da Uni­ce­su­mar, Pe­ral­ta mi­nis­trou pa­les­tra na Se­ma­na In­ter­na de Pre­ven­ção de Aci­den­tes no Tra­ba­lho pa­ra fun­ci­o­ná­ri­os da ins­ti­tui­ção, na se­ma­na pas­sa­da. E ele es­ta­va com­pa­nha­do da es­po­sa, Ja­ne, que fa­la so­bre di­re­ção de­fen­si­va.

Eles já se co­nhe­ci­am quan­do se re­en­con­tra­ram em uma sor­ve­tei­ra em Lon­dri­na, em 1999. Do des­per­tar da pai­xão ao ca­sa­men­to se pas­sa­ram dois anos, em 2003, nas­cia o pri­mo­gê­ni­to, Vinicius.

A his­tó­ria de am­bos se as­se­me­lha. Is­so por­que Ja­ne tam­bém so­fre­ra, aos 13 anos, um aci­den­te, mas de mo­to, em 1981, quan­do vol­ta­va do tra­ba­lho. Ela não pa­rou em um cru­za­men­to, ‘por­que ali nun­ca pas­sa­ra um car­ro em seus re­tor­nos’. Sua per­na di­rei­ta foi di­la­ce­ra­da pe­lo fa­rol do car­ro. Ja­ne qua­se per­deu a vi­da, pre­ci­sou de trans­fu­são de san­gue e sen­tiu do­res que ain­da es­tão na me­mó­ria.

Fo­ram ne­ces­sá­ri­as ci­rur­gi­as pa­ra en­xer­tos até que pu­des­se uti­li­zar um apa­re­lho, cha- ma­do go­ta, pa­ra man­ter o pé em um ân­gu­lo de 90 graus. Al­gum tem­po de­pois, pas­sou por uma ci­rur­gia, o que me­lho­rou ain­da mais sua con­di­ção. Ape­sar dos even­tos trau­má­ti­cos, a alegria de vi­ver nun­ca dei­xou com que Ja­ne e Pe­ral­ta de­sis­tis­sem da vi­da.

Tra­ba­lho

O tra­ba­lho de Flávio tem si­do cons­ci­en­ti­zar as pes­so­as, por meio de su­as pa­les­tras e si­te. Com dois li­vros lan­ça­dos “Am­pu­ta­dos ven­ce­do­res” e “Qual o va­lor da sua vi­da”, com mais de dez mil có­pi­as ven­di­das, ca­da, o ca­sal faz ques­tão de co­la­bo­rar pa­ra aju­dar pes­so­as am­pu­ta­das a bus­ca­rem qua­li­da­de de vi­da, e aler­ta­rem ou­tras pes­so­as pa­ra que se dê a de­vi­da im­por­tân­cia à se­gu­ran­ça no tra­ba­lho.

Flávio re­for­ça que seu aci- den­te se deu por ex­ces­so de con­fi­an­ça e can­sa­ço. “Acre­di­ta­mos que nun­ca vai acon­te­cer na­da co­nos­co, mas quan­do me­nos es­pe­ra­mos po­de acon­te­cer”, diz.

Ele per­ce­be que as pes­so­as ficam ‘um pou­co im­pres­si­o­na­das com seu de­poi­men­to’, mas acre­di­ta que se­ja im­por­tan­te pa­ra que elas re­al­men­te se pre­o­cu­pem e não dei­xem de se­guir as nor­mas de se­gu­ran­ça.

— FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

Além de pa­les­trar so­bre a im­por­tân­cia da se­gu­ran­ça no tra­ba­lho, Flávio Pe­ral­ta mo­ti­va e inspira as pes­so­as com sua his­tó­ria de su­pe­ra­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.