Há va­ga, fal­ta apren­diz

O Diario do Norte do Parana - - CLASSIDIÁRIO - Fer­nan­da Ber­to­la fer­nan­da@odi­a­rio.com

Le­gal­men­te, as em­pre­sas de mé­dio e gran­de por­te pre­ci­sam ter em seu qua­dro de fun­ci­o­ná­ri­os 5% a 15% de jo­vens apren­di­zes. Na in­dús­tria da cons­tru­ção ci­vil não é di­fe­ren­te. Se­gun­do o ad­vo­ga­do do Sin­di­ca­to da In­dús­tria da Cons­tru­ção Ci­vil da Re­gião No­ro­es­te do Pa­ra­ná (Sin­dus­conNor), San­dro Hen­ri­que Tro­vão, não há nas cons­tru­to­ras apren­di­zes atu­an­do nos can­tei­ros de obras, on­de a de­man­da por mão de obra é mai­or, por­que há di­fi­cul­da­de em en­con­trar in­te­res­sa­dos. As­sim, Tro­vão afir­ma que a so­lu­ção - pa­ra se fa­zer cum­prir a lei, tem si­do con­tra­tar apren­di­zes pa­ra o se­tor ad­mi­nis­tra­ti­vo,ae­xem­plo­daCons­tru­to­raP­la­en­ge. “Fa­ze­mos di­vul­ga­ção, avi­sa­mo­sa­fa­mi­li­a­res­dos­fun­ci­o­ná­ri­os, mas é di­fí­cil”, diz o ge­ren­te re­gi­o­nal da cons­tru­to­ra, Le­o­nar­do Fa­bi­an. “Aca­ba so­bran­do gen­te no se­tor de ad­mi­nis­tra- ção”, con­ta. Ele acre­di­ta que ha­ja tal­di­fi­cul­da­de­por­cau­sa­do­es­tig­ma em tor­no das fun­ções. “Mui­tos pre­fe­rem uma lo­ja no shop­ping, que é me­nos des­gas­tan­te, mes­mo ga­nhan­do me­ta­de do sa­lá­rio.”

O di­re­tor téc­ni­co da Ca­ta­ma­rã, Rodrigo Qui­ri­no dos San­tos, con­ta que, ho­je, na cons­tru­to­ra a co­ta tam­bém é pre­en­chi­da na área ad­mi­nis­tra­ti­va. “Tra­ba­lha­mos na di­vul­ga­ção, mas não há in­te­res­sa­dos [pa­ra as va­gas no can­tei­ro de obras]”, diz. Ele des­ta­ca que há jo­vens com in­te­res­ses dis­tin­tos que aca­bam na área, mas sem in­ten­ção de se­guir na pro­fis­são. “Às ve­zes nem é o cam­po de in­te­res­se do jovem, mas te­mos de ad­mi­tir pa­ra com­ple­tar. So­mos a fa­vor do Jovem Apren­diz, mas se hou­ver­re­a­lin­te­res­se.”

Ele acres­cen­ta que, via Co­mis­são Bra­si­lei­ra da In­dús­tria da Cons­tru­ção Ci­vil (CBIC), já foi ex­pli­ci­ta­da a opi­nião de em­pre­sas de que o nú­me­ro de apren­di­zes de­ve­ria ser cal­cu­la­do le­van­do-se em con­si­de­ra­ção a quan­ti­da­de de pro­fis­si­o­nais que po­dem en­si­nar - um ser­ven­te, por exem­plo, tam­bém é pro­fis­si­o­nal em for­ma­ção. A pró­pria CBIC, no ano pas­sa­do, des­ta­cou a di­fi­cul­da­de do se­tor em con­tra­tar jo­vens apren­di­zes jun­to ao mi­nis­tro do Tra­ba­lho e Em­pre­go, Ma­no­elDi­as.

Se­gun­do o di­re­tor exe­cu­ti­vo do Sin­duscon, Val­de­mar Ador­no Ju­ni­or, a en­ti­da­de tem re­a­li­za­do to­dos os es­for­ços possíveis pa­ra reu­nir o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Tra­ba­lho e Em­pre­go (MPT), os em­pre­sá­ri­os e as ins­ti­tui­ções que or­ga­ni­zam cur­sos, ‘no sen­ti- do de unir es­for­ços pa­ra bus­car os jo­vens no mer­ca­do de tra­ba­lho e dar a eles uma opor­tu­ni­da­de de es­tu­dar e apren­der uma pro­fis­são’.

Ex­pe­ri­ên­cia

De se­gun­da a quar­ta, Be­a­triz Ra­mao Perboni, 17, tra­ba­lha co­mo jovem apren­diz no se­tor ad­mi­nis­tra­ti­vo de uma das obras daP­la­en­ge,emMa­rin­gá.Ela­se­di­vi­de en­tre os es­tu­dos no cur­so de apren­di­za­gem e a ati­vi­da­de na em­pre­sa, e con­ta que se­rá mais fá­cil con­quis­tar uma va­ga co­mo pro­fis­si­o­nal qua­li­fi­ca­da ao fi­nal do pro­gra­ma de apren­di­za­gem. “A ex­pe­ri­ên­cia é o mais im­por­tan­te. Apren­do mui­to no dia a dia”, diz.

Pa­ra ser apren­diz, o jovem pre­ci­sa ser con­tra­ta­do pe­la em­pre­sa e en­ca­mi­nha­do a um cur­so de apren­di­za­gem.

Ope­río­do­má­xi­mo­de­tra­ba­lho é de dois anos. É pre­ci­so ter de 14 a 24 anos - pes­so­as com de­fi­ci­ên­cia po­dem ser apren­di­zes além des­ta ida­de. Pa­ra tra­ba­lhar no can­tei­ro de obra, no en­tan­to, é pre­ci­so ter a par­tir de 18 anos, já­que­con­di­ções­co­moin­sa­lu­bri­da­de­e­pe­ri­cu­lo­si­da­de,den­tre­ou­tras, im­pe­dem es­se ti­po de tra­ba­lho­a­me­no­res.

Tro­vão con­ta que pa­ra as­su­mir uma va­ga, bas­ta pro­cu­rar cons­tru­to­ras ou o Ser­vi­ço Na­ci­o­nal de Apren­di­za­gem In­dus­tri­al (Se­nai). Ele res­sal­ta que há pre­con­cei­to quan­to à pro­fis­são no can­tei­ro por fal­ta de in­for­ma­ção, já que o tra­ba­lho pe­sa­do tem di­mi­nuí­do com o avan­ço da tec­no­lo­gia. O apren­diz que cum­pre 8 ho­ras diá­ri­as (mai­o­res de 18 anos) ga­nha R$ 974,60, mais os be­ne­fí­ci­os dos de­mais tra­ba­lha­do­res. “Tra­ta­se de uma área que tem um dé­fi­cit gran­de de pro­fis­si­o­nais. Quem é es­pe­ci­a­li­za­do não fi­ca sem em­pre­go”, com­ple­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.