Em­pre­sa pre­ci­sa ser ati­va

O Diario do Norte do Parana - - CLASSIDIÁRIO -

“É obri­ga­ção das em­pre­sas. E elas têm que agir pa­ra cum­prir a lei. Pre­ci­sam bus­car, en­con­trar, con­tra­tar e ma­tri­cu­lar es­ses jo­vens nos cur­sos [de apren­di­za­gem]”, diz a pro­cu­ra­do­ra do Tra­ba­lho em Ma­rin­gá, Li­a­na Cláu­dia Bor­ges Pau­li­no. Em Ma­rin­gá, o Se­nai já abriu três ve­zes cur­sos na área, mas não fe­chou tur­ma por fal­ta de in­te­res­sa­dos.

O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Tra­ba­lho su­ge­re al­gu­mas for­mas de bus­ca: di­vul­ga­ção em jor­nais, rá­dio, afi­xa­ção de avi­sos na em­pre­sa, co­mu­ni­ca­dos cons­tan­tes aos em­pre­ga­dos, avi­sos no ho­le­ri­te e até prê­mi­os, in­cen­ti­vos pa­ra quem con­se­guir tra­zer jo­vens. A bus­ca po­de ser fei­ta em ór­gãos assistenciais do mu­ni­cí­pio, en­ti­da­des sem fins lu­cra­ti­vos e ins­ti­tu­tos li­ga­dos à apren­di­za­gem, co­mo o Ins­ti­tu­to de Apren­di­za­gem Pro­fis­si­o­nal de Ma­rin­gá (Ina­ma­re), en­ti­da­de Laura Re­bou­ças, den­tre ou­tros. Se­gun­do Li­a­na Pau­li­no, vá­ri­as ins­ti­tui­ções que li­dam com a apren­di­za­gem em Ma­rin­gá têm lis­tas de in­te­res­sa­dos na con­tra­ta­ção (pré-ca­das­tra­dos). “O que a em­pre­sa não po­de é fi­car pas­si­va e di­zer que não tem in­te­res­sa­dos. A es­co­lha da me­lhor for­ma de im­ple­men­ta­ção da co­ta ca­be ex­clu­si­va­men­te à em­pre­sa. Ela tem que cum­prir a lei e ter pos­tu­ra ati­va quan­to à sua fun­ção social na bus­ca e con­tra­ta­ção de apren­di­zes.”

Não cum­prir a lei su­jei­ta a em­pre­sa a so­frer fis­ca­li­za­ção e la­vra­tu­ra de au­tos de in­fra­ção pe­lo Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho e Em­pre­go, pe­los au­di­to­res fis­cais do tra­ba­lho. Além dis­so, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co po­de ins­tau­rar inqué­ri­to ci­vil ou mo­ver, di­re­ta­men­te, ação ci­vil pú­bli­ca con­tra a em­pre­sa, com pe­di­do de obri­ga­ção de fa­zer (con­tra­tar apren­diz) e até pe­di­do de in­de­ni­za­ção por da­no mo­ral co­le­ti­vo. Há ca­sos de em­pre­sas que fo­ram obri­ga­das a pa­gar mul­ta de R$ 1.000 por dia, por apren­diz, até a re­gu­la­ri­za­ção efe­ti­va da co­ta. “Se a bus­ca for fei­ta de for­ma efe­ti­va e cons­tan­te é im­pro­vá­vel que a em­pre­sa não con­si­ga pre­en­cher a co­ta. Ca­so se­jam to­ma­das to­das as me­di­das ca­bí­veis, após bus­cas exaus­ti­vas e cons­tan­tes, com to­das as me­di­das plau­sí­veis de­vi­da­men­te to­ma­das, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, em al­guns ca­sos, po­de ana­li­sar a ques­tão da con­ces­são de um pra­zo mai­or pa­ra con­tra­ta­ção.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.