UEM e cons­tru­to­ra di­ver­gem so­bre va­lo­res em obra do RU

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Eder­son Hi­sing eder­son@odi­a­rio.com

Tan­to em­prei­tei­ra quan­to uni­ver­si­da­de afir­mam ter di­nhei­ro a re­ce­ber Con­tra­to foi sus­pen­so e ser­vi­do­res da UEM to­cam obra, sem pra­zo de con­clu­são

Há pe­lo me­nos seis me­ses a obra de am­pli­a­ção do Res­tau­ran­te Uni­ver­si­tá­rio (RU) da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM) não evo­lui. Ini­ci­a­da em ja­nei­ro de 2013 e pre­vis­ta pa­ra ser­con­cluí­da­no­se­gun­do­se­mes­tre da­que­le ano, a obra foi re­to­ma­da nes­te mês pe­la uni­ver­si­da­de fal­tan­do 25% pa­ra fi­car pron­ta, após res­ci­são de con­tra­to com a Pal­mi­tal Ge­ren­ci­a­men­to de Obras Lt­da. O cus­to to­tal da obra era de R$ 1,2 mi­lhão. Fo­ram pa­gosR$874milàem­pre­sa.

No en­tan­to, al­gu­mas ques­tões fi­ca­ram pen­den­tes, en­tre elas o im­pas­se fi­nan­cei­ro. Tan­to a em­pre­sa quan­to a uni­ver­si­da­de ale­gam que têm di­nhei­ro a re­ce- ber. Se­gun­do um le­van­ta­men­to fei­to pe­la con­tro­la­do­ria in­ter­na da UEM, a cons­tru­to­ra pre­ci­sa de­vol­ver R$ 52.227,51, ca­so re­ti­re do lo­cal ma­te­ri­ais de cons­tru­ção já ad­qui­ri­dos. Se dei­xá-los, o va­lor cai­ria pa­ra R$ 7.664,02. Por ou­tro la­do, Rodrigo Vi­cen­te, en­ge­nhei­ro e só­cio-pro­pri­e­tá­rio da em­pre­sa, afir­ma que tem R$ 182 mil a re­ce­ber da uni­ver­si­da­de em ser­vi­ços re­a­li­za­dos e não pa­gos.

Na ten­ta­ti­va de so­lu­ci­o­nar o im­pas­se, a rei­to­ria de­le­gou uma co­mis­são for­ma­da por um en­ge­nhei­ro e pe­la con­tro­la­do­ra in­ter­na da UEM, Ma­ria Re­gi­na da Fon­se­ca, pa­ra le­van­tar os va­lo­res e che­gar a um con­sen­so com o cons­tru­tor. Uma car­ta ela­bo­ra­da­pe­la­co­mis­são­foi­en­vi­a­da­aVi­cen­te, que tem até o dia 6 de abril pa­ra apre­sen­tar com quais pon- tos não con­cor­da e jus­ti­fi­ca-los. “Eu pre­ci­so que me di­gam exa­ta­men­te com o que não con­cor­dam e mo­ti­vo. Aí va­mos sen­tar no­va­men­te e fa­zer uma aná­li­se. Na sequên­cia a gen­te já de­ve en­cer­rar o pro­ce­di­men­to”, ava­lia a con­tro­la­do­ra.

O en­ge­nhei­ro pro­me­te en­tre­gar a res­pos­ta no iní­cio da pró­xi­ma se­ma­na. Se não hou­ver acor­do, ele ame­a­ça pe­dir uma pe­rí­cia ju­di­ci­al pa­ra ava­li­ar o que foi e o que não foi fei­to na obra. Ca­so is­so ocor­ra, a am­pli­a­ção po­de­ria ser no­va­men­te pa­ra­li­sa­da. “No pro­ces­so ad­mi­nis­tra­ti­vo da pró­pria uni­ver­si­da­de so­bre a obra es­tá cla­ro que a cul­pa é de­les e não­mi­nha”,afir­ma.

On­tem, ocor­reu uma au­di­ên­cia na 4ª Va­ra Cri­mi­nal de Ma­rin­gá on­de fo­ram ou­vi­das as tes­te­mu­nhas de acu­sa­ção de inqué­ri­toins­tau­ra­do­pe­loMi­nis­té­ri­oPú­bli­co quan­to aos in­dí­ci­os de ir­re­gu­la­ri­da­des que pe­sam so­bre a em­pre­sa e fun­ci­o­ná­ri­os da UEM de ser­vi­ços pa­gos e não re­a­li­za­dos. Em 2013, o Ob­ser­va­tó­rio Social le­van­tou es­sa ques­tão. Pa­ra Vi­cen­te, as ave­ri­gua­ções do ob- ser­va­tó­ri­o­não­pos­su­e­mem­ba­sa­men­to­téc­ni­co.

Pa­ra­le­lo a is­so, a obra es­tá sen­do fei­ta por fun­ci­o­ná­ri­os da uni­ver­si­da­de. De acor­do com o pre­fei­to do cam­pus, Car­los Au­gus­to Ta­ma­ni­ni, na re­to­ma­da cons­ta­tou-se a ne­ces­si­da­de de se re­fa­zer uma sé­rie de ser­vi­ços, co­mo as ins­ta­la­ções elé­tri­cas, de água e es­go­to e da cal­dei­ra que aque­ce a água usa­da no res­tau­ran­te.

A obra não tem da­ta pa­ra ser con­cluí­da e ain­da de­pen­de da re­so­lu­ção­doim­bró­gli­o­co­ma­cons­tru­tu­ra. “Se no acer­to a UEM fi­car com os ma­te­ri­ais, o pro­ces­so po­de­rá ser mais rá­pi­do. Ca­so con­trá­rio, ha­ve­rá a ne­ces­si­da­de de se fa­zer li­ci­ta­ção, o que le­va­ria mais tem­po”, diz. Desde a re­to­ma­da, já fo­ram gas­tos R$ 50 mil pe­laUEM.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.