Marcelo Cat­ta­ni dei­xa o go­ver­no do Es­ta­do

O Diario do Norte do Parana - - PARANÁ - Da Re­da­ção re­da­cao@odi­a­rio.com

Ex-se­cre­tá­rio de Comunicação des­ta­cou avan­ços na área Rol­do, che­fe de Ga­bi­ne­te, res­pon­de­rá in­te­ri­na­men­te pe­la pas­ta

Marcelo Si­mas do Amaral Cat­ta­ni pe­diu de­mis­são on­tem de ma­nhã do car­go de se­cre­tá­rio de Comunicação Social do Pa­ra­ná. O che­fe de Ga­bi­ne­te, De­o­nil­son Rol­do, que tam­bém é jor­na­lis­ta, res­pon­de­rá in­te­ri­na­men­te pe­la pas­ta, se­gun­do in­for­mou o go­ver­no.

Cat­ta­ni não es­cla­re­ceu o mo­ti­vo da so­li­ci­ta­ção. Ele de­cla­rou que o tra­ba­lho com o go­ver­na­dor pos­si­bi­li­tou avan­ços em Comunicação. “Foi uma gran- de opor­tu­ni­da­de pro­fis­si­o­nal. Be­to Ri­cha nos deu au­to­no­mia e apoio pa­ra re­a­li­zar um tra­ba­lho di­nâ­mi­co. Acre­di­to que hou­ve avan­ços mui­to im­por­tan­tes na comunicação de Curitiba e do o Pa­ra­ná nes­tes anos”, afir­mou ele, que es­ta­va na equi­pe de Ri­cha desde a cam­pa­nha elei­to­ral de 2002, quan­do o tu­ca­no foi can­di­da­to ao go­ver­no do Pa­ra­ná pe­la pri­mei­ra vez.

Por ou­tro la­do, pes­so­as pró­xi­mas a Cat­ta­ni afir­ma­ram on­tem a veí­cu­los de comunicação de Curitiba que a de­ci­são era ava­li­a­da há al­gum tem­po. Um dos mo­ti­vos que le­va­ram ao pe­di­do de dei­xar a Se­cre­ta­ria de Comunicação se­ria a dis­cor­dân­cia em re­la­ção ao mo­do co­mo o go­ver­no se po­si­ci­o­nou no ca­so Luiz Abi, em­pre­sá­rio que tem pa­ren­tes­co com o go­ver­na­dor e foi pre­so no úl­ti­mo dia 16, pe­lo Gru­po de Atu­a­ção Es­pe­ci­al de Com­ba­te ao Cri­me Or­ga­ni­za­do (Ga­e­co), por su­pos­ta frau­de no De­par­ta­men­to de Trans­por­te Ofi­ci­al (De­to), do go­ver­no do Es­ta­do.

O go­ver­no in­for­mou que Ri­cha acei­tou o pe­di­do de de­mis­são e que agra­de­ceu Cat­ta­ni pe­la “com­pe­tên­cia, de­di­ca­ção e le­al­da­de” e pe­lo tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do em 10 anos de par­ce­ria, desde a Pre­fei­tu­ra de Curitiba, e com­pre­en­deu sua de­ci­são de dei­xar o go­ver­no em fun­ção de no­va­mis­são­e­pro­je­tos­fu­tu­ros.

Du­ran­te as ges­tões de Ri­cha, Cat­ta­ni foi di­re­tor de Mar­ke­ting da Fun­da­ção Cul­tu­ral de Curitiba, se­cre­tá­rio de Comunicação na Pre­fei­tu­ra de Curitiba e se­cre­tá­rio es­ta­du­al desde 2011. Tam­bém co­or­de­nou a Comunicação e o Mar­ke­ting nas cam­pa­nhas elei­to­rais que ele­ge­ram Be­to Ri­cha em 2008, 2010 e 2014. En­tre vá­ri­os prê­mi­os e o re­co­nhe­ci­men­to do mer­ca­do pu­bli­ci­tá­rio pe­las cam­pa­nhas de­sen­vol­vi­das ao lon­go da úl­ti­ma dé­ca­da, Cat­ta­ni des­ta­ca o prê­mio Pro­fis­si­o­nais do Ano da Re­de Glo­bo, em 2013, conquista de mé­ri­to na­ci­o­nal do go­ver­no do Es­ta­do e da agên­cia Mas­ter Comunicação em ação de com­ba­te ao tro­te te­lefô­ni­co às po­lí­ci­as e bom­bei­ros..

“A dis­po­si­ção de Be­to Ri­cha pa­ra o diá­lo­go se re­fle­tiu no tra­ba­lho re­a­li­za­do na Comunicação. Re­to­ma­mos o diá­lo­go a mí­dia no Pa­ra­ná, es­ta­be­le­cen­do um re­la­ci­o­na­men­to pro­fis­si­o­nal com o se­tor”, afir­mou Cat- ta­ni. “As mu­dan­ças são na­tu­rais, na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca ou pri­va­da. Co­lo­quei meu car­go à dis­po­si­ção pa­ra dar to­tal tran­qui­li­da­de ao go­ver­na­dor nas de­ci­sões que irá to­mar pe­la fren­te”.

O ex-se­cre­tá­rio acre­di­ta que hou­ve avan­ços im­por­tan­tes na área de Comunicação Di­gi­tal e na Rá­dio e TV Edu­ca­ti­va, atu­al éPa­ra­ná. Em Curitiba, a éPa­ra­ná trans­mi­te a pro­gra­ma­ção em for­ma­to di­gi­tal. E a Rá­dio Edu­ca­ti­va FM pas­sou a ope­rar com trans­mis­sor di­gi­tal de clas­se es­pe­ci­al com a mai­or po­tên­cia.”Fal­tam pou­cos de­ta­lhes pa­ra que se com­ple­te a ins­ta­la­ção do no­vo sis­te­ma tec­no­ló­gi­co di­gi­tal, o que co­lo­ca­rá a emis­so­ra pú­bli­ca do Pa­ra­ná na van­guar­da em pro­du­ção e exi­bi­ção di­gi­tal”. A TV do Pa­ra­ná tem a me­lhor pro­gra­ma­ção das TVs Cul­tu­ra e Bra­sil e ope­ra via sa­té­li­te da Em­bra­tel pa­ra to­do país e Amé­ri­ca­doSul.

Ten­do­co­mo­ba­se­a­mú­si­ca “Rap daFe­li­ci­da­de”,ale­tra fa­za­me­a­ça­se­o­fen­sa­saCar­los Hen­ri­queRos­sa­toGo­mes e de­sa­fi­a­a­po­lí­cia.

Um rap com ame­a­ças con­tra o de­le­ga­do-ope­ra­ci­o­nal da Po­lí­cia Ci­vil de Pa­ra­na­vaí, Car­los Hen­ri­que Ros­sa­to Gomes, co­nhe­ci­do co­mo Cai­que, es­tá ge­ran­do po­lê­mi­ca na re­gião no­ro­es­te do Es­ta­do. A mú­si­ca tam­bém de­sa­fia o gru­po Ron­das Os­ten­si­vas Tá­ti­co Mó­vel (Ro­tam), da Po­lí­cia Mi­li­tar (PM).

Em­bo­ra um ad­vo­ga­do cri­mi­na­lis­ta ana­li­sa que a le­tra con­fi­gu­re três ti­pos cri­mi­nais, o de­le­ga­do ci­ta­do diz que não to­ma­rá pro­vi­dên­ci­as con­tra o au­tor da obra.

Mon­ta­do sob a me­lo­dia do “Rap da Fe­li­ci­da­de”, da du­pla Ci­di­nho e Doca, do Rio de Ja­nei­ro (RJ), o rap che­gou ao co­nhe­ci­men­to da Po­lí­cia Ci­vil de Pa­ra­na­vaí na se­ma­na pas­sa­da. O áu­dio, gra­va­do por meio de um te­le­fo­ne, es­pa­lhou-se com uma ra­pi­dez im­pres­si­o­nan­te por to­da re­gião e dei­xou mui­ta gen­te cho­ca­da pe­los evi­den­tes tons de ame­a­ças fei­tos con­tra o de­le­ga­do e mem­bros das po­lí­ci­as Ci­vil e Mi­li­tar. Ini­ci­al­men­te, a le­tra ge­rou uma dis­cus­são se a si­tu­a­ção con­fi­gu­ra­ria em cri­me ou di­rei­to à livre ma­ni­fes­ta­ção.

Após ou­vir tre­chos do rap, o ad­vo­ga­do cri­mi­na­lis­ta Is­ra­el Ba­tis­ta de Mou­ra, de Ma­ri­al­va, en­ten­de que a si­tu­a­ção con­fi­gu­ra cri­me. Se­gun­do ele, a par­tir do mo­men­to que o di­rei­to à livre ma­ni­fes­ta­ção fe­re um dis­po­si­ti­vo le­gal ou atin­ge ter­cei­ros pas­sa a ser con­fi­gu­ra­do cri­me. Nes­te ca­so, se­gun­do ele, o au­tor pra­ti­cou cri­me con­tra a hon­ra, ame­a­ça e apo­lo­gia ao cri­me.

In­dig­na­do com a le­tra, o cri­mi­na­lis­ta foi além: “Es­se in­di­ví­duo de­ve ser pre­so e le­var uma re­pri­men­da exem­plar da po­lí­cia. Não é pos­sí­vel que um

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.