PIB da agro­pe­cuá­ria dei­xa cam­po apre­en­si­vo

O Diario do Norte do Parana - - AGRONEGÓCIO - Luiz de Car­va­lho car­va­lho@odi­a­rio.com

Al­ta de 0,4% foi 10% da pre­vi­são dos ór­gãos ofi­ci­ais e en­ti­da­des Em 2013, in­di­ca­dor cres­ceu 7%; es­te ano po­de ha­ver es­tag­na­ção

O re­sul­ta­do do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) da agro­pe­cuá­ria, pa­ra 2014, di­vul­ga­do sex­ta-fei­ra pe­lo Ins­ti­tu­to Brasileiro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE), sur­pre­en­deu eco­no­mis­tas e re­pre­sen­tan­tes das en­ti­da­des re­pre­sen­ta­ti­vas do se­tor pro­du­ti­vo e au­men­tou a pre­o­cu­pa­ção com re­la­ção às ex­pec­ta­ti­vas pa­ra es­te ano, que po­de­rá ter um de­sem­pe­nho ain­da mais tí­mi­do co­mo con­sequên­cia da cri­se econô­mi­ca mun­di­al e no País. O ín­di­ce re­gis­trou al­ta de 0,4% na com­pa­ra­ção com 2013, 10% do que pre­via o go­ver­no, Ban­co Cen­tral e as fe­de­ra­ções de agri­cul­tu­ra dos Es­ta­dos bra­si­lei­ros. O úni­co acer­to foi do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI), que pre­viu cres­ci­men­to de me­nos de meio por cen­to ain­da no iní­cio do se­gun­do se­mes­tre­de2014.

Pa­ra os lí­de­res do se­tor pro­du­ti­vo, o cres­ci­men­to foi pí­fio, po­den­do con­si­de­rá-lo uma es­tag­na­ção quan­do com­pa­ra­do com 2013, quan­do o agro­ne­gó­ci­o­cres­ceu7%.

“O agri­cul­tor e o pe­cu­a­ris­ta bra­si­lei­ros agem sem­pre com cau­te­la e, di­an­te de qual­quer de­se­qui­lí­brio, põe o pé no freio”, dis­se o di­re­tor de Agro­pe­cuá­ria da So­ci­e­da­de Ru­ral de Ma­rin­gá, zo­o­tec­nis­ta e cri­a­dor Ju­ci­val Pereira de Sá. Se­gun­do ele, “há um his­tó­ri­co, quan­do, no pas­sa­do, mui­tos pro­du­to­res so­fre­ram, per­de­ram ter­ras, en­di­vi­da­ram-se em pe­río­dos de eco­no­mia ins­tá­vel e, di­an­te de uma si­tu­a­ção co­mo a atu­al, o agri­cul­tor se re­trai, dei­xa de fa­zer in­ves­ti­men­tos que, às ve­zes, eram ne­ces­sá­ri­os”.

Com es­te re­co­lhi­men­to de quem pro­duz, o mer­ca­do dei­xa de ven­der má­qui­nas, as tec­no­lo­gi­as ne­ces­sá­ri­as não são usa­das por­que nin­guém quer cor­rer ris­cos.

“Pa­ra nós que pro­du­zi­mos, no Pa­ra­ná, es­te ín­di­ce de cres­ci­men­to tão pe­que­no foi me­nos sen­ti­do do que em ou­tros Es­ta­dos, por­que a agri­cul­tu­ra e a pe­cuá­ria pa­ra­na­en­ses são di­fe­ren­ci­a­das, tan­to pe­los vo­lu­mes de pro­du­ção quan­to por al­gu­mas fa­ci­li­da­des, co­mo o fa­to de es­tar per­to do Por­to, fa­ci­li­tan­do o es­co­a­men­to pa­ra a pro­du­ção”, des­ta­cou o agri­cul­tor Jair Be­ná­lia, plan­ta­dor de so­ja e mi­lho e pre­si­den­te da Ce­re­a­lis­ta Cam­pos Ver­des. Além dis­to, se­gun­do ele, o pro­du­tor do Pa­ra­ná vem sen­do ca­pi­ta­li­za­do por bo­as sa­fras de mi­lho e so­ja nos úl­ti­mos anos e fi­ca me­nos de­pen­den­te do mer­ca­do.

For­ça­das­car­nes

O tam­bém pro­du­tor Dil­vo Grol­li, pre­si­den­te de uma co­o­pe­ra­ti­va no oes­te do Es­ta­do, ci­tou que um dos fa­to­res que aju­da­ram o Pa­ra­ná a sen­tir o PIB di­mi­nu­to é que em vá­ri­os seg­men­tos o Es­ta­do pro­duz pa­ra ex­por­ta­ção, co­mo é o ca­so do fran­go, suí­nos, so­ja e mi­lho. O Pa­ra­ná res­pon­de por 31% de to­da a ex­por­ta­ção de fran­gos pa­ra mais de 150 paí­ses e co­mo os pre­ços já es­ta­vam bons e fo­ram aju­da­dos pe­la va­lo­ri­za­ção do dó­lar o seg­men­to se man­te­ve em al­ta. “As car­nes, to­das elas, vão mui­to bem, com des­ta­que pa­ra o bo­vi­no, que foi a que te­ve mai­or va­lo­ri­za­ção no ano, com re­cor­de de ex­por­ta­ção e be­ne­fi­ci­a­da pe­lo bai­xo es­to­que de bo­vi­nos no mer­ca­do, o que cau­sa ele­va­ção nos pre­ços”, res­sal­tou. Pa­ra Grol­li, o se­tor de car­nes do Pa­ra­ná vai sen­tir me­nos as que­das do PIB, mes­mo em 2015 e 2016.

O ce­re­a­lis­ta Jair Be­ná­lia dis­se que ape­sar da boa si­tu­a­ção que a so­ja bra­si­lei­ra go­za atu­al­men­te no mer­ca­do ex­ter­no, o cres­ci­men­to de 5,8% re­gis­tra­do pe­la le­gu­mi­no­sa no ano não sig­ni­fi­ca ga­nho pa­ra o pro­du­tor na mes­ma pro­por­ção. Es­te cres­ci­men­to, se­gun­do ele, foi uma es­pé­cie de com­pen­sa­ção di­an­te do au­men­to dos cus­tos dos in­su­mos usa­dos na pro­du­ção. “Es­tes pro­du­tos ge­ral­men­te são im­por­ta­dos e os pre­ços au­men­tam quan­do o dó­lar­se­va­lo­ri­za.Co­mohou­veum cres­ci­men­to da so­ja, ele co­briu o au­men­to dos in­su­mos do­la­ri­za­dos. O pro­ble­ma é que, se o dó­lar cair, o va­lor dos in­su­mos não vão bai­xar”,pon­de­rou.

Ca­mi­nhões car­re­ga­dos são im­pe­di­dos de en­trar nas uni­da­des de pro­ces­sa­men­to. Mo­vi­men­to se­rá es­ten­di­do ao Ma­to Gros­so do Sul.

Pro­du­to­res de man­di­o­ca do no­ro­es­te pa­ra­na­en­se blo­que­a­ram o aces­so de ca­mi­nhões car­re­ga­dos em 28 fe­cu­la­ri­as e fa­ri­nhei­ras, re­a­li­za­ram tra­to­ra­ços e, ago­ra, pre­ten­dem es­ten­der o mo­vi­men­to ao Ma­to Gros­so Sul, que tam­bém pro­duz a raiz pa­ra ser in­dus­tri­a­li­za­da no Pa­ra­ná. A es­tra­té­gia é dei­xar as in­dús­tri­as sem ma­té­ria-pri­ma e, as­sim, for­çar um au­men­to de pre­ço da to­ne­la­da.

Em Ci­a­nor­te, São Lou­ren­ço, Ter­ra Boa, Umu­a­ra­ma, Ci­da­de Gaú­cha, Pa­ra­na­vaí e No­va Es­pe­ran­ça os pro­du­to­res re­a­li­zam ma­ni­fes­ta­ções e não en­tre­gam man­di­o­ca às in­dús­tri­as. Se­gun­do o pro­du­tor Di­o­ní­sio Hei­de­mann, da re­gião de Pa­ra­na­vaí, ape­nas os que pre­ci­sam de­vol­ver ter­ra ar­ren­da­da ou sal­dar com­pro­mis­sos fi­nan­cei­ros ur­gen­tes acei­tam ven­der o pro­du­to aos pre­ços atu­ais.

On­tem, as fe­cu­la­ri­as e fá­bri­cas de fa­ri­nha ofe­re­ci­am R$ 165, por to­ne­la­da. Va­lor que, de acor­do com os agri­cul­to­res, es­tá abai­xo do que se in­ves­te pa­ra pro­du­zir. Os pro­du­to­res ga­ran­tem que o cus­to de pro­du­ção é de R$ 245, por to­ne­la­da.

O pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos Pro­du­to­res de Man­di­o­ca do Pa­ra­ná (Apro­mam), Francisco An­dro­vi­cis Abru­nho­za, diz que já ocor­rem reu­niões em Ivi­nhe­ma e El­do­ra­do, am­bas no Ma­to Gros­so do Sul, pa­ra de­ci­dir quan­do os pro­du­to­res da re-

—FO­TO: RI­CAR­DO LO­PES

BOM. Fran­go pro­du­zi­do no Es­ta­do é ven­di­do pa­ra mais de 150 paí­ses e aju­da re­du­zir im­pac­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.