De Jú­lia pa­ra Caio

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Luiz Car­los Mer­ten Agên­cia Es­ta­do

Fra­gi­li­da­de das re­la­ções inspira Jú­lia Rezende no óti­mo “Pon­te Aé­rea”, so­bre re­la­ci­o­na­men­tos “lí­qui­dos” Fil­me da di­re­to­ra de “Meu Pas­sa­do Me Con­de­na” (1 e 2) foi es­cri­to pa­ra Caio Blat, que faz gra­fi­tei­ro boa vi­da

Fo­ram cin­co anos desde que Jú­lia Rezende co­me­çou a tra­ba­lhar no pro­je­to que vi­rou “Pon­te Aé­rea”. O fil­me es­tre­ou na úl­ti­ma quin­ta-fei­ra, 26, em São Pau­lo. É óti­mo. Mas não fo­ram cin­co anos de de­di­ca­ção ex­clu­si­va. No in­ter­va­lo, acon­te­ce­ram “Meu Pas­sa­do Me Con­de­na”, 1 e 2. Con­vi­da­da a di­ri­gir o pri­mei­ro, Jú­lia saiu-se mui­to bem. O fil­me es­tou­rou, deu-lhe con­fi­an­ça co­mo di­re­to­ra (e a con­fi­an­ça do mer­ca­do). Ela fil­mou o 2, que ago­ra mon­ta. En­quan­to is­so, fil­mou “Pon­te Aé­rea”, que fi­cou pron­to e es­tre­ou. Pa­ra Jú­lia, é um fil­me mais pes­so­al. “Ah, fui eu que es­cre­vi, e is­so faz to­da a di­fe­ren­ça na ho­ra de fil­mar. Não re­ne­go “Meu Pas­sa­do”. Nããão­o­oo. Ado­ro tra­ba­lho com o Fá­bio (Por­chat) e a Miá (Mel­lo). Mas o “Pon­te Aé­rea” é o ‘meu’ fil­me ge­ra­ci­o­nal. Ha­via li­do o so­ció­lo­go polonês Zyg­munt Bau­man e fi­quei si­de­ra­da pe­lo con­cei­to de­le do amor lí­qui­do. É uma coi­sa da mi­nha ge­ra­ção, o fi­car sem se en­vol­ver de ver­da­de, a fra­gi­li­da­de dos la­ços hu­ma­nos, e eu qu­e­ria mos­trar o que há por trás des­sa ati­tu­de.”

“Pon­te Aé­rea” é so­bre um ca­sal que se co­nhe­ce por con­ta de um pro­ble­ma de ae­ro­por­to. O voo de­les é des­vi­a­do pa­ra BH, eles pas­sam a noi­te no hotel e, de des­co­nhe­ci­dos, tor­nam-se aman­tes de uma noi­te. Ela é uma exe­cu­ti­va pau­lis­ta, ele um bon­vi­vant ca­ri­o­ca, um gra­fi­tei­ro. En­vol­vem-se, mas tu­do vem mui­to rá­pi­do pa­ra o per­so­na­gem de Caio Blat. Seu pai es­tá mor­ren­do, ele des­co­bre que tem um mei­oir­mão, e que te­rá de as­su­mir es­se ga­ro­to.

As­su­mir uma mu­lher, um qua­se fi­lho (pe­la di­fe­ren­ça de ida­de com o ir­mão). É de­mais. Caio sur­ta. Co­mo Dan­ton Mel­lo em “Su­pe­rai”, co­mo os vi­tel­lo­ni de “Os Bo­as-Vi­das”, de Fe­de­ri­co Fel­li­ni, ele é um ga­ro­to cres­ci­do, com me­do de ama­du­re­cer. Há um ga­to na his­tó­ria. Cha­ma-se, não por aca­so, Fe­li­ne.

As­sim co­mo se ins­pi­rou em Bau­man, Jú­lia es­cre­veu “Pon­te Aé­rea” pa­ra Caio Blat. Na en­tre­vis­ta que deu à Agên­cia Es­ta­do, o ator já fa­la­ra de sua pro­xi­mi­da­de com a di­re­to­ra. “Sou ami­go da Jú­lia há mui­to tem­po, fui pa­dri­nho do ca­sa­men­to de­la com Síl­vio Guin­da­ne, que tam­bém é meu ami­go e, no fil­me, faz meu me­lhor ami­go.” Em­bo­ra as di­fe­ren­ças en­tre Rio e São Pau­lo, ca­ri­o­cas e pau­lis­tas, es­te­ja no cen­tro de ‘Pon­te Aé­rea’, Jú­lia nun­ca se pre­o­cu­pou com o fa­to de Caio ser pau­lis­ta. “Con­fi­a­va no ta­len­to de­le e sa­bia que, com o fi­gu­ri­no ade­qua­do, al­gu­mas ta­tu­a­gens e ma­qui­a­gem de bron­ze­a­men­to, ele fa­ria o ca­ri­o­ca tí­pi­co, o ra­to de praia. Só ti­ve de tra­ba­lhar com ele o so­ta­que, bo­tar uns SSs a mais pa­ra fa­zer o Caio chi­ar.”

Em­fa­mí­lia

Com Caio na ca­be­ça, res­ta­va a Jú­lia es­co­lher sua “pau­lis­ta”. “Le­tí­cia (Co­lin) tem fei­to te­a­tro, ci­ne­ma, TV. É atriz de mu­si­cais. Co­nhe­ci-a atra­vés de meu pai (o ci­ne­as­ta Sér­gio Rezende). Fi- ze­mos uma au­di­ção, Le­tí­cia foi óti­ma com o Caio. Já ti­nha a mi­nha du­pla.” O que hou­ve de­pois foi mui­to en­saio pa­ra co­lo­car a du­pla na pe­le dos per­so­na­gens,eos­diá­lo­gos­na­em­bo­ca­du­ra de am­bos. Foi um fil­me em fa­mí­lia. Ma­ri­sa Leão pro­duz, Jú­lia, sua fi­lha (com Sér­gio Rezende) di­ri­ge, a ou­tra fi­lha, Ma­ria, é a mon­ta­do­ra. “Mi­nha mãe é um so­nho de pro­du­to­ra. Dá to­do apoio pa­ra a gen­te. E a Ma­ria, que já mon­ta­va en­quan­to eu fil­ma­va, me deu al­gu­mas idei­as mui­to­bo­as.Fil­mei­pla­no­sa­di­ci­o­nais­que­e­la­con­si­de­ra­va­ne­ces­sá­ri­os pa­ra a fi­na­li­za­ção de cer­tas ce­nas. E a Ma­ria ti­nha ra­zão. O fil­me flui me­lhor, em­bo­ra se­jam coi­sas pe­que­nas que o es­pec­ta­dor­nem­no­ta.”

“Pon­te Aé­rea” re­mon­ta a uma tra­di­ção de co­mé­di­as ro­mân­ti­cas que tal­vez te­nha ti­do em “To­das as Mu­lhe­res do Mundo”, de Do­min­gos Oli­vei­ra, seu me­lhor exem­plo. Pau­lo Jo­sé, em “To­das as Mu­lhe­res”, já vi­via o di­le­ma de desistir das de­mais mu- lhe­res­po­ra­mo­raLei­laDi­niz.

Jú­lia sen­te-se li­son­je­a­da quan­do o repórter diz que “Pon­te Aé­rea”, de cer­ta for­ma, é o “To­das as Mu­lhe­res” pa­ra 2015. “Num mundo ca­da vez mais di­nâ­mi­co e ve­loz, a ver­da­de é que as pes­so­as têm me­do de amar”, a di­re­to­ra e ro­tei­ris­ta re­fle­te, pe­gan­do ca­ro­na em Zyg­munt Bau­man.Me­no­se­la.Pa­raSíl­vi­oGuin­da­ne e Jú­lia, não tem es­sa de amor lí­qui­do. As­su­mi­ram a li­ga­ção, es­tão fe­li­zes na car­rei­ra e no amor.

—FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

TE­LA. Le­tí­cia Co­lin e Caio Blat em “Pon­te Aé­rea”, de Jú­lia Rezende: amor vo­a­dor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.