Ação do OSM re­sul­tou em eco­no­mia de R$ 18 mi

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Luiz de Car­va­lho car­va­lho@odi­a­rio.com

A atu­a­ção do Ob­ser­va­tó­rio So­ci­al de Ma­rin­gá (OSM) na fis­ca­li­za­ção das con­tas pú­bli­cas re­sul­tou em uma eco­no­mia, pa­ra a Pre­fei­tu­ra de Ma­rin­gá, de R$ 18 mi­lhões em 2015 e 2016, só em si­tu­a­ções em que hou­ve pa­ga­men­tos por ser­vi­ços que não fo­ram exe­cu­ta­dos, li­ci­ta­ções fei­tas com di­re­ci­o­na­men­to e pre­ços su­per­fa­tu­ra­dos.

Os nú­me­ros fo­ram apre­sen­ta­dos na úl­ti­ma quin­ta-fei­ra, du­ran­te au­di­ên­cia pú­bli­ca pro­mo­vi­da pe­lo do con­se­lho do OSM com re­pre­sen­tan­tes de di­ver­sos se­to­res da so­ci­e­da­de ma­rin­ga­en­se. Nor­mal­men­te os re­la­tó­ri­os são apre­sen­ta­dos to­dos os anos, mas dei­xou de acon­te­cer em 2016 por tra­tar-se de ano elei­to­ral. Vá­ri­os ca­sos em que a atu­a­ção do Ob­ser­va­tó­rio foi de­ci­si­va fo­ram apre­sen­ta­dos co­mo exem­plos, a mai­o­ria re­la­ci­o­na­da a ser­vi­ços que te­ri­am si­do pa­gos pe­la pre­fei­tu­ra sem que fos­sem exe­cu­ta­dos.

É o ca­so dos 300 pon­tos de ôni- bus que de­ve­ri­am ter si­do ins­ta­la­dos em di­ver­sos pon­tos da área ur­ba­na. O Ob­ser­va­tó­rio ve­ri­fi­cou, in lo­co, a ins­ta­la­ção e cons­ta­tou que o nú­me­ro de ins­ta­la­ções era bem in­fe­ri­or ao con­tra­ta­do e pa­go pe­la pre­fei­tu­ra. O re­sul­ta­do foi o res­sar­ci­men­to de R$43mi­la­os­co­fres­pú­bli­cos.

No ca­so de com­pra e ins­ta­la­ção de te­la aviá­ria pa­ra ve­dar o te­to da ro­do­viá­ria, on­de ocor­ri­am con­cen­tra­ções de an­do­ri­nhas em cer­tas épo­cas do ano, o Ob­ser­va­tó­rio cons­ta­tou que o edi­tal exi­gia que as te­las fos­sem dis­po­ni­bi­li­za­das em qua­dros de alu­mí­nio, po­rém, o tra­ba­lho foi fei­to di­re­ta­men­te na es­tru­tu­ra de me­tal já exis­ten­te. Nes­te ca­so o res­sar­ci­men­to foi de R$ 45,5 mil.

O tra­ba­lho do Ob­ser­va­tó­rio So­ci­al na fis­ca­li­za­ção do di­nhei­ro pú­bli­co re­sul­tou tam­bém no can­ce­la­men­to de li­ci­ta­ções que apre­sen­ta­vam in­dí­ci­os de di­re­ci­o­na­men­to. É o ca­so de uma com­pra de mó­veis pla­ne­ja­dos pa­ra es­co­las mu­ni­ci­pais e cen­tros de edu­ca­ção infantil, de R$ 2,4 mi­lhões, que a ad­mi­nis­tra­ção an­te­ri­or pre­ten­dia re­a­li­zar nos úl­ti­mos di­as do man­da­to. Hou­ve, ain­da, o ca­so de ma­nu­ten­ção de Aca­de­mi­as da Ter­cei­ra Idade (ATIs), em que as pe­ças pa­ra re­po­si­ção sai­ri­am mais ca­ras do queu­me­qui­pa­men­to­no­vo.

“A gen­te con­se­gue me­dir o re­sul­ta­do da atu­a­ção do Ob­ser­va­tó­rio em um cál­cu­lo de pro­vei­to econô­mi­co, aque­le be­ne­fí­cio que de­cor­re di­re­ta­men­te da atu­a­ção fis­ca­li­za­do­ra”, diz a pre­si­den­te do OSM, Giu­li­a­na Pi­nhei­ro Len­za. “O di­nhei­ro pú­bli­co que dei­xa de ser gas­to ir­re­gu­lar­men­te ou des­ne­ces­sa­ri­a­men­te po­de ser des­ti­na­do a ou­tras ne­ces­si­da­des da po­pu­la­ção”, com­ple­ta.

O gru­po que re­a­li­za a aná­li­se das con­tas pú­bli­cas da pre­fei­tu­ra, Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal e Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá (UEM) é com­pos­to por pro­fis­si­o­nais de di­ver­sas áre­as, co­mo ad­vo­ga­dos, juí­zes, con­ta­bi­lis­tas, eco­no­mis­tas, fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos fe­de­rais e es­ta­du­ais, em­pre­sá­ri­os, es­tu­dan­tes e apo­sen­ta­dos que são mo­vi­dos por um mes­mo ide­al e to­dos isen­tos de fi­li­a­ção po­lí­ti­co par­ti­dá­ria. To­do o tra­ba­lho é vo­lun­tá­rio, sem vín­cu­lo po­lí­ti­co par­ti­dá­rio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.