Acu­sa­do por no­ve mo­de­los, do­no da Play­boy se de­fen­de

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Pau­li­ne Almeida ge­ral@odi­a­rio.com

Afas­ta­do do tra­ba­lho co­mo pu­blisher da Play­boy, An­dré San­se­ve­ri­no, um dos pro­pri­e­tá­ri­os da re­vis­ta, veio à redação de O Diá­rio pa­ra dar sua ver­são so­bre os fa­tos após ser acu­sa­do por no­ve mo­de­los de as­sé­dio se­xu­al. Ele ca­rac­te­ri­zou o pro­ces­so co­mo ex­tor­si­vo e ne­gou ter fei­to pro­pos­tas in­de­cen­tes.

As mo­de­los apre­sen­ta­ram men­sa­gens de Whatsapp com pe­di­dos de fo­tos nu­as e ou­tras per­gun­tas de cu­nho se­xu­al. San­se­ve­ri­no de­cla­rou que as con­ver­sas não fo­ram mos­tra­das na ín­te­gra e ti­nham a fun­ção de tes­te, pa­ra evi­tar que ga­ro­tas de pro­gra­ma se­jam as­so­ci­a­das a Play­boy.“Eu venho de uma po­lí­ti­ca de em­po­de­ra­men­to da mu­lher. A mi­nha pre­o­cu­pa­ção foi e sem­pre será com a pre­ser­va­ção da ima­gem das nos­sas es­tre­las”, argumentou.

Ques­ti­o­na­do so­bre o porquê de não con­tra­tar as mo­de­los após a su­pos­ta pro­va de ca­rá­ter, ale­gou que du­as das de­nun­ci­an­tes che­ga­ram a tra­ba­lhar em uma se­gun­da fes­ta. Em re­la­ção às de­mais, dis­se que não po­de­ria apre­sen­tar os mo­ti­vos pa­ra não pre­ju­di­car sua de­fe­sa. “Vão exis­tir coi­sas que eu ain­da não pos­so fa­lar.”

O pro­pri­e­tá­rio da Play­boy ain­da le­van­tou dú­vi­das quan­to à con­du­ta do ad­vo­ga­do das mo­de­los, Mar­cel­lo Lom­bar­di, atu­al­men­te sus­pen­so pe­la OAB. Lom­bar­di se de­fen­deu di­zen­do que es­tá sen­do re­ta­li­a­do pe­la en­ti­da­de e que ou­tra ad­vo­ga­da sem im­pe­di­men­tos, Ka­ri­na Lom­bar­di, as­si­na o ca­so.

San­se­ve­ri­no ar­gu­men­ta que não pos­sui um tra­ba­lho co­mum, por is­so, as per­gun­tas ín­ti­mas às jo­vens. “No con­tra­to com a Play­boy ame­ri­ca­na, nu fron­tal po­de, le­ve mas­tur­ba­ção po­de, fric­ção de sei­os, bun­da e per­nas po­de. Eu não te­nho uma con­ver­sa fa­mi­li­ar com as meninas que me pro­cu­ram. Quem quer sair na Play­boy, é uma re­vis­ta de en­tre­te­ni­men­to mas­cu­li­no, no meu dia a dia é fa­la­do de nu.”

Po­rém, as jo­vens não ve­em da mes­ma ma­nei­ra.“Eu me senti co­mo um ob­je­to, fi­quei en­ver­go­nha­da com a si­tu­a­ção, ser vis­ta ape­nas pe­lo meu cor­po”, apon­tou Nadya Fer­rei­ra, uma das que in­gres­sou com a ação por da­nos mo­rais.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.