Eu te­nho a for­ça

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Quan­do meu ma­ri­do e eu, ain­da dois jo­ven­zi­nhos com 20 anos, de­ci­di­mos que iría­mos jun­tar es­co­vas de den­te e afins, lem­bro-me de ter ou­vi­do da mi­nha mãe a se­guin­te fra­se: “Po­de ca­sar, mas que­ro o di­plo­ma da fa­cul­da­de”. Mes­mo ten­do fre­quen­ta­do tão pou­co a es­co­la, meus pais sem­pre fi­ze­ram ques­tão de que as fi­lhas se for­mas­sem em al­gum cur­so su­pe­ri­or. E a au­to­ri­za­ção pa­ra o ca­sa­men­to veio com es­sa con­di­ção. Mis­são da­da, mis­são cum­pri­da. Ca­sei em de­zem­bro de 1993 e no ano se­guin­te co­me­cei a fa­zer Le­tras na Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá. Di­ga­mos que eu não te­nha si­do cri­a­da pa­ra ser uma Amé­lia, mas tam­bém nun­ca ou­vi de nin­guém o con­se­lho “se­ja in­de­pen­den­te”. Ao mes­mo tem­po em que co­me­cei a tra­ba­lhar fo­ra lo­go que com­ple­tei 17 anos, tam­bém ad­qui­ri um baú de ma­dei­ra pa­ra guar­dar o en­xo­val. Ou se­ja: eu co­me­cei a en­sai­ar uma car­rei­ra pro­fis­si­o­nal, mas tam­bém ti­nha meus olhos vol­ta­dos pa­ra uma futura ro­ti­na do­més­ti­ca. E nun­ca me ar­re­pen­di de con­ci­li­ar es­ses dois pa­péis. Re­cor­dei-me des­ses epi­só­di­os ao re­fle­tir dia des­ses so­bre a pa­la­vra “em­po­de­ra­men­to”, um ter­mo re­la­ti­va­men­te no­vo, cu­ja de­fi­ni­ção fi­ca pró­xi­ma de “au­to­no­mia” ou da pos­si­bi­li­da­de de as pes­so­as ou gru­pos de­ci­di­rem so­bre seus pró­pri­os des­ti­nos. E o em­po­de­ra­men­to fe­mi­ni­no tem ga­nha­do ca­da vez mais es­pa­ço em de­ba­tes do mun­do re­al e do mun­do vir­tu­al. Hou­ve uma vez, por exem­plo, que uma atriz dis­se que “a mu­lher que de­pen­de de ho­mem es­tá per­di­da”. Es­sa fra­se me­xeu co­mi­go. Na ver­da­de, in­qui­e­tou-me bas­tan­te. Con­si­de­ro a lu­ta pe­la igual­da­de dos gê­ne­ros jus­ta e ne­ces­sá­ria, mas, às ve­zes, pa­re­ce que há dis­cur­sos que que­rem in­cu­tir em nós a ideia de que os ho­mens são um atra­so de vi­da na nos­sa his­tó­ria e que se­ría­mos mais fe­li­zes so­zi­nhas. Mas, afi­nal, o que sig­ni­fi­ca es­co­lher o seu des­ti­no? Se a lu­ta é pe­la con­quis­ta do po­der da mu­lher, co­mo sa­ber se so­mos mes­mo po­de­ro­sas? Pen­so que o mais im­por­tan­te em uma his­tó­ria a dois se­ja a par­ce­ria. Aqui em casa, nun­ca fui a pro­ve­do­ra. E nem pre­ten­do ser. Meu ma­ri­do sem­pre ga­nhou mui­to mais que eu, mas me tor­nei uma mu­lher in­de­pen­den­te, mes­mo ga­nhan­do me­nos que ele. Por quê? Por­que per­ma­ne­ço nes­sa re­la­ção por op­ção. Es­tar ca­sa­da é uma es­co­lha. E não há in­de­pen­dên­cia me­lhor que po­der es­co­lher. Em nos­sa fa­mí­lia as ta­re­fas são dis­tri­buí­das. Ele me aju­da de vez em quan­do com as ati­vi­da­des do­més­ti­cas e eu con­tri­buo co­mo pos­so com as con­tas a pa­gar. E não li­go de la­var a lou­ça e cui­dar dos de­ta­lhes do dia a dia com a ro­ti­na dos nos­sos fi­lhos. Não di­go a ele “on­tem acom­pa­nhei a ta­re­fa do ca­çu­la, ho­je é a sua vez”. Meu ma­ri­do tem as atri­bui­ções de­le. Eu te­nho as mi­nhas. E a gen­te se en­ten­de mui­to bem. Se de­pen­der de um ho­mem sig­ni­fi­ca vi­ver sub­mis­sa aos de­se­jos mas­cu­li­nos e ser obri­ga­da a di­zer “sim” quan­do o co­ra­ção diz “não”, faz sen­ti­do cor­rer des­se fa­do. Mas acho que vez ou ou­tra o ca­sa­men­to ga­nha um sen­ti­do pe­jo­ra­ti­vo, co­mo se ter um com­pa­nhei­ro fos­se um pe­so, fos­se sinô­ni­mo de so­fri­men­to. Co­mo se a mu­lher mo­der­na pre­ci­sas­se pro­var pra tu­do mun­do que con­se­gue ser fe­liz so­zi­nha. Eu não du­vi­do de que mui­tas mu­lhe­res se­jam ver­da­dei­ra­men­te fe­li­zes so­zi­nhas, mas eu pre­fi­ro es­tar acom­pa­nha­da. Meu ma­ri­do e eu ho­je te­mos mais sin­to­nia que no iní­cio do nos­so ca­sa­men­to por­que apren­de­mos que, mes­mo ca­mi­nhan­do jun­tos, de vez em quan­do te­mos pro­je­tos di­fe­ren­tes. Eu que­ro lan­çar mais li­vros. Ele quer tro­car de moto. Eu amo sa­pa­tos. Ele ama car­ros. Nós dois ama­mos nos­sos fi­lhos. E gos­ta­mos de vi­a­jar. É is­so. En­tão, eu não de­pen­do de um ho­mem. Eu que­ro tê-lo co­mi­go. Que­ro ter um com­pa­nhei­ro, uma com­pa­nhia, um par­cei­ro. Na rua, na chu­va, na fa­zen­da, nu­ma ca­si­nha de sa­pê. Na ca­ma e fo­ra de­la. Eu tam­bém lu­to, à mi­nha ma­nei­ra, pe­lo em­po­de­ra­men­to fe­mi­ni­no. Cos­tu­mo es­cre­ver com frequên­cia so­bre o quan­to é im­por­tan­te a mu­lher cul­ti­var a au­to­es­ti­ma, prin­ci­pal­men­te sem se do­brar aos mal­di­tos pa­drões so­ci­ais de be­le­za. Con­ver­so com ami­gas acer­ca da im­por­tân­cia de ter­mos o nos­so pró­prio es­pa­ço e so­bre os ris­cos da sín­dro­me do oxi­gê­nio, que é aque­la ma­nia de achar que sem o par­cei­ro a gen­te vai mor­rer. Ho­je, a pou­cos me­ses dos meus 44 anos, sin­to-me ma­du­ra pa­ra vi­ver meus afe­tos, se­gu­ra pa­ra di­zer o que sin­to e li­vre pa­ra ex­pres­sar meus de­se­jos. Se is­so sig­ni­fi­ca ter o po­der so­bre o meu des­ti­no? De cer­ta for­ma sim. Con­si­de­ro-me uma mu­lher po­de­ro­sa. Mas es­se po­der não vem só de mim, mas tam­bém ema­na de quem eu amo, de quem es­tá co­mi­go nes­sa coi­sa mui­to doi­da que é vi­ver. Eu sou uma mu­lher li­vre, mas não por­que eu es­te­ja so­zi­nha. Sou li­vre por­que es­co­lhi es­tar acom­pa­nha­da. Is­so não é sub­mis­são, é es­co­lha. E me­lhor em­po­de­ra­men­to não exis­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.