‘Ba­leia Azul’, jo­go vir­tu­al

O Diario do Norte do Parana - - CUL­TU­RA - Mary El­len Ro­sa­da

Um dos as­sun­tos mais co­men­ta­do e vi­vi­do nos úl­ti­mos anos, e que tem ge­ra­do pre­o­cu­pa­ção no mun­do to­do, é o jo­go vir­tu­al “Ba­leia Azul”. Es­ta es­pé­cie de “gin­ca­na” dis­pu­ta­da nas re­des so­ci­ais, com ta­re­fas a se­rem cum­pri­das ao lon­go de 50 di­as, pro­põe de­sa­fi­os nos quais par­ti­ci­pan­tes (ge­ral­men­te cri­an­ças e ado­les­cen­tes) aca­bam sen­do in­flu­en­ci­a­dos por ter­cei­ros por es­ta­rem mais dis­po­ní­veis ho­je na in­ter­net.

Tu­do co­me­ça de ma­nei­ra “le­ve” - de iní­cio, são de­le­ga­dos de­sa­fi­os co­mo as­sis­tir a fil­mes de ter­ror, ou­vir mú­si­cas psi­co­dé­li­cas e de­se­nhar uma ba­leia azul em um pa­pel. Com o pas­sar dos di­as, ado­les­cen­tes che­gam a ser de­sa­fi­a­dos a se pen­du­ra­rem em lu­ga­res al­tos e se au­to­mu­ti­la­rem, ou até ti­ra­rem a pró­pria vi­da.

An­tes da in­ter­net e das re­des so­ci­ais, os prin­ci­pais in­flu­en­ci­a­do­res das cri­an­ças e ado­les­cen­tes eram aque­les com os quais con­vi­vi­am em ca­sa, na es­co­la e na vi­zi­nhan­ça. Atu­al­men­te, não há fron­tei­ras fí­si­cas pa­ra se­pa­rá-los do res­tan­te do mun­do, não bas­ta con­tro­lar com quem o fi­lho es­tá sain­do de ca­sa, pois mui­tas ve­zes o pe­ri­go ha­bi­ta o meio vir­tu­al. Há di­ver­sos in­flu­en­ci­a­do­res, co­mo blog­gers, you­tu­bers e snap­cha­ters, trans­mi­tin­do opi­niões acer­ca de mo­da, ati­tu­de e com­por­ta­men­to. Em bus­ca de se­rem acei­tos, eles imi­tam os in­flu­en­ci­a­do­res, se­jam bons ou maus exem­plos. É im­por­tan­te pro­cu­rar sa­ber o que é aces­sa­do pe­lo fi­lho, con­ver­sar so­bre o tem­po de uso e con­teú­dos ade­qua­dos a ca­da fai­xa etá­ria.

De acor­do com a psi­có­lo­ga Sa­bry­na Va­lé­ria de Al­mei­da Santos, a in­fân­cia e a ado­les­cên­cia es­tão mar­ca­das por uma su­ces­são de al­tos e bai­xos, pois são pe­río­dos em que a per­so­na­li­da­de es­tá em for­ma­ção, há in­se­gu­ran­ça em re­la­ção às mu­dan­ças cor­po­rais e pres­são pa­ra ser acei­to no gru­po de ami­gos. Aque­les que des­to­am do gru­po de al­gu­ma for­ma po­dem ser al­vos de bullying, con­se­quen­te­men­te, ten­dem a se iso­lar e es­tão mais sus­ce­tí­veis a se dei­xa­rem le­var pe­las pro­pos­tas des­ses jo­gos. À pri­mei­ra vis­ta, par­ti­ci­par dos jo­gos pro­vo­ca a sen­sa­ção de per­ten­ci­men­to, mas, em lon­go pra­zo se tor­na

O diá­lo­go con­ti­nua sen­do a me­lhor saí­da

uma pri­são de on­de não po­dem es­ca­par, uma vez que os hac­kers ame­a­çam va­zar in­for­ma­ções con­fi­den­ci­ais e fe­rir fa­mi­li­a­res dos jo­ga­do­res.

Já pa­ra as es­co­las é pa­pel fun­da­men­tal de­sen­vol­ve­rem ati­vi­da­des que pro­por­ci­o­nem a re­fle­xão crí­ti­ca so­bre es­se pro­ble­ma, in­for­man­do e aler­tan­do cri­an­ças e jo­vens so­bre a ne­ces­si­da­de­e­os­ris­cos­dos­de­sa­fi­os­pro­pos­tos­pe­lo­jo­go“Ba­lei­aA­zul”;le­van­do­em­con­si­de­ra­çãoum­com­por­ta­men­to­di­fe­ren­ci­a­do,iso­la­men­to e a im­por­tân­cia de pre­ve­nir o bullying. Aci­o­nar os pais, man­ter diá­lo­go ca­so al­gum trans­tor­no de com­por­ta­men­to se­ja per­ce­bi­do,étam­bém­de­ex­tre­maim­por­tân­cia.

De­vi­do aos gran­des avan­ços na tec­no­lo­gia, a vi­da é de gran­de vul­ne­ra­bi­li­da­de. O jo­go “Ba­leia Azul” tem o com­po­nen­te “de­sa­fio”. Ado­les­cen­tes gos­tam de “de­sa­fi­ar au­to­ri­da­des”, con­cluir fa­ses, rom­per li­mi­tes. Pre­ci­sa­mos nes­se mo­men­to fi­car aten­tos a to­dos e quais­quer mo­vi­men­tos. O diá­lo­go con­ti­nua sen­do a me­lhor saí­da! “As me­lho­res for­mas de pre­ven­ção são o diá­lo­go e o es­trei­ta­men­to dos la­ços com as cri­an­ças

VPa­ra os pais e res­pon­sá­veis não é pre­ci­so proi­bir o ado­les­cen­te de ver fil­mes, usar in­ter­net ou man­ter con­ta­to com ou­tras pes­so­as, mas des­de que se­jam mo­ni­to­ra­dos e, o fun­da­men­tal, que se man­te­nha o diá­lo­go sem­pre. e os ado­les­cen­tes. Ca­bem aos pais e pro­fes­so­res dar o su­por­te ne­ces­sá­rio, aco­lher as ne­ces­si­da­des apre­sen­ta­das pe­los jo­vens sem mi­ni­mi­zar o sofrimento. Ao sa­be­rem que pos­su­em es­pa­ço pa­ra de­sa­ba­far, com­par­ti­lhar ex­pe­ri­ên­ci­as e fa­zer per­gun­tas, é mais pro­vá­vel que pe­çam aju­da em um mo­men­to de di­fi­cul­da­de. Pa­ra que o es­pa­ço de diá­lo­go se­ja cons­truí­do é es­sen­ci­al de­di­car tem­po de qua­li­da­de à cri­an­ça e ao ado­les­cen­te, par­ti­ci­pan­do das brin­ca­dei­ras, aju­dan­do com as ta­re­fas, pra­ti­can­do es­por­tes ou ou­tras ati­vi­da­des que pro­mo­vam in­te­ra­ção. Tam­bém é im­por­tan­te fi­car aten­to aos si­nais de aler­ta, co­mo mu­dan­ças re­pen­ti­nas no com­por­ta­men­to ou apa­rên­cia fí­si­ca, iso­la­men­to, hu­mor de­pri­mi­do e uso de ál­co­ol e dro­gas”, diz a psi­có­lo­ga.

—FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

JO­VEM. É im­por­tan­te no­tar si­nais de aler­ta: iso­la­men­to e hu­mor de­pri­mi­do.

—DI­VUL­GA­ÇÃO

PSI­CÓ­LO­GA. Sa­bry­na Va­lé­ria de Al­mei­da Santos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.