Co­mér­cio es­tá oti­mis­ta com ven­das pa­ra o Dia das Mães

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Luiz de Car­va­lho car­va­lho@odi­a­rio.com

Son­da­gem da Fe­co­mér­cio mos­tra que 76% dos pa­ra­na­en­ses pre­ten­dem com­prar pre­sen­tes A da­ta é a se­gun­da mais im­por­tan­te do ano pa­ra os co­mer­ci­an­tes, su­pe­ra­da ape­nas pe­lo Na­tal

Do­na Ma­ria de Fá­ti­ma Sou­za há di­as per­cor­re lo­jas son­dan­do o que de­se­ja ga­nhar no Dia das Mães, deu to­das as di­cas ao fi­lho Matheus de que an­da so­nhan­do com um par de bo­tas da Me­lis­sa. A exem­plo de Fá­ti­ma, qua­se to­das as mães es­pe­ram re­ce­ber pre­sen­te no se­gun­do do­min­go de maio, em­bo­ra di­gam que não que­rem.

E a mai­o­ria vai ga­nhar. Se­gun­do uma son­da­gem da Fe­de­ra­ção do Co­mér­cio de Bens, Ser­vi­ços e Tu­ris­mo do Pa­ra­ná (Fe­co­mér­cio), 76% dos pa­ra­na­en­ses pre­ten­dem dar pre­sen­tes no Dia das Mães, o que re­pre­sen­ta um acrés­ci­mo em re­la­ção ao ano pas­sa­do, quan­do 71% dos fi­lhos pla­ne­ja­vam com­prar al­go pa­ra mar­car a da­ta.

Os nú­me­ros são ani­ma­do­res pa­ra os co­mer­ci­an­tes, pois mos­tram uma me­lho­ra da eco­no­mia. Em 2012, quan­do o ce­ná­rio econô­mi­co era mais fa­vo­rá­vel, 87% dos co­mer­ci­an­tes con­fi­a­vam em bo­as ven­das, mas em 2014, com a che­ga­da da cri­se, es­te nú­me­ro caiu pa­ra 70% e em 2016 des­ceu ain­da mais, che­gan­do a 69%.

Em­bo­ra sin­tam que a pro­cu­ra de pre­sen­tes pa­ra do Dia das Mães já co­me­çou, os co­mer­ci­an­tes ma­rin­ga­en­ses acham que o gros­so das ven­das acon­te­ce­rá a par­tir da pró­xi­ma se­gun­da-fei­ra, quan­do to­das as em­pre­sas já ti­ve­rem fei­to o pa­ga­men­to de abril.

“A Pás­coa des­te ano foi me­lhor do que a do ano pas­sa­do e is­to nos le­va a pen­sar que tam­bém o Dia das Mães se­rá me­lhor”, diz Her­mí­nia Lui­ze Bar­bo­sa, ven­de­do­ra em um shop­ping po­pu­lar, com sua ex­pe­ri­ên­cia de já ter ven­di­do pre­sen­tes em 51 di­as das mães.

“Mi­nha mãe dei­xa cla­ro de que não quer pre­sen­te pa­ra a ca­sa, quer al­go que se­ja pa­ra ela, so­men­te pa­ra ela”, diz a jor­na­lis­ta Ana Pau­la Ta­va- res Can­de­ló­rio, que nos úl­ti­mos di­as ba­te per­na de lo­ja em lo­ja pro­cu­ran­do al­go que agra­de a mãe.

Pa­ra a ge­ren­te de uma jo­a­lhe­ria, Kei­la Cam­pos, o Dia das Mães é o se­gun­do pi­co sa­zo­nal do ano, só su­pe­ra­do pe­lo Na­tal. Joias e re­ló­gi­os ca­ros sem­pre ven­dem, já que são di­re­ci­o­na­dos a uma cli­en­te­la mais abas­ta­da, mas no ano pas­sa­do hou­ve uma que­da nos va­lo­res dos pre­sen­tes. “Sen­ti­mos que nes­te ano o se­tor já es­tá mais aque­ci­do e fi­lhos e ma­ri­dos vão que­rer pre­sen­te­ar com joias que re­fli­tam a per­so­na­li­da­de da ho­me­na­ge­a­da”.

Es­ta con­fi­an­ça é tam­bém de Pau­la An­drea Fá­va­ro, que tra­ba­lha em um es­ta­be­le­ci­men­to que ven­de pre­sen­tes que agra­dam tam­bém ao pa­la­dar, co­mo ces­tas ma­ti­nais, cho­co­la­tes e be­bi­das. “A Pás­coa deu mos­tras de que o co­mér­cio es­tá se re­er­guen­do e o Dia das Mães vai con­so­li­dar es­ta im­pres­são”, pro­je­ta.

—FO­TO: JC FRAGOSO

CON­VI­TE. Vi­tri­nes na ci­da­de con­vi­dam pa­ra o con­su­mo com op­ções va­ri­a­das, mas mo­vi­men­to de­ve au­men­tar a par­tir da se­ma­na que vem

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.