Be­bês po­dem ser re­gis­tra­dos na pró­pria ci­da­de

O Diario do Norte do Parana - - PARANÁ - Agên­cia Es­ta­du­al pa­ra­na@odi­a­rio.com

Uma me­di­da pro­vi­só­ria pu­bli­ca­da no Diá­rio Ofi­ci­al da União au­to­ri­za que a na­tu­ra­li­da­de da cri­an­ça se­ja de­fi­ni­da no mo­men­to de re­gis­tro en­tre a ci­da­de de nas­ci­men­to ou a ci­da­de de re­si­dên­cia da mãe. Até en­tão, a lei per­mi­tia que a cer­ti­dão de nas­ci­men­to re­gis­tras­se ape­nas o lo­cal on­de ocor­reu o par­to do be­bê.

A Me­di­da Pro­vi­só­ria 776/2017 aten­de a um pe­di­do de mu­ni­cí­pi­os que não pos­su­em ma­ter­ni­da­des e, a par­tir de ago­ra, po­de­rão re­gis­trar na­ti­vos de su­as lo­ca­li­da­des. No Pa­ra­ná, por exem­plo, dos 399 mu­ni­cí­pi­os, 105 pos­su­em ser­vi­ços de par­to pe­lo Sis­te­ma Úni­co de Saú­de (SUS).

“Até en­tão, por for­ça de lei, os pais eram obri­ga­dos a re­gis­trar os fi­lhos na ci­da­de de nas­ci­men­to, ou se­ja, nos mu­ni­cí­pi­os que con­tam com ma­ter­ni­da­des. Ago­ra, eles tam­bém po­dem op­tar por re­gis­trar as cri­an­ças na ci­da­de on­de a fa­mí­lia mo­ra, o que não era per­mi­ti­do”, ex­pli­cou o mi­nis­tro da Saú­de, Ri­car­do Bar­ros.

“Nem to­dos os nos­sos mu- ni­cí­pi­os têm ca­pa­ci­da­de de ge­rir gran­des equi­pes de saú­de. En­tão, a ges­tan­te de­ve ser aten­di­da em um lo­cal que ga­ran­ta uma as­sis­tên­cia ade­qua­da. Mas, não por is­so, as ci­da­des de­vem fi­car sem re­gis­tros de nas­ci­men­to em su­as lo­ca­li­da­des. A al­te­ra­ção des­se é um be­ne­fí­cio pa­ra as fa­mí­li­as que de­se­jam que es­se re­gis­tro se­ja fei­to no lo­cal em que a cri­an­ça irá re­si­dir”, co­men­ta o se­cre­tá­rio de Es­ta­do da Saú­de do Pa­ra­ná, Mi­che­le Ca­pu­to Ne­to.

Ca­ro­li­na, fi­lha da ad­mi­nis­tra­do­ra Ales­san­dra Vi­a­pi­a­na, nas­ceu no dia 12 de abril des­te ano. Por ser uma gravidez de al­to ris­co, a mo­ra­do­ra de Pa­to Bran­co pre­ci­sou ter seu par­to re­a­li­za­do em Cu­ri­ti­ba. “Aca­bei fa­zen­do o re­gis­tro de­la co­mo nas­ci­da na ca­pi­tal mes­mo, mas gos­ta­ria mui­to que mi­nha fi­lha ti­ves­se a ci­da­de em que mo­ra­mos na iden­ti­da­de”, con­ta a mãe.

De acor­do com o Go­ver­no Fe­de­ral, a de­ci­são tam­bém vai fa­ci­li­tar o con­tro­le da na­ta­li­da­de com o le­van­ta­men­to mais se­gu­ro dos da­dos po­pu­la­ci­o­nais de ca­da mu­ni­cí­pio do país. As in­for­ma­ções tam­bém vão fa­ci­li­tar o de­sen­vol­vi­men­to de ações e po­lí­ti­cas pú­bli­cas da área de saú­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.