Pro­je­to mi­ra mais se­gu­ran­ça aos pas­sa­gei­ros

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Pau­li­ne Al­mei­da ma­rin­ga@odi­a­rio.com

Ho­mens­po­dem­ga­nhar di­rei­to­de­de­sem­bar­car­dos ôni­bus­fo­ra­dos­pon­tos,apó­sas 22h.Be­ne­fí­ci­o­jáes­tá­pre­vis­to em­lei­pa­ra­as­mu­lhe­res.

Usuá­ria do trans­por­te co­le­ti­vo, a se­cre­tá­ria Luana Cris­ti­na Sil­va, 20 anos, es­tu­da à noi­te e vol­ta tar­de pa­ra ca­sa. Com me­do de ser vítima de as­sal­tos, pe­de ao mo­to­ris­ta que pa­re mais per­to de sua re­si­dên­cia e ele, por cor­te­sia, aten­de. Po­rém, a gen­ti­le­za do con­du­tor de­ve­ria ser re­gra, já queu­ma­lei­mu­ni­ci­pal­san­ci­o­na­da em 2014 per­mi­te que as mu­lhe­res pos­sam de­sem­bar­car, de­pois das 22h, fo­ra dos pon­tos de ôni­bus­re­gu­la­men­ta­dos.

En­ca­be­ça­da pe­lo ve­re­a­dor Chi­co Cai­a­na (PTB) e pe­la ex­ve­re­a­do­ra Márcia So­crep­pa, a lei de 2014 tem o ob­je­ti­vo de mi­ni­mi­zar cri­mes con­tra mu­lhe­res, au­men­tan­do a se­gu­ran­ça das pas­sa­gei­ras que po­dem fi­car mais per­to de su­as ca­sas. Ago­ra, o be­ne­fí­cio po­de ser es­ten­di­do tam­bém aos ho­mens, se­gun­do o pro­je­to tam­bém de Cai­a­na, apro­va­do on­tem em pri­mei­ra dis­cus­são, por 14 vo­tos.

O ven­de­dor Fred Ro­gé­rio, 32, se­ria um dos be­ne­fi­ci­a­dos. O ôni­bus pas­sa em fren­te à sua ca­sa, mas ele pre­ci­sa an­dar mais por­que só po­de des­cer no pon­to. O por­tei­ro An­to­nio Ro­dri­gues de Souza, 62, tam­bém viu com bons olhos a no­va pro­pos­ta. “Têm lu­ga­res que são pe­ri­go­sos”, res­sal­tou. À es­pe­ra de sua li­nha na rua Jou­bert de Carvalho, a pro­fes­so­ra Li­dia da Mot­ta, 52, era uma das pou­cas que sa­bia so­bre a lei de 2014 e de­fen­deu a ne­ces­si­da­de de di­vul­ga­ção. “A mu­lher é mais frá­gil, is­so dá se­gu­ran­ça”, apon­tou.

O texto san­ci­o­na­do em 2014 de­ter­mi­na que a con­ces­si­o­ná­ria co­lo­que ade­si­vos den­tro dos veí­cu­los do trans­por­te co­le­ti­vo pa­ra in­for­mar o nú­me­ro e o con­teú­do da lei, o que não acon­te­ceu na prá­ti­ca. O ad­mi­nis­tra­dor exe­cu­ti­vo da TCCC, Ro­ber­to Ja­co­mel­li, ar­gu­men­tou que o Exe­cu­ti­vo não cum­priu o pa­pel de avi­sar a em­pre­sa e pac­tu­ar a obri­ga­to­ri­e­da­de. “Não bas­ta ter a lei, co­mo vou sa­ber se tem a lei?”, ques­ti­o­nou.

Ele de­cla­rou que os mo­to­ris­tas já têm o cos­tu­me de aten­der os pe­di­dos das mu­lhe­res por res­pei­to e não vê pro­ble­mas na am­pli­a­ção do di­rei­to pa­ra os ho­mens, já que o flu­xo de trân­si­to e pas­sa­gei­ros após as 22h é pe­que­no.

Já o se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de Mobilidade Urbana, Gil­ber­to Pur­pur, de­cla­rou que o Exe­cu­ti­vo não se opõe à al­te­ra­ção, mas se pre­o­cu­pa com o cum­pri­men­to das nor­mas de trân­si­to. “Va­mos su­por que o es­ta­ci­o­na­men­to es­tá to­ma­do e o pas­sa­gei­ro quer des­cer, o ôni­bus pa­ra no meio da via e obs­trui o trân­si­to, is­so é uma in­fra­ção.”

Ques­ti­o­na­do so­bre a fal­ta de ade­si­vos co­mu­ni­can­do a re­gra já exis­ten­te, o se­cre­tá­rio de­cla­rou que exis­tem mui­tas leis, o que di­fi­cul­ta a dis­se­mi­na­ção. “Se for co­lo­car to­das, vai dar um qua­dro­de1x1­me­tro”,iro­ni­zou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.