Mor­re Aloy­sio Bar­ros, pi­o­nei­ro do rádio na re­gião

O Diario do Norte do Parana - - PARANÁ - Luiz de Carvalho pa­ra­na@odi­a­rio.com

Aloy­sio so­freu um in­far­to on­tem de ma­nhã; cor­po es­tá sen­do ve­la­do na Ca­pe­la do Pre­ver em No­va Es­pe­ran­ça, ci­da­de on­de se­rá se­pul­ta­do ho­je, às 9h30 Em­pre­sá­rio é fun­da­dor do Gru­po Ma­rin­gá de Co­mu­ni­ca­ção

Se­rá se­pul­ta­do ho­je, às 9h30, no Ce­mi­té­rio Mu­ni­ci­pal de No­va Es­pe­ran­ça, o cor­po do em­pre­sá­rio e pe­cu­a­ris­ta Aloy­sio Raphael Bar­ros, fun­da­dor do Gru­po Ma­rin­gá de Co­mu­ni­ca­ção, for­ma­do pe­las rá­di­os Ma­rin­gá FM, CBN Ma­rin­gá e Mix Ma­rin­gá, e um dos pri­mei­ros ra­di­a­lis­tas do no­ro­es­te pa­ra­na­en­se. Bar­ros mor­reu na ma­nhã de on­tem após so­frer um in­far­to. O cor­po es­tá sen­do ve­la­do na ca­pe­la do Pre­ver em No­va Es­pe­ran­ça. Aloy­sio es­tá re­ce­ben­do ho­me­na­gens de mui­tos dos ami­gos que o pi­o­nei­ro dei­xa na ci­da­de, on­de pas­sou a mo­rar des­de o fi­nal dos anos 60, quan­do com­prou a Rádio So­ci­e­da­de No­va Es­pe­ran­ça.

Aloy­sio é de fa­mí­lia de pi­o­nei­ros de Ma­rin­gá. A fa­mí­lia mi­nei­ra da pe­que­na ci­da­de de Aiu­ru­o­ca, na Ser­ra da Man­ti­quei­ra, che­gou no fi­nal da dé­ca­da de 1940, quan­do o mu­ni­cí­pio ain­da es­ta­va em pro­ces­so de for­ma­ção. Seu ir­mão Sil­vio Bar­ros I foi um dos pri­mei­ros po­lí­ti­cos da ci­da­de, on­de foi ve­re­a­dor, de­pois aca­bou elei­to de­pu­ta­do es­ta­du­al, de­pu­ta­do fe­de­ral e prefeito. Dois de seus so­bri­nhos, Sil­vio e Ri­car­do Bar­ros, her­da­ram a veia po­lí­ti­ca do pai.

Aloy­sio foi pi­o­nei­ro na ra­di­o­fo­nia, mas co­mo fun­ci­o­ná­rio. Ele era um ra­paz de 18 anos quan­do o em­pre­sá­rio Sa­mu­el Sil­vei­ra ins­ta­lou a Rádio Cul­tu­ra de Ma­rin­gá e se tor­nou um dos pri­mei­ros fun­ci­o­ná­ri­os. “A gen­te fa­zia de tu­do. Ti­nha que var­rer, li­ga­va o gerador – por­que a ci­da­de ain­da não ti­nha luz elé­tri­ca – e de­pois ain­da fa­zia lo- cu­ção”, con­ta­va sem­pre.

De­pois de anos na Rádio Cul­tu­ra, Aloy­sio saiu, mon­tou uma lo­ja, ga­nhou di­nhei­ro e vol­tou à ra­di­o­fo­nia, só que ago­ra co­mo pro­pri­e­tá­rio da Rádio So­ci­e­da­de No­va Es­pe­ran­ça. Mais tar­de com­prou, do gru­po de Sa­mu­el Sil­vei­ra, a Rádio Jor­nal de Ma­rin­gá, ho­je Rádio No­va In­gá/Pin­ga Fo­go, que ser­viu de ba­se pa­ra a cri­a­ção do Gru­po Ma­rin­gá de Co­mu­ni­ca­ção, que foi um dos pi­o­nei­ros no Bra­sil em trans­mis­são em Frequên­ci­as Mo­du­la­das (FM).

“As rá­di­os do gru­po são cam­peãs de au­di­ên­cia em Ma­rin­gá e re­gião gra­ças ao tra­ba­lho que meus fi­lhos Mar­cos e Ale­xan­dre es­tão fa­zen­do na di­re­ção”, con­ta­va. En­quan­to os fi­lhos mo­der­ni­za­vam a em­pre­sa, Aloy­sio pre­fe­riu ati­vi­da­des mais con­di­zen­tes com sua ida­de, co­mo a pe­cuá­ria, che­gan­do a ser pro­pri­e­tá­rio de um con­cei­tu­a­do ha­ras em No­va Es­pe­ran­ça, on­de se de­di­ca­va à cri­a­ção de ca­va­los de ra­ça. “Fi­co mui­to tris­te com a mor­te do Aloy­sio, que foi um gran­de ami­go meu e que mui­to me aju­dou no pas­sa­do”, la­men­tou on­tem o jor­na­lis­ta Fran­klin Vi­ei­ra da Sil­va, pre­si­den­te do Gru­po O Diá­rio. “Um pi­o­nei­ro le­gí­ti­mo, a quem a ra­di­o­fo­nia da re­gião­de­ve­mui­to.”

Aloy­sio foi ca­sa­do com Nei­da, mãe dos fi­lhos Mar­cos, Ale­xan­dre e Andreia, e com Ge­ni, sua com­pa­nhei­ra há 25 anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.