VI­NHO

O Diario do Norte do Parana - - GERAL -

Na­da mais tra­di­ci­o­nal en­tre ita­li­a­nos que o Vin San­to, um vi­nho do­ce pro­du­zi­do na Tos­ca­na cu­jas ori­gens re­mo­tas o as­so­ci­am a ele­men­tos re­li­gi­o­sos. Cos­tu­me é ser­vi-lo acom­pa­nha­do de um bis­coi­to clás­si­co: o can­tuc­ci

O Vin San­to (ou Vi­no San­to) é uma das mui­tas tra­di­ções ita­li­a­nas de ori­gem in­cer­ta. De cer­to mes­mo é que nas­ceu na Tos­ca­na. Do­ce, se­ria ser­vi­do às cri­an­ças na ho­ra da co­mu­nhão, daí o ter­mo ‘san­to’ as­so­ci­a­do à be­bi­da. Tam­bém te­ria si­do usa­do pa­ra tra­tar en­fer­mos, ga­nhan­do a fa­ma de mi­la­gro­so. Mas is­so são te­o­ri­as, as­sim co­mo tan­tas ou­tras que ron­dam o vi­nho. De con­cre­to mes­mo é que o vi­nho é lar­ga­men­te pro­du­zi­do na Tos­ca­na, on­de é ser­vi­do com can­tuc­ci, um tí­pi­co bis­coi­to de amên­doa.

A ela­bo­ra­ção do vi­nho se­gue re­gras bá­si­cas, com as uvas pas­san­do pe­lo pro­ces­so de se­ca­gem e ‘apas­si­men­to’ após ser co­lhi­das, quan­do fi­cam ex­pos­tas ao sol pa­ra mur­char e con­cen­trar açú­car. De­pois dis­so, a uva é pren­sa­da e o mos­to fi­ca de­po­si­ta­do em bar­ri­cas por até três anos (ou mais de uma dé­ca­da, co­mo pre­fe­rem al­guns pro­du­to­res). Ape­sar de tra­di­ci­o­nal­men­te ser um vi­nho do­ce, o Vin San­to tam­bém po­de ser se­co, num es­ti­lo pa­re­ci­do com o Je­rez Fi­no. Po­dem ain­da ser for­ti­fi­ca­do com a adi­ção de aguar­den­te ví­ni­ca.

O vi­nho é pro­du­zi­do ba­si­ca­men­te com as va­ri­e­da­des bran­cas Mal­va­sia e treb­bi­a­no, mas tam­bém é usa­da a tin­ta san­gi­o­ve­se. Im­por­tan­te: os ita­li­a­nos não têm ex­clu­si­vi­da­de so­bre o vi­nho, tam­bém pro­du­zi­do na Gré­cia por pro­ces­so se­me­lhan­te, com a di­fe­ren­ça que as uvas per­ma­ne­cem­na­vi­dei­ra­pa­ra­ob­te­rem o má­xi­mo de ma­tu­ra­ção. A exem­plo do ita­li­a­no, o vi­nho gre­go en­ve­lhe­ce até três anos em bar­ri­cas, mas cui­dan­do pa­ra que oxi­dem pou­co. En­tre os gre­gos, o vi­nho tam­bém cum­pre uma san­ta mis­são, sen­do con­si­de­ra­doum­vi­nho­de­me­di­ta­ção.

His­to­ri­a­do­res acre­di­tam que os vi­nhos do­ces fo­ram os pri­mei­ros a en­cher ta­ças. Há in­dí­ci­os de que a be­bi­da já era co­nhe­ci­da na Ida­de Mé­dia. Na Ro­ma An­ti­ga, por exem­plo, os vi­nhos eram ela­bo­ra­dos pro­po­si­tal­men­te do­ces pa­ra ren­der mais, com a adi­ção de água. Su­põe-se que nas pas­sa­gens bí­bli­cas, quan­do se adi­ci­o­na água ao vi­nho, a in­ten­ção é ame­ni­zar sua do­çu­ra e o te­or al­coó­li­co. No sé­cu­lo 18, con­su­mir vi­nhos do­ces era sinô­ni­mo de sta­tus so­ci­al. Tan­to que a re­a­le­za eu­ro­peia se far­ta­va com pro­du­tos ita­li­a­nos, fran­ce­ses e hún­ga­ros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.