Pa­blo Or­tel­la­do

“Bra­sil tem mer­ca­do de no­tí­ci­as mui­to con­cor­ri­do”

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Pau­li­ne Al­mei­da ma­rin­ga@odi­a­rio.com

Uma pes­qui­sa do Ins­ti­tu­to Gal­lup em 131 paí­ses le­van­ta um gra­ve pro­ble­ma. A gu­er­ra de no­tí­ci­as fal­sas tem pre­ju­di­ca­do os pro­ces­sos elei­to­rais em paí­ses de­mo­crá­ti­cos, fa­vo­re­cen­do o for­ta­le­ci­men­to de re­gi­mes re­pres­so­res. Nes­se con­tex­to, a im­pren­sa sur­ge com o de­sa­fio de usar sua cre­di­bi­li­da­de pa­ra ga­ran­tir o plu­ra­lis­mo e uma co­ber­tu­ra ba­se­a­da em fa­tos.

No Bra­sil, as no­tí­ci­as fal­sas se in­se­rem em um pro­ces­so de po­la­ri­za­ção po­lí­ti­ca, se­gun­do o fi­ló­so­fo e pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo Pa­blo Or­tel­la­do, que par­ti­ci­pou de um even­to na UEM. Seu pró­prio pro­je­to Mo­ni­tor do De­ba­te Po­lí­ti­co no Meio Di­gi­tal foi ví­ti­ma das fa­ke news. Uma ma­té­ria atri­buiu ao gru­po um ran­king dos dez si­tes mais men­ti­ro­sos, po­rém, não pas­sa­va de um bo­a­to. Ela al­can­çou 8 mi­lhões de pes­so­as en­quan­to a no­ta des­men­tin­do o ca­so, ape­nas 40 mil.

P.—Oque­te­mob­ser­va­do­pe­lo Mo­ni­tor­doDe­ba­tePo­lí­ti­co? R.—

A gen­te vê es­sa di­nâ­mi­ca do com­par­ti­lha­men­to de no­tí­ci­as fal­sas co­mo um des­do­bra­men­to do cli­ma de po­la­ri­za­ção po­lí­ti­ca, o que ex­pli­ca du­as coi­sas. Pri­mei­ro, que a so­ci­e­da­de es­tá mui­to di­vi­di­da, se­gun­do, uma di­nâ­mi­ca de con­su­mo de no­tí­cia que pas­sa por re­des so­ci­ais. Vo­cê vê o que os ami­gos com­par­ti­lha­ram dos veí­cu­los.

P.—Pa­re­ce­que­as­pes­so­as es­tão­mais­pre­o­cu­pa­da­sem con­fir­ma­ra­pró­pri­a­o­pi­nião do­que­sa­ber­se­ain­for­ma­çãoé ver­da­dei­ra. R.—

Tem aí o viés da con­fir­ma­ção, um fenô­me­no psi­co­ló­gi­co que a gen­te acre­di­ta em men­ti­ras, não du­vi­da das coi­sas que con­fir­mam aqui­lo que a gen­te já acre­di­ta. Vo­cê vê pes­so­as al­ta­men­te es­co­la­ri­za­das, elas fa­lam que a Dil­ma fez coi­sas ab­sur­das, trou­xe 50 mil hai­ti­a­nos pa­ra vo­tar ne­la. Re­ce­bem e pas­sam adi­an­te, is­so inun­da o sis­te­ma de co­mu­ni­ca­ção di­gi­tal e for­ma um con­sen­so na so­ci­e­da­de de uma coi­sa fla­gran­te­men­te fal­sa. Do ou­tro la­do tam­bém, as pes­so­as acham que o Sér­gio Mo­ro é fi­li­a­do ao PSDB.

P.—Es­se­nãoéum­fenô­me­no de­es­quer­da­ou­de­di­rei­ta,mas de­am­bo­sos­la­dos? R.—

Os dois cam­pos es­tão con­su­min­do no­tí­cia ruim. Na es­quer­da, um dos veí­cu­los pe­gou e dis­se que o pre­si­den­te do Ban­co Mun­di­al te­ria da­do um en­tre­vis­ta cri­ti­can­do as po­lí­ti­cas so­ci­ais do go­ver­no Te­mer. Era fal­so. A gen­te me­diu is­so e fo­ram mais de 150 mil com­par­ti­lha­men­tos. Dis­se­mi­na-se a tal pon­to que a gen­te se sen­te im­po­ten­te de ir no con­tra­flu­xo por­que o des­men­tir não tem a mes­ma for­ça. O pro­ble­ma não é quem es­tá fa­zen­do, so­mos nós que es­ta­mos com­par­ti­lhan­do.

P.—Aim­pren­sa­es­tá pre­o­cu­pa­da­co­mo­se­fei­tos das­no­tí­ci­as­fal­sa­se­lan­çou cam­pa­nhas­pa­ra­com­ba­tê­las,co­mo­fe­zaAs­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal­dosJor­nais.Qu­a­lo pa­pel­daim­pren­sa? R.—

A gen­te já men­su­rou vá­ri­as ve­zes a ade­são aos bo­a­tos. As pes­so­as acre­di­tam em coi­sas ina­cre­di­ta­vel­men­te fal­sas. Por exem­plo, a gen­te con­ver­sou com ma­ni­fes­tan­tes a fa­vor do im­pe­a­ch­ment e mais de 70% de­les acre­di­ta­vam que o Lu­li­nha era só­cio da Fri­boi. São coi­sas ob­vi­a­men­te fal­sas que che­gam aos jor­na­lis­tas. As coi­sas ob­vi­a­men­te fal­sas, eles re­jei­ta­ram, e as es­pe­cu­la­ti­vas, vá­ri­os de­les apu­ra­ram e des­co­bri­ram que eram fal­sas. O que fi­ze­ram? Na­da, por­que no­tí­cia fal­sa não se pu­bli­ca. Só que es­sas no­tí­ci­as con­ti­nu­a­ram cir­cu­lan­do pe­las mí­di­as so­ci­ais. As pes­so­as acre­di­tam, olham pa­ra as mí­di­as tra­di­ci­o­nais e di­zem: ‘tá ven­do, is­so a mí­dia não mos­tra”. Por is­so, eu acre­di­to que a ati­tu­de dos mei­os de­ve mu­dar pa­ra co­brir os fa­tos, por­que se­não pa­re­ce que es­tão es­con­den­do.

P.— Co­mo ex­pli­car que, qu­an­to mais os po­lí­ti­cos de­cep­ci­o­nam os elei­to­res, mais apai­xo­na­dos fi­cam os de­ba­tes? R.—

É uma si­tu­a­ção pa­ra­do­xal. Ho­je, a gen­te tem dois cam­pos, um é an­ti­pe­tis­ta, mais am­plo que a di­rei­ta, e o ou­tro é a es­quer­da. O cam­po an­ti­pe­tis­ta é mui­to des­cren­te dos po­lí­ti­cos, mas a es­quer­da, não. É uma po­la­ri­za­ção no qual ca­da um se opõe ao fan­tas­ma do ou­tro. O an­ti­pe­tis­mo vê o PT co­mo o cam­po da cor­rup­ção. A es­quer­da se vê co­mo quem de­fen­de as con­quis­tas so­ci­ais e vê o ou­tro fin­gin­do com­ba­ter a cor­rup­ção, mas, na ver­da­de, de­fen­den­do pri­vi­lé­gi­os so­ci­ais. É uma es­pé­cie de jo­go de es­pe­lhos de ima­gens dis­tor­ci­das.

P.—Co­mo­des­con­fi­a­re des­mas­ca­rar­no­tí­ci­as­fal­sas? R.—

O Bra­sil tem um mer­ca­do de no­tí­ci­as mui­to con­cor­ri­do. Ho­je a gen­te ma­peia 120 veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção que pro­du­zem no­tí­ci­as na­ci­o­nais, são 3,5 mil ma­té­ri­as por dia. É um cam­po plu­ral e mui­to di­ver­so. Se vo­cê tem uma in­for­ma­ção bom­bás­ti­ca que apa­re­ce só em um veí­cu­lo, ela se­gu­ra­men­te é fal­sa. Por­que uma coi­sa que mu­da o en­ten­di­men­to do jo­go po­lí­ti­co, se for ver­da­dei­ra, vai ser ra­pi­da­men­te re­per­cu­ti­da por to­do mun­do. Além dis­so, va­le a pe­na ver de on­de vem a fon­te. A ma­té­ria pre­ci­sa se re­por­tar a al­gu­ma coi­sa, a in­for­ma­ção vem de on­de? De uma de­cla­ra­ção? De um do­cu­men­to? Por fim, tal­vez mais im­por­tan­te, as pes­so­as de­vem des­con­fi­ar de­las mes­mas. Quan­do a gen­te es­tá mui­to apai­xo­na­do, to­ma qual­quer coi­sa que cor­ro­bo­ra com aqui­lo que a gen­te pen­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.