Re­des so­ci­ais são pra­to cheio pa­ra no­tí­ci­as fal­sas

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Pau­li­ne Al­mei­da ma­rin­ga@odi­a­rio.com

Di­fe­ren­te da im­pren­sa, que só pu­bli­ca fa­tos, in­ter­net es­tá re­ple­ta de bo­a­tos Psi­có­lo­ga diz que com­por­ta­men­to re­fle­te co­mo a pes­soa é fo­ra da re­de

A do­na de ca­sa Fa­bi­a­ne Ma­ria de Je­sus, 33 anos, mor­reu após ser es­pan­ca­da por um gru­po de pes­so­as no Gu­a­ru­já, li­to­ral pau­lis­ta. Ela foi ví­ti­ma da in­ter­net, de um bo­a­to di­vul­ga­do nas re­des so­ci­ais de que se­ques­tra­va cri­an­ças pa­ra ri­tu­ais de ma­gia ne­gra. O ca­so é an­ti­go, de 2014, mas apon­ta um pro­ble­ma que se­gue. A in­ter­net não ace­le­rou ape­nas a ve­lo­ci­da­de da di­vul­ga­ção de in­for­ma­ções, mas tam­bém a in­ten­si­da­de com que osin­ter­nau­tas­re­a­ge­ma­e­las.

En­quan­to a im­pren­sa se pau­ta por fa­tos, do­cu­men­tos e fon­tes, as re­des so­ci­ais não im­põem a ne­ces­si­da­de da éti­ca. No em­ba­te en­tre no­tí­cia e bo­a­to, o se­gun­do tem saí­do vi­to­ri­o­so. No fim de abril, uma ar­qui­te­ta de Ma­rin­gá viu seu no­me ser usa­do em uma men­sa­gem de Whatsapp com a no­tí­cia de que da­ria ba­las en­ve­ne­na­das a cri­an­ças, no jo­go Ba­leia Azul. Na úl­ti­ma se­ma­na, sur­giu a men­sa­gem do de­sa­pa­re­ci­men­to de uma ga­ro­ti­nha de dez anos, in­clu­si­ve com o su­pos- toáu­di­o­do­pai­de­ses­pe­ra­do.

Tam­bém na re­gião, um ho­mem des­co­briu que sua fo­to es­ta­va sen­do usa­da em um fal­so car­taz de pro­cu­ra­do por pe­do­fi­lia. “Quan­do ele foi per­gun­tar por que a pes­soa es­ta­va fa­zen­do is­so, a pes­soa fa­lou que era ‘zo­ei­ra’ e ‘zo­ei­ra’ não tem li­mi­te. ‘Se não aguen­ta, não des­ce pro play’, foi is­so que ela fa­lou, co­mo se fos­se uma brin­ca­dei­ra, uma pi­a­da”, con­tou o ad­vo­ga­do es­pe­ci­a­lis­ta em in­ter­net Le­o­nar­do Pa­che­co.

Pa­ra o ad­vo­ga­do, as pes­so­as pre­ci­sam en­ten­der que o mun­do vir­tu­al não é des­co­la­do do con­cre­to. No­tí­ci­as di­vul­ga­das nas re­des so­ci­ais, tan­to fal­sas qu­an­to ver­da­dei­ras, têm se tor­na­do al­vos de pro­ces­sos de cri­mes con­tra hon­ra, da­nos mo­rais, ame­a­ças, vin­gan­ça e per­se­gui­ção. “Pu­ne-se a con­du­ta in­de­pen­den­te­do­mé­to­do”,re­for­çou.

Nem sem­pre as fa­ke news são aber­ta­men­te pe­ri­go­sas, por ve­zes se pintam de fo­fas, co­mo men­sa­gens de au­to­a­ju­da que apa­re­cem com a as­si­na­tu­ra do pa­pa Fran­cis­co, mas que per­ten­cem a ou­tros au­to­res. O pon­tí­fi­ce é uma das fi­gu­ras mais mi- ra­das pe­los cri­a­do­res de men­ti­ras, se­ja pa­ra ele­vá-lo ou cri­ti­cá-lo. Re­cen­te­men­te, no­ti­ci­a­ram que ele pas­sa­va pe­la se­gun­da cirurgia em um mês, o que não se con­fir­mou.

Qu­an­to mais co­nhe­ci­da é uma pes­soa, mais bo­a­tos apa­re­cem so­bre ela, vi­de Dil­ma Rous­seff, Lu­la, Mi­chel Te­mer e Jair Bol­so­na­ro. A po­lí­ti­ca é o cam­po pre­fe­ren­ci­al das fa­ke news, por is­so, é co­mum ver no­tí­ci­as es­tron­do­sas, mas men­ti­ro­sas, so­bre seus­prin­ci­pais­no­mes.Va­le­lem­brar que, na se­ma­na do im­pe­a­ch­ment da ex-pre­si­den­te Dil­ma, das cin­co ma­té­ri­as mais com­par­ti­lha­das, três eram fal­sas, se­gun­do le­van­ta­men­to do Mo­ni­tor do De­ba­te Po­lí­ti­co da Uni­ver­si­da­de­deSãoPau­lo.

Ovir­tu­a­lé­re­al

Pa­ra a pro­fes­so­ra dou­to­ra do de­par­ta­men­to de Psi­co­lo­gia da Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Ma­rin­gá, Vâ­nia Sant’Ana, o com­par­ti­lha­men­to de no­tí­ci­as fal­sas não é ino­cen­te, mas um ato de­li­be­ra­do, que bus­ca be­ne­fi­ci­ar al­guém. Se­gun­do a psi­có­lo­ga, co­mo a in­ter­net traz um dis­tan­ci­a­men­to apa­ren­te do mun­do con­cre­to, os in­ter­nau­tas per­dem as amar­ras e fa­zem coi­sas que não fa­ri­am fo­ra do com­pu­ta­dor, sem ava­li­ar cor­re­ta­men­te as con­sequên­ci­as.

“Eu sem­pre pen­so que o am­bi­en­te vir­tu­al é có­pia do re­al. Aqui­lo que vo­cê faz no am­bi­en­te vir­tu­al é uma amos­tra do seu com­por­ta­men­to no mun­do re­al, tal­vez de ma­nei­ra mais dis­si­mu­la­da e su­til. O que exis­te é um des­pre­pa­ro das pes­so­as de li­da­rem com as emo­ções, um amor­te­ci­men­to tan­to do sen­so crí­ti­co qu­an­to do co­le­ti­vo”, co­lo­cou.

Cen­tra­das na­qui­lo que pen­sam e de­fen­dem, se­gun­do Vâ­nia, as pes­so­as es­que­cem do efei­to so­bre a co­le­ti­vi­da­de, por is­so, o bom­bar­deio de no­tí­ci­as fal­sas sem culpa, já que a pre­o­cu­pa­ção é com a opi­nião pró­pria. “Se to­dos fos­sem cons­ci­en­tes de que é pre­ci­so tra­tar o ou­tro com res­pei­to, em­pa­tia e de­cên­cia, a gen­te não te­ria es­se pro­ble­ma”, ava­li­ou.

Se­ja pe­los va­lo­res apon­ta­dos pe­la psi­có­lo­ga ou pe­la con­sequên­cia ju­rí­di­ca apre­sen­ta­da pe­lo ad­vo­ga­do, o em­ba­te en­tre no­tí­cia e bo­a­to pre­ci­sa de ou­tro re­sul­ta­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.