Vi­de­o­ga­me

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Re­na­to Cro­zat­ti cro­zat­ti@odi­a­rio.com

Mu­seu do Vi­de­o­ga­me Iti­ne­ran­te es­tá na Expoingá São mais de 300 con­so­les ex­pos­tos e pa­ra jo­gar

Vi­de­o­ga­me é ar­te ou ape­nas en­tre­te­ni­men­to? Es­te é um te­ma que há mui­to aca­len­ta dis­cus­sões, ain­da mais de­pois que o pres­ti­gi­a­do Mu­seu da Ar­te Mo­der­na (Mo­ma), de No­va York, abriu um es­pa­ço pa­ra uma ex­po­si­ção ar­tís­ti­ca fo­ca­da nos ga­mes em 2012.

EmMa­rin­gá,oMu­seu­doVi­de­o­ga­me Iti­ne­ran­te che­gou e per­ma­ne­ce­rá com uma “ex­po­si­ção de ar­te de vi­de­o­ga­mes” du­ran­te to­dos os di­as da 45ª edi­ção da Expoingá, no Par­que In­ter­na­ci­o­nal de Ex­po­si­ções Fran­cis­co Feio Ri­bei­ro. Os vi­si­tan­tes da fei­ra po­de­rão con­fe­rir, gra­tui­ta­men­te, mais de 300 con­so­les à mos­tra e 30 dis­po­ní­veis pa­ra jo­gar, além de re­ce­be­rem au­la so­bre a his­tó­ri­a­dos45a­nos­dos­ga­mes.Aa­ber­tu­ra do mu­seu acon­te­ceu na úl­ti­ma quin­ta-fei­ra. A fei­ra ter­mi­na dia 14.

Ata­ri, “Nin­ten­di­nho”, Mas­ter Sys­tem, Me­ga Dri­ve e Su­per Nin­ten­do são ape­nas al­guns con­so­les clás­si­cos que es­ta­rão dis­po­ní­veis pa­ra a jo­ga­ti­na, com uma pro­mes­sa de nos­tal­gia aos mais ve­lhos e um pri­mei­ro con­ta­to com es­sas “re­lí­qui­as” aos mais no­vos. Os mais re­cen­tes po­de­rão ser jo­ga­dos, co­mo os atu­ais Wii U, Xbox One e Plays­ta­ti­on 4. Es­se úl­ti­mo, aliás, con­ta­rá com um ócu­los de re­a­li­da­de vir­tu­al, o Plays­ta­ti­on VR. Uma no­vi­da­de es­te ano é que o Swit­ch, no­vo da Nin­ten­do e que ain­da não foi lan­ça­do ofi­ci­al­men­te no Bra­sil, es­ta­rá dis­po­ní­vel pa­ra que to­dos pos­sam jo­gar.

Ou­tras atra­ções ain­da in­clu­em um pal­co de dan­ça com o ga­me “Just Dan­ce”, um des­fi­le de cos­play (ati­vi­da­de em que as pes­so­as se fan­ta­si­am co­mo per­so­na­gens de ga­mes e ani­ma­ções ja­po­ne­sas) e um cock­pit Os ho­rá­ri­os pa­ra vi­si­ta­ção du­ran­te a se­ma­na são das 14h às 23h, e fim de se­ma­na e fe­ri­a­dos, das 11h30 às 23h30. com o ga­me Dri­ve Club, do PS4.

Es­sa é a pri­mei­ra vez que o Mu­seu do Vi­de­o­ga­me Iti­ne­ran­te vem pa­ra Ma­rin­gá. Cri­a­do há 5 anos pe­lo jor­na­lis­ta e cu­ra­dor Cleid­son Li­ma, o mu­seu não tem uma se­de fi­xa, pas­san­do por ci­da­des de to­do o Bra­sil. Se­gun­do o cu­ra­dor, há uma mé­dia de 5 mi­lhões de vi­si­tan­tes to­do ano e na Expoingá es­pe­ra-se um pú­bli­co re­cor­de. “O es­pa­ço fi­cou fan­tás­ti­co! Vi­e­mos com for­ça to­tal pa­ra Ma­rin­gá. Trou­xe­mos o acervo in­tei­ro e quem nos visitar po­de­rá con­fe­rir tu­do o que te­mos”, con­vi­da Cleid­son.

Ape­sar de vi­de­o­ga­me e uma fei­ra agro­pe­cuá­ria não te­rem mui­to a ver, Cleid­son afir­ma que a pre­sen­ça do mu­seu na Expoingá é uma for­ma de tra­zer um pú­bli­co que nor­mal­men­te não iria ao even­to. “Em ou­tras fei­ras em que com­pa­re­ce­mos, per­ce­be­mos que os jo­vens es­ta­vam pa­ran­do de ir. Quan­do le­va­mos o mu­seu pa­ra uma ci­da­de, atraí­mos o pú­bli­co jo­vem, pais e ami­gos. Mes­mo com ida­des di­fe­ren­tes e até os mais ve­lhos po­dem se di­ver­tir e con­fe­rir as ou­tras atra­ções da fei­ra”, diz.

No lan­ça­men­to de “Sem Pa­la­vras”, no úl­ti­mo dia 24, o jor­na­lis­ta Le­o­nar­do Vi­nhas ex­pli­cou um dos mo­ti­vos de ter con­ce­bi­do e or­ga­ni­za­do o pro­je­to: “Não é por­que não tem le­tra que a composição dei­xa de ser rock, reg­gae, cha­ca­re­ra ou se­ja lá qual for o es­ti­lo. É ape­nas uma op­ção de dis­pen­sar a le­tra”.

Nas 12 can­ções, as pa­la­vras de Vi­nhas fi­cam ain­da mais cla­ras. Com di­ver­sos gê­ne­ros, dez ar­tis­tas bra­si­lei­ros e um ar­gen­ti­no fi­ze­ram re­lei­tu­ras de mú­si­cas im­por­tan­tes pa­ra a car­rei­ra de ca­da um. Vai de Ro­ber­to Car­los a Black Sab­bath, de As­tor Pi­az­zol­la a Iron Mai­den.

Du­du Vic­tor, gui­tar­ris­ta da ban­da Ter­re­mo­tor, de Umu­a­ra­ma, com­ple­men­tou: “Sen­do ins­tru­men­tal, não exis­tem fron­tei­ras. O que va­le é o sen­ti­men­to. Qual­quer um, em qual­quer lu­gar do mun­do, po­de sen­tir es­sa mú­si­ca”.

A ban­da umu­a­ra­men­se par­ti­ci­pou do pro­je­to com a can­ção “Ba­ja”, ori­gi­nal­men­te gra­va­da pe­los As­tro­nauts e com­pos­ta por Lee Haz­lewo­od. Ou­tros pa­ra­na­en­ses pre­sen­tes no dis­co são os cu­ri­ti­ba­nos da ruí­do/mm, com “Bu­e­nos Ai­res, Ho­ra Ce­ro”, de As­tor Pi­az­zol­la.

“Sem Pa­la­vras” foi lan­ça­do pe­lo se­lo Scre­am&Yell e es­tá dis­po­ní­vel pa­ra down­lo­ad gra­tui­to no si­te www.scre­amyell.com.br.

O ca­ri­o­ca Zé Bi­go­de veio dar mais pe­so às pa­la­vras de Vi­nhas e Vic­tor com o lan­ça­men­to do se­gun­do tra­ba­lho da car­rei­ra, na úl­ti­ma quar­ta-fei­ra. De­pois do EP homô­ni­mo do ano pas­sa­do, Bi­go­de nos traz o ál­bum “Flu­xo”, dis­po­ní­vel no Band­camp e Spo­tify.

As in­fluên­ci­as das oi­to mú­si­cas que in­te­gram o dis­co vão de Mi­les Da­vis a Bai­a­na Sys­tem, Her­bie Han­cock a Na­ção Zum­bi, Ka­ma­si Washing­ton a Me­tá Me­tá. O jazz, o sam­ba, o afro­be­at, o man­gue be­at e to­da a bra­si­li­da­de em ple­na har­mo­nia. Ex­ce­to pe­la can­ção “Ma­ri­ju­a­na, Mon’ Amour”, do flau­tis­ta Fer­nan­do Gri­lo, to­das as fai­xas fo­ram com­pos­tas pe­lo pró­prio Bi­go­de.

O ál­bum foi gra­va­do ao vi­vo no Es­tú­dio Cia dos Téc­ni­cos, an­ti­go es­tú­dio da RCA, em Co­pa­ca­ba­na, lo­cal on­de dis­cos me­mo­rá­veis da mú­si­ca bra­si­lei­ra já fo­ram con­ce­bi­dos. “Coi­sas” (Mo­a­cir San­tos) e “Tim Maia Ra­ci­o­nal” (Tim Maia) são dois be­los exem­plos. Quem sa­be “Flu­xo” não en­tra na lis­ta.

Se­pa­re 50 mi­nu­tos do dia, pre­pa­re a men­te, dê o play, en­tre no flu­xo e dei­xe que o ca­ri­o­ca Zé Bi­go­de to­que o res­to da vi­a­gem.

E pa­ra co­lo­car or­dem nes­sa fes­ta afô­ni­ca, um lan­ça­men­to “an­ti­go” da ban­da ca­ri­o­ca Ba­gun­ço. Dois be­los ál­buns lan­ça­dos no ano pas­sa­do, que po­dem ser bai­xa­dos gra­tui­ta­men­te no si­te do Mi­ni­es­té­reo da Con­tra­cul­tu­ra (mi­ni­es­te­reo.org). “Ca­os, Cos­mos & Da­mião: Ca­os” e “Ca­os, Cos­mos & Da­mião: Cos­mos”.

No Fa­ce­bo­ok eles se au­to­de­no­mi­nam “ban­da de rua, pal­co, ba­nhei­ro... Qual­quer lu­gar!”. E com­ple­men­tam, “se­ção rít­mi­co gro­o­vei­ra pa­ra dan­çar de to­dos os jei­tos, im­pro­vi­sa­ções dos so­pros chei­as de ener­gia, sem es­que­cer as par­ti­ci­pa­ções es­pe­ci­ais do pú­bli­co!” Uma be­la de uma bal­búr­dia pa­ra me­xer com os âni­mos e os qua­dris.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.