Em uma sa­la de au­la

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Re­ce­bi es­se tex­to via WhatsApp da ami­ga Cathe­ri­ne: “Um pro­fes­sor de eco­no­mia em uma uni­ver­si­da­de ame­ri­ca­na dis­se que (nun­ca??) ha­via re­pro­va­do uma clas­se in­tei­ra. Os alu­nos in­sis­ti­am que o socialismo fun­ci­o­na­va: com um go­ver­no as­sis­ten­ci­a­lis­ta in­ter­me­di­an­do a ri­que­za nin­guém se­ria po­bre e nin­guém se­ria ri­co, tu­do se­ria igua­li­tá­rio e jus­to. O pro­fes­sor en­tão dis­se: ‘Ok, va­mos fa­zer um ex­pe­ri­men­to so­ci­a­lis­ta nes­ta clas­se. Em vez de di­nhei­ro usa­re­mos su­as no­tas nas pro­vas. To­das as no­tas se­rão con­ce­di­das com ba­se na mé­dia da clas­se, e por­tan­to se­rão ‘jus­tas’. To­dos re­ce­be­rão as mes­mas no­tas, o que sig­ni­fi­ca que, em te­o­ria, nin­guém se­rá re­pro­va­do, as­sim co­mo tam­bém nin­guém re­ce­be­rá um 10.’ Após cal­cu­la­da a mé­dia da pri­mei­ra pro­va to­dos re­ce­be­ram 7. Quem es­tu­dou com de­di­ca­ção fi­cou in­dig­na­do, mas os alu­nos que não se es­for­ça­ram fi­ca­ram mui­to fe­li­zes com o re­sul­ta­do. Quan­do a se­gun­da pro­va foi apli­ca­da, os pre­gui­ço­sos es­tu­da­ram ain­da me­nos - eles es­pe­ra­vam ti­rar no­tas bo­as de qual­quer for­ma. Já aque­les que ti­nham es­tu­da­do bas­tan­te no iní­cio re­sol­ve­ram que eles tam­bém se apro­vei­ta­ri­am do trem da ale­gria. Co­mo re­sul­ta­do, a se­gun­da mé­dia das pro­vas foi 4. Nin­guém gos­tou. De­pois da ter­cei­ra pro­va, a mé­dia ge­ral foi 1. As no­tas não vol­ta­ram a pa­ta­ma­res mais al­tos e as de­sa­ven­ças en­tre os alu­nos e a bus­ca por cul­pa­dos pas­sa­ram a fa­zer par­te da at­mos­fe­ra da­que­la clas­se. A bus­ca por ‘jus­ti­ça’ ti­nha si­do a prin­ci­pal cau­sa das re­cla­ma­ções, mas o sen­so de in­jus­ti­ça ago­ra pas­sou a fa­zer par­te da­que­la tur­ma. No fi­nal das con­tas, nin­guém que­ria mais es­tu­dar pa­ra be­ne­fi­ci­ar o res­to da sa­la e to­dos re­pe­ti­ram aque­la dis­ci­pli­na.” Achei opor­tu­no com­par­ti­lhar es­sa men­sa­gem uma vez que há pou­co co­me­mo­rou-se o Dia do Tra­ba­lha­dor (1º de maio), da­ta que mar­ca a pri­mei­ra ma­ni­fes­ta­ção so­ci­a­lis­ta em Chi­ca­go, em 1886, jus­ta­men­te no ber­ço de capitalismo. Ten­ta­rei ago­ra ana­li­sar o tex­to, ci­en­te de que ne­nhu­ma exor­ta­ção es­co­las­ti­ca re­sol­ve­rá qual­quer po­si­ci­o­na­men­to ar­rai­ga­do. In­de­pen­den­te­men­te da ide­o­lo­gia, não se po­de con­si­de­rar a ex­pe­ri­ên­cia de uma sa­la de au­la, ho­mo­gê­nea e pe­que­na, co­mo um mo­de­lo de so­ci­e­da­de pa­ra va­li­dar uma te­o­ria. Em pri­mei­ro lu­gar, o que po­de um gru­po de dis­cen­tes, com ati­tu­des e opi­niões não for­ma­das (mas em ge­ral mais in­te­li­gen­tes), pro­pen­sos a se con­for­mar, e com re­la­ci­o­na­men­tos mui­to me­nos es­tá­veis, nos en­si­nar so­bre o que mo­ti­va o to­ma­dor de de­ci­são na vi­da re­al? Em se­gun­do lu­gar, a pró­pria fi­gu­ra do pro­fes­sor nes­sa his­tó­ria é con­tro­ver­sa. Os alu­nos não vi­ram que o ver­da­dei­ro fo­co do de­ba­te não é a pro­pri­e­da­de das no­tas, mas a sua au­to­no­mia co­mo agen­tes de pro­du­ção in­te­lec­tu­al. Ao am­bi­ci­o­nar a le­gi­ti­mi­da­de de­mo­crá- ti­ca e a igual­da­de, per­de­ram sua li­ber­da­de. Os alu­nos de­ve­ri­am ter ana­li­sa­do me­lhor dois as­pec­tos: a to­ma­da de de­ci­são e a re­pre­sen­ta­ção po­lí­ti­ca. Se a pri­mei­ra in­cli­na-se à cen­tra­li­za­ção, a plu­ra­li­da­de da ou­tra se tor­na ine­fi­caz. Quem de­cre­ta quais no­tas a dar é o pro­fes­sor não o co­le­ti­vo. Ele per­so­ni­fi­ca a cen­tra­li­za­ção do po­der, um con­cei­to me­du­lar e no­ci­vo em qual­quer de­ba­te po­lí­ti­co. Mas, a ho­mo­ge­nei­da­de (cor­po de es­tu­dan­tes) e o ta­ma­nho da co­mu­ni­da­de (uma sa­la pe­que­na) não le­va­ri­am a um in­te­res­se em co­mum, a uma cons­ci­ên­ti­za­ção co­le­ti­va de uma or­dem jus­ta? Nem sem­pre. O bem co­mum não se de­fi­ne ape­nas em be­ne­fí­ci­os ma­te­ri­ais, co­mo os de ti­rar bo­as no­tas na es­co­la, no exem­plo. Exis­tem di­fe­ren­ças de or­dem não-ma­te­ri­ais na et­nia, na re­li­gião, na lin­gua e ou­tros as­pec­tos que não po­de­mos ex­cluir pa­ra re­sol­ver as di­ver­gên­ci­as. Ali­as a pró­pria ex­pres­são – o bem co­mum – é uma no­ção com­pli­ca­da e o ter­mo é bem em­ble­má­ti­co dos dis­cur­sos po­lí­ti­cos em ge­ral on­de o pe­que­no ar­ti­go (‘o’), o subs­tan­ti­vo (‘bem’) e ain­da por ci­ma o ad­je­ti­vo (‘co­mum’) são a to­da a ho­ra con­tes­ta­dos. De­sis­tir do con­cei­to do bem co­mum, no en­tan­to, é ins­tau­rar de vez o pan­demô­nio e aí, sim, ne­nhum pro­fes­sor ou­sa­ria en­trar na clas­se. Es­sa his­tó­ria co­me­çou com o gru­po es­tu­dan­til se opon­do à de­si­gual dis­tri­bui­ção das ri­que­zas e ter­mi­nou com a igual dis­tri­bui­ção da mi­sé­ria das pon­tu­a­ções.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.