Eles são fi­gu­ras

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Mo­ra­do­res que são per­so­na­gens de uma ci­da­de sep­tu­a­ge­ná­ria Ju­a­rez, Jo­ba, Su­kury, Gau­chi­nho, Tia Ma­ria, Jimmy Hen­drix...

Jimmy Hen­drix, gui­tar­ris­ta ma­rin­ga­en­se. Ma­rin­gá é uma ci­da­de de gran­des per­so­na­gens. O 4º an­dar do Ho­tel De­vil­le, na Ave­ni­da Her­val, Zo­na 1, ser­ve de mo­ra­dia a um dos fi­gu­rões mais ex­cên­tri­cos. O mi­li­o­ná­rio Ju­a­rez Aran­tes, em vez de re­si­dir num apar­ta­men­to de fren­te pa­ra o mar do Le­blon ou no Al­to de Pi­nhei­ros, em São Pau­lo - cer­ca­do de gran­des res­tau­ran­tes -, pre­fe­re dor­mir em uma suí­te de 45 me­tros qua­dra­dos e, sem se­gu­ran­ça ou mo­to­ris­ta par­ti­cu­lar, te­men­do se­ques­tros e coi­sas do ti­po, guia seu Ford Del Rey pre­to an­ti­os­ten­ta­ção, um car­ro lan­ça­do no lon­gín­quo 1981, pe­las ru­as da ci­da­de.

Exí­mio pi­lo­to de avião, Ju­a­rez Aran­tes te­ria es­ca­pa­do da mor­te em­du­a­so­ca­siões,pro­ta­go­ni­zan­do no ar ma­no­bras mi­la­gro­sas, en­quan­to sua ae­ro­na­ve es­ta­va pres­tes a es­pa­ti­far no meio da Amazô­nia: a sal­va­ção sem­pre foi con­sa­gra­da me­nos a qual­quer fi­gu­ra di­vi­na do que a seus pro­fun­dos­co­nhe­ci­men­to­sa­e­ro­náu­ti­cos, fru­to dos tan­tos anos de exér­ci­to – nin­guém sa­be exa­ta­men­te on­de ele ser­viu nem por quan­to tem­po, mas is­so, se­gu­ra­men­te, foi an­tes de che­gar a Ma­rin­gá, fi­lho de uma fa­mí­lia po­bre que,só­mais­tar­de,de­pois­de­mui­tas noi­tes dor­mi­das den­tro de um­car­ro,jun­ta­ri­a­al­gum­di­nhei­ro com a ven­da de re­mé­di­os e en­ri­que­ce­ria após in­ves­tir em fa­zen­das­noTo­can­tins.

Na Pra­ça Ra­po­so Ta­va­res, Zo­na 1, há um apo­sen­ta­do de 91 anos que ga­ran­te ter fei­to di­ver­sas pre­ga­ções em in­glês, ale­mão, es­pa­nhol e gua­ra­ni - mes­mo sem ter apren­di­do nem pra­ti­ca­do ne­nhu­ma des­sas lín­guas em to­da a sua vi­da. Dis­cur­san­do re­li­gi­o­sa­men­te nas tar­des de se­gun­da e nos sá­ba­dos de ma­nhã, em meio a usuá­ri­os de crack, me­re­tri­zes oc­to­ge­ná­ri­as, tra­fi­can­tes, guar­das-ci­vis e em­pre­sá­ri­os, Luiz de Mo­ra­es me­re­ce­ria um es­tu­do pro­fun­do: que al­gum aca­dê­mi­co de Le­tras do dou­to­ra­do ou pós-dou­to­ra­do in­ves­ti­gue to­dos os de­ta­lhes des­se sur­pre­en­den­te mi­la­gre lin­guís­ti­co que, fre­quen­te­men­te, acon­te­ce nas pre­ga­ções.

Uma sim­pá­ti­ca so­bre­lo­ja no Con­jun­to Ha­bi­ta­ci­o­nal Ka­ri­na, a al­gu­mas qua­dras do Par­que de Ex­po­si­çõesF­ran­cis­coFei­oRi­bei­ro, é a atu­al re­si­dên­cia do Gau­chi­nho, apo­sen­ta­do que ju­ra ter par­ti­ci­pa­do­de­trei­na­men­tos­mi­li­ta­re­semCu­ba,an­tes­daRe­vo­lu­ção de 1959, com que Che Gu­e­va­ra e Fi­del Cas­tro. Con­ser­van­do o so­ta­que dos pam­pas na pon­ta da lín­gua e al­guns de­ta­lhes bem vi­vos na me­mó­ria, ele as­se­gu­ra ter par­ti­ci­pa­do com os cu­ba­nos em 1979 de ba­ta­lhas aé­re­as naNi­ca­rá­gua,aju­dan­do­a­der­ru­bar o di­ta­dor Anas­ta­sio So­mo­za e fu­zi­lan­do de­ze­nas de sol­da­dos nor­te-ame­ri­ca­nos. “Nos­sa par­ti­ci­pa­ção foi mui­to rá­pi­da. Mas der­ru­bei mui­tos aviões nor­te­a­me­ri­ca­nos com me­tra­lha­do­ra. Ma­tei vá­ri­os sol­da­dos que ten­ta­va­mes­ca­par.”

Na Ave­ni­da Her­val, Centro, há um pro­fes­sor apo­sen­ta­do da UEM que já en­tre­vis­tou João Ca­bral de Me­lo Ne­to – pa­ra mui­tos, o mai­or po­e­ta brasileiro de to­dos os tem­pos - e te­ve au­las na Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP) com Antonio Can­di­do, um dos mai­o­res en­saís­tas e crí­ti­cos li­te­rá­ri­os do País. Aos 65 anos, Adal­ber­to de Oli­vei­ra e Souza vi­ve so­zi­nho em dois es­pa­ço­sos e acon­che­gan­tes apar­ta­men­tos no mes­mo an­dar do pré­dio: um de­les é sua ca­sa e bi­bli­o­te­ca; o ou­tro, seu mu­seu par­ti­cu­lar.

Na Rua As­sid Had­dad, Zo­na 5, há um ho­mem que já ten­tou in­flu­en­ci­ar as plan­tas com o po­der da men­te e se me­teu em aven­tu­ras­mis­si­o­ná­ri­as­noA­ma­zo­nas, de­sen­vol­ven­do pro­je­tos com ín­di­os apu­ri­nãs e ja­ma­ma­dis. João Ba­tis­ta Bel­tra­me, o Jo­ba, foi dis­cí­pu­lo do Pa­dre Qu­e­ve­do - aque­le sim­pá­ti­co je­suí­ta es­pa­nhol, des­mis­ti­fi­ca­dor de as­som­bra­ções - e for­mou-se em Fi- lo­so­fia, Pe­da­go­gia, His­tó­ria e - ufa! - Te­o­lo­gia.

Pro­fes­sor e se­cre­tá­rio do Meio Am­bi­en­te da ci­da­de, Jo­ba tam­bém é can­tor e com­po­si­tor. No YouTu­be di­vul­ga seus ví­de­os so­bre can­ções que exal­tam as be­le­zas das ci­da­des da re­gião, co­mo Sa­ran­di, As­tor­ga e Pai­çan­du.

Na Ave­ni­da Pa­ra­ná, Zo­na 7, o em­pre­sá­rio Cláudio Hen­ri­ques, o Su­kury, fez fa­ma ao en­car­nar um ven­de­dor de cer­ve­jas “bo­cu­do” e “mal-edu­ca­do”. An­ti­gour­me­ti­za­do, o Bar do Su­kury não tem cho­pes ar­te­sa­nais, drin­ques nem op­ções de por­ções: só cer­ve­jas e es­pe­ti­nhos. Qu­an­do al­guém pe­de uma re­ga­lia a mais – uma mú­si­ca de tri­lha, uma por­ção de fran­go à pas­sa­ri­nho, uma cai­pi­ri­nha de li­mão -, a ce­na se re­pe­te den­tro bar. Su­kury, a ví­bo­ra ma­rin­ga­en­se, lan­ça seu ve­ne­no: “Se quer lu­xo vai lá pra Car Wash!”

Há um gui­tar­ris­ta na Rua Pi­o­nei­ro Jo­sé Al­ves Fi­lho, no Jar­dim Pi­nhei­ros 2, cha­ma­do Jimmy Hen­drix. O pai de Jimmy era fã do len­dá­rio gui­tar­ris­ta e re­sol­veu, com a es­co­lha do no­me, ho­me­na­ge­ar o ído­lo. O que nin­guém es­pe­ra­va é que o ma­rin­ga­en­se, qu­an­do cres­ces­se, vi­ras­se um gui­tar­ris­ta ta­len­to­so. Além de ins­tru­men­tis­ta, Jimmy Hen­drix tem seu pró­prio es­tú­dio e pro­duz ar­tis­tas que pas­sam por lá. Sua cli­en­te­la é ba­si­ca­men­te for­ma­da por du­plas ser­ta­ne­jas que se de­di­cam ao es­ti­lo “uni­ver­si­tá­rio”, em­bo­ra ele mes­mo pre­fi­ra ou­vir rock e gos­pel. É de Jimmy Hen­drix a pro­du­ção de al­guns hits que em- pla­ca­ram na­ci­o­nal­men­te, co­mo “Far­ra, Pin­ga e Fo­gue­te”, da du­pla­ma­rin­ga­en­seB­ru­no&Bar­re­to. Iro­nia do des­ti­no? Fru­to do meio?EmMa­rin­gá,JimmyHen­drix não to­ca rock, mas, sim, ser­ta­ne­jo “uni­ver­si­tá­rio”.

Quem pas­sa à noi­te pe­la Ave­ni­da Bra­sil, na es­qui­na com a Du­que de Ca­xi­as, po­de tes­te­mu­nhar uma mu­lher à fren­te de seu tem­po. Apa­ren­tan­do ter uns 75 anos - ela nun­ca re­ve­la sua ver­da­dei­ra ida­de ou re­al no­me -, Tia Ma­ria dá ex­pe­di­en­te há pe­lo me­nos du­as dé­ca­das na mes­ma es­qui­na. Pon­to tu­rís­ti­co do sub­mun­do ma­rin­ga­en­se, Tia Ma­ria é cor­te­ja­da por car­ros in­tei­ros, com pai, es­po­sa e cri­an­ças no ban­co de trás que pas­sam por ela, na saí­da da mis­sa, e ace­nam, to­dos gri­tan­do em unís­so­no: “Tchau­uu, Tia Ma­ri­a­aa!”. Gen­til, ela cos­tu­ma res­pon­der com­sor­ri­so­se­a­ce­nos.

Há per­so­na­gens ma­rin­ga­en­ses que não têm no­me nem pon­to fi­xo. São espécies de pá­ri­as, ge­ral­men­te al­coó­la­tras ou lou­cos, co­mo Di­di e seus cães, que per­cor­rem a Ave­ni­da Cer­ro Azul, as vi­e­las do Jar­dim Ta­ba­e­tê e da Vi­la Ma­rumby. O mo­ra­dor de rua, for­ma­do em Di­rei­to pe­la UEM, e que tro­cou a pro­fis­são por uma tría­de inu­si­ta­da: pin­ga, mar­qui­ses e cães. Ou, en­tão, a se­nho­ra de mar­rom, que, aos 70 anos e com rou­pa pa­re­ci­da com o tra­je de frei­ra, em­pu­nha um ter­ço re­lu­zen­te e sus­sur­ra re­zas in­com­pre­en­sí­veis – qui­ti­ne­te?, man­são com mó­veis Luis VX?, sei­ta se­cre­ta?, apar­ta­men­to du­plex?, ri­tu­al pro­fa­no?, re­pú­bli­ca na Zo­na 7? A re­za­dei- ra é, ge­ral­men­te, fla­gra­da na Ave­ni­da Bra­sil, na Ho­rá­cio Ra­ca­nel­lo, no Pa­ço Mu­ni­ci­pal e na Tei­xei­raMen­des.

Há, tam­bém, o su­jei­to for­tão que le­va­va um car­ri­nho de com­pras, on­de en­gal­fi­nha­vam­se um ca­chor­ro e uma col­cha ne­gra, e, nas mãos, se­gu­ra­va um rá­dio de pi­lha, que nun­ca fun­ci­o­na­va, co­la­do à ore­lha di­rei­ta. Por que ele in­sis­tia em le­var o rá­dio co­la­do à ore­lha, já que não­saíau­mú­ni­co­som­do­a­pa­re­lho? Pa­ra on­de ele ca­mi­nha­va? Tra­ta­va-se de uma per­for­man­ce ar­tís­ti­ca con­tra a qua­li­da­de das emis­so­ras de rá­dio da Ci­da­de Can­ção? Quais são as his­tó­ri­as da­que­le ho­mem? Por que o rá­dio? Im­pos­sí­vel res­pon­der. Num lu­gar re­ple­to de gran­des per­so­na­gens, há res­pos­tas que só per­ten­cem às ru­as e ao silêncio da ci­da­de.

—FO­TO: DI­VUL­GA­ÇÃO

MUL­TI­MÍ­DIA. Jo­ba, vá­ri­as ati­vi­da­des.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.