Mães pos­sí­veis

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

A ex­pres­são aci­ma não é mi­nha, o que é uma pe­na. Gos­ta­ria de ter pen­san­do ne­la an­tes. Achei-a óti­ma e me ins­pi­rei pa­ra a re­fle­xão da se­ma­na. “Mães pos­sí­veis” foi o tí­tu­lo de uma pa­les­tra a que mi­nha ir­mã as­sis­tiu em Flo­ri­a­nó­po­lis, no úl­ti­mo sá­ba­do. Um mo­men­to de re­fle­xão pa­ra mu­lhe­res que as­su­mi­ram a ma­ter­ni­da­de e, no pa­co­te, as­su­mi­ram uma car­ga de cul­pa por qua­se tu­do que fa­zem. E prin­ci­pal­men­te pe­lo que dei­xam de fa­zer. Pen­so que a dis­cus­são se­ja mes­mo vá­li­da e ne­ces­sá­ria, afi­nal, ser mãe é su­bli­me e sa­gra­do, mas igual­men­te exi­gen­te. Ide­a­li­zar a mis­são é um in­gre­di­en­te cer­to pa­ra a frus­tra­ção. So­mos guer­rei­ras, mas tam­bém fa­lí­veis. Ama­nhã meu pri­mo­gê­ni­to che­ga aos 18 anos e eu, de al­gu­ma for­ma, tam­bém atin­jo mi­nha mai­o­ri­da­de co­mo mãe. Des­de as on­ze ho­ras e cin­quen­ta mi­nu­tos da­que­le 11 de maio de 1999, sei que o que é amar in­con­di­ci­o­nal­men­te. Mas não acre­di­to que amar de for­ma in­con­di­ci­o­nal se­ja se anu­lar em fun­ção do fi­lho. In­fe­liz­men­te, mui­tas mu­lhe­res ain­da cre­em que, ao se tor­na­rem mães, de­vem ab­di­car de qual­quer ou­tro mo­ti­vo pa­ra vi­ver. Ama­nhe­cem e anoi­te­cem em fun­ção da pro­le, es­que­cem-se de si mes­mas e, não ra­ra­men­te, cul­pam­se qu­an­do o fi­lho so­fre. Eu ve­jo a ma­ter­ni­da­de de ou­tra for­ma, mas nem sem­pre foi as­sim. Aos 25 anos, eu tam­bém ti­nham mui­tas ex­pec­ta­ti­vas em re­la­ção ao meu pa­pel ma­ter­nal. Acre­di­ta­va mes­mo que, da­que­la da­ta em di­an­te, eu vi­ve­ria pa­ra meu fi­lho, mes­mo tra­ba­lhan­do fo­ra. Aliás, es­te é um dos gran­des de­sa­fi­os da ma­ter­ni­da­de: con­ci­li­ar car­rei­ra e fa­mí­lia e as­sim ze­lar pe­lo seu pró­prio eu. Re­ver es­ses con­cei­tos e me sen­tir mais se­gu­ra co­mo mãe foi um pro­ces­so de­mo­ra­do. Mas me re­cor­do de que, qu­an­do meu ca­çu­la nas­ceu, já com 32 anos, a ma­tu­ri­da­de co­me­ça­va a ba­ter à mi­nha por­ta e, aos pou­cos, fui apren­den­do a exer­cer me­lhor mi­nha mis­são ma­ter­na, mas sem es­que­cer que ha­via vi­da além dos meus fi­lhos. Es­se dis­cur­so pa­re­ce egoís­ta, mas é um equí­vo­co in­ter­pre­tá-lo as­sim. Não de­fen­do a te­se de que uma mu­lher com fi­lhos de­va as­su­mir com­pro­mis­sos pes­so­ais em de­tri­men­to aos cui­da­dos com eles, mas é pe­ri­go­so vi­ver o pro­ces­so de anu­la­ção. Mui­tas ge­ra­ções de mu­lhe­res vi­ve­ram pra­ti­ca­men­te de for­ma ex­clu­si­va pa­ra seus fi­lhos e não se ar­re­pen­dem dis­so. E sei que há por aí mui­tas mães, mais jo­vens que eu, que tam­bém fi­ze­ram es­sa op­ção. Se for uma es­co­lha cons­ci­en­te, bin­go! O que não dá é ter um es­ti­lo de vi­da sem se es­tar de acor­do com ele. Eu ain­da creio ser pos­sí­vel ter fi­lhos, amá-los e cui­dar de­les, mas sem co­lo­cá-los no centro uni­ver­so. Te­nho co­le­gas que cul­ti­va­ram es­se “fi­lho­cen­tris­mo”. De­di­ca­ram-se à me­ni­na­da por anos a fio e não in­ves­ti­ram na car­rei­ra pro­fis­si­o­nal, nos es­tu­dos ou na pró­pria saúde. É co­mo se a ma­ter­ni­da­de ti­ves­se cei­fa­do de­las qual­quer pers­pec­ti­va que não ti­ves­se um vín­cu­lo com os fi­lhos. E aí, qu­an­do eles fi­ca­ram adul­tos e es­co­lhe­ram seus pró­pri­os ca­mi­nhos, elas fi­ca­ram sem ru­mo. Ser uma mãe pos­sí­vel é afi­nal, ser uma mãe hu­ma­na. Uma mãe que acer­ta, que er­ra, que cai e que se le­van­ta. Uma mãe que cho­ra, que sen­te sau­da­de, que sa­be di­zer “não” sem sen­tir pe­so na cons­ci­ên­cia. Uma mãe pos­sí­vel não pre­ci­sa fa­zer “das tri­pas o co­ra­ção”. Ela faz tu­do com o co­ra­ção. E, tal­vez, mes­mo as­sim, fa­lhe. Qual o pro­ble­ma? Cos­tu­mo brin­car se, ca­so so­bre ape­nas um bi­fe à me­sa, não sou da­que­las mães que di­vi­dem a car­ne ape­nas en­tre os fi­lhos. Eu vou pe­gar um pe­da­ço pa­ra mim. Pe­que­no, é ver­da­de. O me­nor. Mas, se eu fi­car sem, co­mo te­rei for­ça pa­ra cui­dar de­les? É uma ilus­tra­ção meio bo­ba, mas ser ve pa­ra exem­pli­fi­car es­sa te­o­ria. Por is­so, no pró­xi­mo do­min­go, ao ce­le­brar a da­ta do dia das mães, é bom lem­brar que a ma­ter­ni­da­de não con­fe­re a ne­nhu­ma mu­lher po­de­res so­bre­na­tu­rais, tam­pou­co é mo­ti­vo pa­ra ela dei­xar de pen­sar em si mes­ma. Dá pa­ra amar os fi­lhos e tam­bém se amar. Dá pa­ra ser uma mãe pos­sí­vel. E sem cul­pa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.