200

O Diario do Norte do Parana - - GERAL -

O ovo é o ali­men­to mais ver­sá­til e mais an­ti­go con­su­mi­do pe­lo ho­mem, con­ta o nu­tró­lo­go Ed­son Cre­di­dio, dou­tor em Ci­ên­cia de Ali­men­tos pe­la Uni­camp. Há in­dí­ci­os de que sua uti­li­za­ção na ali­men­ta­ção te­ve iní­cio em tor­no de 3200 a.C., épo­ca em que se es­ti­ma que te­nha acon­te­ci­do a do­mes­ti­ca­ção da ga­li­nha. Ao lon­go do tem­po o ovo pas­sou de in­gre­di­en­te de des­ta­que em gran­des ban­que­tes das ci­vi­li­za­ções me­so­po­tâ­mi­cas, co­mo al­ter­na­ti­va de ali­men­ta­ção em mos­tei­ros na Ida­de Mé­dia, on­de a cri­a­ti­vi­da­de dos co­zi­nhei­ros cri­ou uma gran­de va­ri­e­da­de de for­mas de se pre­pa­rar o ovo, vi­lão da saúde até ser ab­sol­vi­do mais re­cen­te­men­te por es­tu­di­o­sos de su­as pro­pri­e­da­des nu­tri­ci­o­nais.

Além do uso cu­li­ná­rio, o ovo tam­bém é uti­li­za­do pe­la in­dús­tria de cos­mé­ti­cos, ser­viu de ins­pi­ra­ção pa­ra a cri­a­ção de joi­as co­mo as de­se­nha­das pe­lo jo­a­lhei­ro­rus­soKarlFa­ber­gée­car­re­gaum­gran­de­sim­bo­lis­mo­em­vá­ri­as par­tes do mun­do. Vai des­de as­se­gu­rar a fer­ti­li­da­de à mu­lher re­cém-ca­sa­da na Fran­ça, sím­bo­lo da cri­a­ção da vi­da pa­ra gre­gos e per­sas, de­se­jo de boa sor­te e fe­li­ci­da­de ao re­cém-nas­ci­do na Chi­na e re­nas­ci­men­to pa­ra os ca­tó­li­cos na épo­ca da Pás­coa. O ovo tem re­pre­sen­ta­do vá­ri­as coi­sas ao lon­go da his­tó­ria: má­gi­ca, mis­té­rio, me­di­ca­men­to, ali­men­to, pres­sá­gio. Mas é na cu­li­ná­ria que o pro­du­to de­mons­tra to­da su­a­ver­sa­ti­li­da­de.

De­pois de car­re­gar por dé­ca­das a fa­ma de ser ali­men­to pou­co sau­dá­vel pa­ra o co­ra­ção em fun­ção da ge­ma, ri­ca em co­les­te­rol e, por­tan­to, seu con­su­mo se as­so­ci­a­ria ao au­men­to do ris­co de in­far­to e der­ra­me, o ovo fi­nal­men­te foi res­ti­tuí­do a uma con­di­ção me­nos sus­pei­ta. De­pois da re­vi­são de cen­te­nas de es­tu­dos con­cluiu-se que o ovo de fa­to tem subs­tân­ci­as no­ci­vas, mas pri­var-se de­las é ain­da mais da­no­so pa­ra o cor­po. Des­co­briu­se, por exem­plo, que a ge­ma é ri­ca em co­li­na, nu­tri­en­te vi­tal pa­ra o bom fun­ci­o­na­men­to do cé­re­bro (uma uni­da­de tem 130 mg de co­li­na, en­quan­to nu­ma pos­ta de sal­mão, por exem­plo, a quan­ti­da­de é de 56 mg). O ovo tam­bé­mé­ri­co­em­pro­teí­nas.

Ou­tro be­ne­fí­cio do ovo é a pre- sen­ça de an­ti­o­xi­dan­tes, co­mo a lu­teí­na e a ze­a­xan­ti­na, que aju­dam a pre­ve­nir a de­ge­ne­ra­ção ma­cu­lar. O bai­xo te­or de gor­du­ra cons­ti­tui mais uma van­ta­gem do ali­men­to. Uma uni­da­de tem em mé­dia 7 gra­mas de gor­du­ra to­tal – ape­nas 1,5 gra­ma é gor­du­ra sa­tu­ra­da,ame­ta­de­do­que­se­en­con­tra nu­ma fa­tia de quei­jo bran­co, é o nú­me­ro de ra­ças e li­nha­gens re­co­nhe­ci­das no mun­do, mas so­men­te al­gu­mas são eco­no­mi­ca­men­te im­por­tan­tes pa­ra a pro­du­ção de ovos. A mais re­le­van­te é a Gal­lus do­mes­ti­cus, que pro­duz a mai­o­ria dos ovos con­su­mi­dos no mun­do. con­si­de­ra­do um ali­men­to ma­gro e sau­dá­vel. Um ovo tem cer­ca de 70 ca­lo­ri­as. Um bi­fe de 120 gra­mas, igual­men­te ri­co em pro­teí­nas, tem o do­bro des­se va­lor. O con­su­mo de qua­tro ge­mas por se­ma­na é su­fi­ci­en­te pa­ra ob­ter to­do­ses­ses­be­ne­fí­ci­os.

Im­por­tan­te re­co­nhe­cer, no en­tan­to, que o ovo é ri­co em co­les­te­rol. Uma uni­da­de con­tém 213 mi­li­gra­mas da subs­tân­cia, qua­se o to­tal da in­ges­tão diá­ria re­co­men­da­da pe­la As­so­ci­a­ção Americana do Co­ra­ção, que é de 300 mi­li­gra­mas. A re­co­men­da­ção pa­ra quem tem ní­veis ele­va­dos de co­les­te­rol é o con­su­mo de uma uni­da­de ao dia. Pa­ra to­dos, en­tre­tan­to, o ade­qua­do é con­su­mir o ovo com mo­de­ra­ção, sem ex­tin­gui-lo do car­dá­pio, exa­ta­men­te em fun­ção de su­as mui­tas vir­tu­des. Na prá­ti­ca, dei­xar de con­su­mi-lo é pri­var-se da in­ges­tão de nu­tri­en­tes im­por­tan­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.