Por que o vi­nho bra­si­lei­ro é tão ca­ro?

O Diario do Norte do Parana - - GERAL - Edi­val­do Ma­gro edi­val­do­ma­gro@gmail.com

Além da one­ro­sa car­ga tri­bu­tá­ria, da de­pen­dên­cia do cli­ma pa­ra se ob­ter um pro­du­to de qua­li­da­de e dos cus­tos de pro­du­ção, ou­tro fa­tor pesa pa­ra in­flar o pre­ço: o mir­ra­do con­su­mo per capita da be­bi­da no país, es­ta­bi­li­za­do há anos em mo­des­tos 2 li­tros/ano

Cla­ro que a per­gun­ta po­de ser es­ten­di­da a ou­tros pro­du­tos e a res­pos­ta, qua­se sem­pre, evo­ca a car­ga tri­bu­tá­ria. Os im­pos­tos re­pre­sen­tam cer­ca de 65% do pre­ço fi­nal ao con­su­mi­dor. Mas no ca­so es­pe­cí­fi­co da be­bi­da o pre­ço ele­va­do tem mui­tas ou­tras ex­pli­ca­ções, a co­me­çar pe­lo con­su­mo, es­ta­bi­li­za­do há anos no pa­ta­mar de 2 li­tros/per capita. Pi­or: mais de 70% do vi­nho que en­che ta­ças e co­pos no país são de ‘vi­nhos po­pu­la­res’ (de gar­ra­fão, pa­ra uma me­lhor com­pre­en­são). São vi­nhos pro­du­zi­dos com uvas de me­sas e não de vi­tis vi­ní­fe­ra. Nas re­giões pro­du­to­ras de vi­nho mais des­ta­ca­das do mun­do o cul­ti­vo de va­ri­e­da­des de me­sa pa­ra a ela­bo­ra­ção de vi­nhos é proi­bi­do. No Bra­sil a ques­tão é con­tro­ver­sa, com bons ar­gu­men­tos bran­di­dos dos dois­la­dos­da­me­sa.

Se ao che­gar à lo­ja es­pe­ci­a­li­za­da ou no su­per­mer­ca­do o vi­nho car­re­ga o pe­so enor­me dos tri­bu­tos, traz con­si­go tam­bém as com­ple­xi­da­des da pro­du­ção. Cus­to de in­su­mos, pro­du­ção e mão de obra aju­dam a de­fi­nir o va­lor de uma gar­ra­fa, cu­jo con­teú­do é ex­pres­si­vo tam­bém de va­lo­res co­mo ro­tu­la­gem, em­ba­la­gem, ve­da­ção e transporte. Mas é no cam­po, su­jei­to às va­riá­veis do cli­ma, que se de­fi­ne a qua­li­da­de de um vi­nho – e, por ex­ten­são, seu pre­ço. Tec­ni­ca­men­te, ela­bo­rar um vi­nho ‘po­bre’ em sa­bo­res e aro­mas é fá­cil. Di­fí­cil é ob­ter um pro­du­to mais ela­bo­ra­do, que exi­ge, por exem­plo, co­lhei­ta di­fe­ren­ci­a­da, ba­go a ba­go às ve­zes. O con­jun­to de exi­gên­ci­as pa­ra a ela­bo­ra­ção de um vi­nho é di­re­ta­men­te pro­por­ci­o­na­la­o­seu­pre­ço.

Mas se o pe­so dos tri­bu­tos fos­se ali­vi­a­do e to­do a ca­deia pro­du­ti­va se be­ne­fi­ci­as­se de va­lo­res me­nos ex­tor­si­vos, tal­vez o re­cuo no pre­ço não se­ria tão ex­pres­si­vo. O vi­nho - e não só no Bra­sil, re­ves­te-se de uma au­ra gla­mo­ro­sa: é be­bi­da ‘fi­na’, ser­vi­da com re­quin­te e, co­mo tal, con­su­mi­da. Es­sa ima­gem tem si­do cri­a­da por crí­ti­cos e pu­bli­ca­ções es­pe­ci­a­li­za­das, que re­to­cam es­se con­tor­no com pon­tu­a­ções e aná­li­ses que trans­for­mam ró­tu­los em ob­je­tos ina­ces­sí­veis. En­tão, se pa­ga pe­lo ‘va­lor agre­ga- do’, as­pec­to tão cri­ti­ca­do por Jo­nathan Nos­si­ter no do­cu­men­tá­rio Mon­do­vi­no, on­de o ci­ne­as­ta ten­ta des­cons­truir es­sa ima­gem com de­poi­men­tos de pro­du­to­res das prin­ci­pais re­giões pro­du­to­ras­do­mun­do.

O con­cei­to de no­bre­za não é pri­vi­lé­gio dos ró­tu­los mais acla­ma­dos: é ex­ten­si­vo ao vi­nho em to­das su­as ins­tân­ci­as de qua­li­da­de, com uma ou ou­tra ex­ce­ção. Na me­sa de restaurante o vi­nho al­can­ça seu pre­ço mais ex­tor­si­vo. Ina­cei­tá­vel que um ró­tu­lo, sa­bi­da­men­te sim­ples, de va­lor mo­des­to, al­can­ce pre­ços as­sus­ta­do­res na car­ta. Na­da mais co­mum que um vi­nho ad­qui­ri­do em lo­jas es­pe­ci­a­li­za­das na fai­xa de R$ 50 cus­tar mais do que o do­bro num restaurante. É fá­cil se gas­tar du­as ou três ve­zes o va­lor do pra­to no con­su­mo de um vi­nho. E na­da de ró­tu­los re­co­nhe­ci­dos co­mo ab­sur­da­men­te ca­ros em sua ori­gem. En­tão, não se tra­ta ape­nas de re­pen­sar cus­tos, mas tam­bém o con­cei­to cul­tu­ral do con­su­mo de vi­nho, al­go que pa­re­ce não des­per­tar in­te­res­se al­gum.

O ra­ci­o­cí­nio é ló­gi­co e ne­nhum pou­co ino­va­dor: o au­men­to da ba­se de con­su­mo pro­vo­ca­ria, em te­se, re­du­ção no cus­to. Mas to­da a co­mu­ni­ca­ção (da in­dús­tria à dis­tri­bui­ção) en­fa­ti­za o al­can­ce do con­su­mi­dor já ini­ci­a­do. ‘Fa­la’ com ele em re­vis­tas e si­tes es­pe­ci­a­li­za­dos, dis­pen­san­do pou­ca ou ne­nhu­ma pre­o­cu­pa­ção em va­lo­ri­zar o vi­nho e su­as vir­tu­des co­mo uma be­bi­da de al­can­ce mais am­plo, e não lo­ca­li­za­do em ni­chos es­pe­cí­fi­cos. O es­pu­man­te pa­re­ce ca­mi­nhar em ou­tra di­re­ção, com pro­du­tos de qua­li­da­de a pre­ços bem aces­sí­veis. Mas po­de in­ver­ter es­sa tra­je­tó­ria se o país con­ti­nu­ar a an­ga­ri­ar prê­mi­os in­ter­na­ci­o­nais pe­la ex­pres­são de seus ró­tu­los - e a Ser­ra Gaú­cha for­ta­le­ce a te­se de ‘Cham­pag­ne’ bra­si­lei­ra, re­fe­rên­cia à clás­si­ca re­gião fran­ce­sa, ber­ço ‘ori­gi­nal’ da be­bi­da.

FO­TOS: DIVULGAÇÃO

Comments

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.