Do­cu­men­tá­ri­os des­nu­dam mer­ca­do de ilu­sões

O Diario do Norte do Parana - - GERAL -

No do­cu­men­tá­rio Mon­do­vi­no, de 2004, o ci­ne­as­ta Jo­nathan Nos­si­ter, le­va su­as câ­me­ras pa­ra as prin­ci­pais re­giões pro­du­to­ras de vi­nho do mun­do pa­ra mos­trar co­mo a be­bi­da per­deu su­as raí­zes his­tó­ri­cas pa­ra se tor­nar uma com­mo­di­ti­es, sus­ten­ta­da em ró­tu­los com ape­lo es­sen­ci­al­men­te co­mer­ci­al, sem ne­nhum res­pei­to às ori­gens. Mos­tra co­mo as gran­des em­pre­sas do mun­do atro­pe­la­ram os pe­que­nos pro­du­to­res e ti­ra­ram de­les não ape­nas a ter­ra, mas tam­bém o en­ten­di­men­to de que o vi­nho é uma be­bi­da na­tu­ral, cu­ja pro­du­ção de­ve­ria res­pei­tar o cli­ma e o so­lo, o ter­roir, en­fim. Na prá­ti­ca, o ci­ne­as­ta bus­ca mos­trar que o vi­nho é um pro­du­to da fer­men­ta­ção da uva em con­di­ções ab­so­lu­ta­men­te­na­tu­rais.Ób­vio?Nem­tan­to.

Jo­nathan Nos­si­ter con­tes­ta, a par­tir da pers­pec­ti­va de pe­que­nos pro­du­to­res, a ex­ces­si­va re­gu­la­men­ta­ção do se­tor, cu­jas nor­mas ri­go­ro­sas im­pe­dem, na mai­o­ria das gran­des re­giões pro­du­to­ras de vi­nho, a ela­bo­ra­ção da be­bi­da, por exem- plo, a par­tir de uvas não vi­ní­fe­ras. A im­po­si­ção é con­tra­di­tó­ria quan­do se ob­ser­vam as vi­dei­ras a par­tir de uma pers­pec­ti­va his­tó­ri­ca. O vi­nho sem­pre foi uma be­bi­da aces­sí­vel, de pou­cos re­quin­tes, ela­bo­ra­da co­mo in­gre­di­en­te fes­ti­vo e, em mui­tos ca­sos, ri­tu­a­lís­ti­co (na Bí­blia, por exem­plo, exis­tem cer­ca de 500 citações ao vi­nho). Mas per­deu es­sa sim­pli­ci­da­de pa­ra se trans­for­mar num pro­du­to de ape­los re­quin­ta­dos, com ne­go­ci­a­ções na bol­sa de va­lo­res, a exem­plo de tan­tos ou­tros pro­du­tos.

O ci­ne­as­ta vol­tou a abor­dar o te­ma no igual­men­te po­lê­mi­co do­cu­men­tá­rio ‘Re­sis­tên­cia Na­tu­ral’, de 2014, quan­do fo­cou su­as câ­me­ras nos pe­que­nos pro­du­to­res ita­li­a­nos que ela­bo­ram vi­nhos na­tu­rais, sem re­cor­rer a pro­du­tos quí­mi­co pa­ra apres­sar ou es­ta­bi­li­zar o pro­ces­so. Ten­tam se man­ter em meio a dis­pu­ta de­si­gual com os gran­des players vi­ní­co­las, que se be­ne­fi­ci­am de re­gu­la­men­tos e con­ces­sões. En­fim, são dois tra­ba­lhos que es­cla­re­cem mui­to so­bre um mer­ca­do­que­ven­dei­lu­sões.

VER­DA­DE. Jo­nathan Nos­si­ter mi­ra su­as câ­me­ras pa­ra ver­da­des pou­co co­nhe­ci­das da in­dús­tria do vi­nho pa­ra mos­trar ‘gu­er­ra’ de vai­da­des – jus­ti­fi­ca­das ou não

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.