Ve­re­a­dor quer res­trin­gir re­pas­se de ver­ba a blogs

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Luiz Fer­nan­do Car­do­so luiz­fer­nan­do@odi­a­rio.com

Pro­pos­ta­deMar­che­se vi­sa aproi­bir­queCâ­ma­rae Pre­fei­tu­ra­des­ti­nem re­cur­sos pu­bli­ci­tá­ri­o­sa“veí­cu­los­de co­mu­ni­ca­ção que­pro­mo­vam per­se­gui­ção­po­lí­ti­ca”.

O em­ba­te do ve­re­a­dor mais vo­ta­do de Ma­rin­gá, Homero Mar­che­se (PV), com blo­guei­ros da ci­da­de ga­nhou mais um ca­pí­tu­lo es­ta se­ma­na. O ve­re­a­dor fi­na­li­zou o tex­to de um pro­je­to de lei que pre­vê a proi­bi­ção do re­pas­se da ver­ba de pu­bli­ci­da­de da Pre­fei­tu­ra de Ma­rin­gá e da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal pa­ra “veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção que pro­mo­vam per­se­gui­ção po­lí­ti­ca”.

Mar­che­se diz não ser con­tra o fim da ver­ba de pu­bli­ci­da­de pa­ra a im­pren­sa, mas co­bra cri­té­ri­os pa­ra a des­ti­na­ção des­ses re­cur­sos. Se­gun­do o ve­re­a­dor, o Exe­cu­ti­vo tem pa­ra 2017 cer­ca de R$ 7 mi­lhões pa­ra gas­tar com pu­bli­ci­da­de e o Le­gis­la­ti­vo, R$ 400 mil. “Num mo­men­to em que o jor­na­lis­mo en­fren­ta pro­fun­da cri­se, com pes­so­as sé­ri­as em di­fi­cul­da­de, os ma­lan­dros es­tão se dan­do­bem”,co­men­ta.

Des­de que to­mou pos­se, Mar­che­se já tro­cou far­pas com pe­lo me­nos qua­tro blo­guei­ros, ten­do, in­clu­si­ve, re­ve­la­do a iden­ti­da­de se­cre­ta de um de­les. “Eles es­tão li­vres pa­ra pu­bli­car o que qui­se­rem, mas não po­dem re­ce­ber di­nhei­ro pú­bli­co pa­ra is­so”, diz o ve­re­a­dor, em de­fe­sa de seu pro­je­to de lei.

Um re­vés es­ta se­ma­na, no en­tan­to, mos­tra que a apro­va­ção do pro­je­to não se­rá fá­cil. Na ses­são or­di­ná­ria de quin­ta-fei­ra, Mar­che­se bus­cou as oi­to as­si­na­tu­ras ne­ces­sá­ri­as pa­ra apre­sen­tar a pro­pos­ta em re­gi­me de ur­gên­cia, e não ob­te­ve êxi­to. “Acho que a im­pren­sa é li­vre e não tem ca­bi­men­to um ad­vo­ga­do apre­sen­tar um pro­je­to des­sa na­tu­re­za”, dis­se um ve­re­a­dor, que pe­diu pa­ra não ser iden­ti­fi­ca­do.

En­tre blo­guei­ros ou­vi­dos pe­la re­por­ta­gem, o ar­gu­men­to é de que não há co­mo men­su­rar o que é per­se­gui­ção po­lí­ti­ca ou “dis­cri­mi­na­ção por mo­ti­vos so­ci­ais, re­li­gi­o­sos, ra­ci­ais” etc, co­mo su­ge­re o pro­je­to. “Ele (Mar­che­se) ten­tou o re­gi­me de ur­gên­cia pa­ra que o pro­je­to não pas­sas­se pe­las co­mis­sões, in­clu­si­ve a de Cons­ti­tui­ção de Jus­ti­ça (CCJ), que ele pre­si­de”, cri­ti­ca o blo­guei­ro Ag­nal­do Vi­ei­ra, que es­tá en­tre os co­mu­ni­ca­do­res que es­tão or­ga­ni­zan­do a cri­a­ção da As­so­ci­a­ção de Pro­fis­si­o­nais­deIm­pren­sa­deMa­rin­gá.

Na se­gun­da-fei­ra, na reu­nião se­ma­nal dos ve­re­a­do­res, Mar­che­se diz que apre­sen­ta­rá a pro­pos­ta aos pa­res pa­ra que eles pos­sam pro­por al­te­ra­ções an­tes da tra­mi­ta­ção do pro­je­to, ago­ra sem a ur­gên­cia. Mar­che­se diz que ou­tros ve­re­a­do­res apoi­am a idea, mas “te­mem que es­se pes­so­al (blo­guei­ros com quem o ve­re­a­dor tem dis­cu­ti­do) fa­çam co­me­le­so­que­fa­zem­co­mi­go”. O con­su­mo to­tal dos ma­rin­ga­en­ses, es­te ano, po­de atin­gir R$ 13,7 bi­lhões. A so­ma cor­res­pon­de a 15% de au­men­to na com­pa­ra­ção com os 11,9 bi­lhões de 2016, se­gun­do­da­dos­doIPCMaps–le­van­ta­men­to ela­bo­ra­do anu­al­men­te pe­la IPC Mar­ke­ting Edi­to­ra em to­do­sos­mu­ni­cí­pi­os­doPaís.

No IPC Maps 2017, Ma­rin­gá pas­sou da 42ª pa­ra a 41ª po­si­ção no ran­king na­ci­o­nal, man­ten­do­se co­mo ter­cei­ro maior mer­ca­do con­su­mi­dor do Es­ta­do, atrás ape­nas­deCu­ri­ti­ba­eLon­dri­na.

No nú­me­ro de em­pre­sas, Ma­rin­gá re­gis­trou de­sem­pe­nho po­si­ti­vo nos qua­tro se­to­res ava­li­a­dos: Ser­vi­ços (32.192 em­pre­sas, +10,5%), In­dús­tria (11.987, +4,9%), Co­mér­cio (22.062, +2,6%) e Agri­bu­si­ness (252, +1,2%). Nos 18 se­to­res ana­li­sa­dos, o nú­me­ro de em­pre­sa­sau­men­tou­em13­de­les.

Um dos au­to­res do es­tu­do, o di­re­tor da IPC Mar­ke­ting, Mar­cos Paz­zi­ni, diz que Ma­rin­gá reú­ne ca­rac­te­rís­ti­cas po­si­ti­vas pa­ra con­ti­nu­ar atrain­do in­ves­ti­men­to­se­pa­ra­ex­pan­dir­seu­mer­ca­do de con­su­mo. “Um dos fa­tos de des­ta­que de Ma­rin­gá é o va­lor do con­su­mo per ca­pi­ta ur­ba­no, o que in­di­ca que a con­cen­tra­ção de do­mi­cí­li­os das clas­ses mais al­tas de Ma­rin­gá é maior do que a mé­dia”, diz o con­sul­tor.

Com au­men­to de R$ 734,53 en­tre 2016 e 2017, o PIB per ca­pi­ta de Ma­rin­gá é de R$ 36,3 mil, abai­xo dos R$ 42,3 mil de Cu­ri­ti­ba e aci­ma dos R$ 29,1 mil de Lon­dri­na. “Em 2017, o con­su­mo per ca­pi­ta bra­si­lei­ro se­rá de R$ 22,2 mil, en­quan­to a mé­dia do Pa­ra­ná se­rá de R$ 24,9 mil. Es­se in­di­ca­dor (aci­ma da mé­dia) de­no­ta que em Ma­rin­gá há es­pa­ço pa­ra lan­ça­men­to de pro­du­tos de maior va­lor agre­ga­do, on­de o as­pec­to ‘pre­ço’ não ten­de a ser o tri­bu­to mais im­por­tan­te”, ex­pli­ca.

O IPC Maps tam­bém traz o po­ten­ci­al de con­su­mo das ci­da­des por ca­te­go­ria (ve­ja no in­fo­grá­fi­co) e por clas­se so­ci­al – A, B, C, D/E. Pa­ra ana­li­sar os da­dos de Ma­rin­gá, O Diá­rio con­vi­dou a eco­no­mis­ta Fer­nan­da Man­sa­no, pro­fes­so­ra de Ges­tão Fi­nan­cei­ra na Uni­ce­su­mar. Se­gun­do ela, os nú­me­ros de Ma­rin­gá são po­si­ti­vos. Um des­ta­que apon­ta­do por Fer­nan­da é o fa­to de o PIB per ca­pi­ta ser maior do que o con­su­mo. “Is­so sig­ni­fi­ca que os ma­rin­ga­en­ses es­tão con­se­guin­do eco­no­mi­zar, que a in­fla­ção não es­tá cor­ro­en­do to­da a ren­da, o que é po­si­ti­vo”, diz.

Ela ava­li­ou, ain­da, as três prin­ci­pais ca­te­go­ri­as em po­ten­ci­al de con­su­mo. Na Ma­nu­ten­ção do Lar e na Ali­men­ta­ção no Do­mi­cí­lio, am­bos de ne­ces­si­da­de bá­si­ca, os ma­rin­ga­en­ses vão gas­tar 14% e 15% a mais, res­pec­ti­va­men­te. Nes­sas du­as ca­te­go­ri­as, o des­ta­que fi­ca por con­ta da clas­se C, que te­rá au­men­to aci­ma de 21% nos gas­tos. “A Ali­men­ta­ção no Do­mi­cí­lio, com o au­men­to de gas­tos da clas­se C aci­ma da mé­dia, mos­tra que as pes­so­as es­tão se ali­men­tan­do mais em ca­sa por­que o pre­ço da ali­men­ta­ção au­men­tou”.

Ter­cei­ra maior ca­te­go­ria, Ma­te­ri­ais de Cons­tru­ção te­ve al­ta de 22% no po­ten­ci­al de con­su­mo, com des­ta­que pa­ra a clas­se B, com au­men­to de 24%. Se­gun­do Fer­nan­da, es­sa ca­te­go­ria ser­ve co­mo termô­me­tro pa­ra mos­trar que, além de to­das as des­pe­sas bá­si­cas, o ma­rin­ga­en­se es­tá con­se­guin­do­pou­par­pa­rain­ves­tir

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.