Amor, amor, ne­gó­ci­os à par­te

O Diario do Norte do Parana - - EESMPPECRIEAGLOS - Fer­nan­da Ber­to­la fer­nan­da@odi­a­rio.com

Se­jam do­nos ou fun­ci­o­ná­ri­os, ca­sais que tra­ba­lham jun­tos po­dem co­lo­car o ro­man­ce em ris­co Prin­ci­pal ori­en­ta­ção dos es­pe­ci­a­lis­tas é não le­var pro­ble­mas de ca­sa pa­ra o tra­ba­lho e vi­ce-ver­sa

De­pois de se for­mar no mes­mo cur­so de Ad­mi­nis­tra­ção, o ca­sal Ed­na e He­der­ney Apa­re­ci­do Alon­so de­ci­diu abrir um ne­gó­cio. Am­bos só não ima­gi­na­vam que du­ran­te o pro­ces­so de es­tru­tu­ra­ção pas­sa­ri­am por um per­ren­gue da­que­les. Na­da de cri­se no mer­ca­do de dis­tri­bui­ção de fri­os, área de atu­a­ção da em­pre­sa, ou pro­ble­mas de cai­xa. O cal­ca­nhar de Aqui­les da em­pre­sa era o de­sen­ten­di­men­to en­tre os só­ci­os­re­cém-ca­sa­dos.

Pa­ra re­a­li­zar o so­nho do ne­gó­cio pró­prio, Ed­na e o ma­ri­do ven­de­ram ca­sa e o car­ro pa­ra so­mar o di­nhei­ro ao de uma re­ser­va que já pos­suíam. Ela re­la­ta que cui­da­va das ques­tões bu­ro­crá­ti­cas da em­pre­sa, sen­do res­pon­sá­vel pe­lo de­par­ta­men­to de ad­mi­nis­tra­ção, e que o ma­ri­do tra­ba­lha­va com ven­das. À épo­ca, 13 anos atrás, eram eles e mais três fun­ci­o­ná­ri­os. “Ele fa­zia as com­pras. Eu acha­va que era mui­to, que ele ia me aper- tar no fi­nan­cei­ro. Ou ele dei­xa­va um fun­ci­o­ná­rio sair de fé­ri­as, sem que eu sou­bes­se. Pro­ble­mas des­se ti­po ge­ra­vam mui­tas bri­gas e atra­pa­lha­vam o de­sem­pe­nho da em­pre­sa. Tí­nha­mos rus­gas e che­gá­va­mos em ca­sa de ca­ra vi­ra­da”, lem­bra Ed­na.

O pro­ble­ma cres­ceu até que o ca­sal che­gou à con­clu­são de que era ne­ces­sá­rio mu­dar. Dras­ti­ca­men­te, eles se­pa­ra­ram as áre­as em que ca­da um atu­a­va pa­ra evi­tar con­fu­são. “Dei­xa­mos a par­te bu­ro­crá­ti­ca só co­mi­go e eu pas­sei­a­não­mein­tro­me­ter­nas­com­pras de­le. Eu sou mui­to ‘ra­zão’, e ele, mui­ta ‘emo­ção’. Pre­ci­sa­mos entender is­so”, diz .

Ho­je com 30 fun­ci­o­ná­ri­os, o cli­ma es­tá “90% me­lhor”, ga­ran­te. Ed­na afir­ma que, de vez em qu­an­do, ela e o ma­ri­do to­mam um ca­fé jun­tos no lo­cal de tra­ba­lho, mas con­ti­nu­am ‘se­pa­ra­dos’ qu­an­do o as­sun­to é se­tor den­tro da em­pre­sa. “Di­a­ri­a­men­te, nos es­for­ça­mos pa­ra man­ter o equi­lí­brio. Es­tá dan­do tu­do cer­to. E com uma fi­lha pe­que­na, é di­fí­cil não fa­lar de ca­sa na em­pre­sa ou da­em­pre­sa­em­ca­sa,mas­nos­po- li­ci­a­mos mui­to pa­ra não mis­tu­rar as coi­sas”, co­men­ta.

Já a psi­có­lo­ga e trai­nee Be­a­triz Go­mes re­la­ta que tra­ba­lha­va na mes­ma em­pre­sa que o na­mo­ra­do, mas que nun­ca ti­ve­ram pro­ble­mas. Pri­mei­ro por­que não atu­a­vam nos mes­mos se­to­res. De­pois,por­que­lo­go­que­co­me­ça­ram o re­la­ci­o­na­men­to en­quan­to ain­da tra­ba­lha­vam no lo­cal, uma con­fu­são ge­ra­da por ou­tro ca­sal fez com que a or­ga­ni­za­ção proi­bis­se os fun­ci­o­ná­ri­os de se re­la­ci­o­na­rem.

Com mui­ta dis­cri­ção e cum­pri­men­tos for­mais nos cor­re­do­res do tra­ba­lho, eles con­se­gui­ram le­var adi­an­te a his­tó­ria de amor. “Não mis­tu­ra­mos as coi­sas. Tan­to que de­pois o pes­so­al fi­cou sa­ben­do, mas ele con­ti­nua lá até ho­je”, re­la­ta. A psi­có­lo­ga or­ga­ni­za­ci­o­nal e con­sul­to­ra de re­cru­ta­men­to, Sandra Gu­er­man­di, ex­pli­ca que pa­ra man­ter um re­la­ci­o­na­men­to sau­dá­vel qu­an­do se tra­ba­lha com o par­cei­ro é pre­ci­so ser im­par­ci­al.

Mes­mo que se­ja qua­se im­pos­sí­vel ser to­tal­men­te alheio às ques­tões pes­so­ais du­ran­te o tra­ba­lho, é pre­ci­so co­lo­car o pro­fis­si­o­na­lis­mo­em­pri­mei­ro­lu­gar.

“Os pro­ble­mas da em­pre­sa de­vem fi­car res­tri­tos à em­pre­sa. E os pes­so­ais, ao am­bi­en­te ex­ter­no”, diz Sandra. Ela acres­cen­ta uma re­co­men­da­ção. “In­de­pen­den­te de o ca­sal ser fun­ci­o­ná­rio ou do­no, é me­lhor que tra­ba­lhem em se­to­res di­fe­ren­tes. É uma for­ma de evi­tar pro­ble­ma”.

Ou­tro apon­ta­men­to fei­to é so­bre a ne­ces­si­da­de do diá­lo­go em ca­so de atri­to. E nes­sa ho­ra, a po­lí­ti­ca da boa con­vi­vên­cia de­ve obri­ga­to­ri­a­men­te fa­lar mais al­to do que os sen­ti­men­tos. Is­so pre­ci­sa ser es­ti­mu­la­do, ca­so con­trá­rio o fu­tu­ro do ne­gó­cio ou o pro­fis­si­o­nal de um ou dos dois en­vol­vi­dos po­de de­san­dar.

Pa­ra o ca­sal que não con­se­gue en­con­trar o equi­lí­brio so­zi­nho, va­le a pe­na pro­cu­rar aju­da pa­ra evi­tar des­gas­te tan­to no re­la­ci­o­na­men­to quan­to no am­bi­en­te de tra­ba­lho.

—FO­TO: JC FRAGOSO

BEM-SU­CE­DI­DO. Ed­na e He­der­ney su­pe­ra­ram os desafios de se­rem só­ci­os e re­cém-ca­sa­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.