Cão, o me­lhor ami­go do jar­dim

O Diario do Norte do Parana - - ESPECIAL IMÓVEIS - Juliana Fon­ta­nel­la ju­fon­ta­nel­las@odi­a­rio.com

As flo­res es­ta­vam no can­tei­ro pe­la ma­nhã, à tar­de, ja­zem es­pa­lha­das na área de ser­vi­ço. Mui­tos do­nos de ca­chor­ro já pas­sa­ram por is­so: bu­ra­cos no quin­tal, ar­bus­tos ar­ran­ca­dos pe­la raiz. Um jar­dim bo­ni­to nu­ma ca­sa com cães de­pen­de de me­di­das pre­ven­ti­vas e do in­te­res­se do ani­mal em es­ca­var ter­ra e pe­dras.

Do­na de três cães, dois da ra­ça pin­cher e um bul­do­gue, a en­ge­nhei­ra agrô­no­ma Kar­la Me­neghet­ti Blan­co é es­pe­ci­a­lis­ta em pai­sa­gis­mo, mas nem por is­so es­ca­pou da ba­gun­ça. Os cães mais ve­lhos nun­ca me­xe­ram nas plan­tas, o ter­cei­ro, por ou­tro la­do, não dei­xa na­da no lu­gar. Ela afir­ma que não há uma fór­mu­la 100% efi­caz, mas al­ter­na­ti­vas po­dem aju­dar.

In­tro­du­zir plan­tas que exa­lam odor for­te aju­da por­que o ol­fa­to dos ani­mais é mui­to sen­sí­vel e es­ses odo­res es­pan­tam os cães. Va­le usar alho, ci­tro­ne­la e ar­ru­da, en­tre ou­tros. “Há pre­pa­ra­dos lí­qui­dos com o mes­mo fim, mas vo­cê tem que apli­car vá­ri­as ve­zes. O ven­to e a chu­va le­vam o odor em­bo­ra”, apos­ta. Já se qui­ser um re­pe­len­te na­tu­ral, di­lua as fe­zes do cão e es­pa­lhe o ‘cal­do fe­do­ren­to’ so­bre as plan­tas. A jornalista Me­li­a­ne Na­bas e o na­mo­ra­do, An­to­nio, es­tão de ca­sa no­va. Jun­to vão Kaia, de se­te anos, Do­na e Pre­ti­nho, am­bos de cin­co me­ses. Cri­a­dos em uma chá­ca­ra, eles ado­ram ca­var bu­ra­cos e se di­ver­tir com as plan­tas - gos­tam tan­to que as ar­ran­cam com raiz e tu­do. Os cães des­tro­em o que ve­em pe­la fren­te, es­pa­lham a ter­ra dos va­sos e le­vam ‘mu­das’ pa­ra ca­sa.

“Na chá­ca­ra eles ti­ra­vam ga­lhos de man­guei­ra, li­mo­ei­ro e tra­zi­am pa­ra gen­te. Ago­ra o pró­xi­mo de­sa­fio é edu­cá-los pa­ra não des­trui­rem a es­tu­fa hi­dropô­ni­ca on­de pre­ten­de­mos plan­tar mo­ran­gos”, afir­ma.

Um mé­to­do in­fa­lí­vel pa­ra pro­te­ger o jar­dim não exis­te por­que al­guns cães sim­ples­men­te amam ca­var bu­ra­cos e brin­car com plan­tas. Fe­liz­men­te, a mai­o­ria pa­ra após os três anos de ida­de. Um cer­ca­do se­pa­ran­do cães e jar­dim re­sol­ve os ca­sos es­pe­ci­ais.

An­ti­ga­men­te, en­ve­ne­na­men­tos ou in­to­xi­ca­ções aci­den­tais eram co­muns por fal­ta de in­for­ma­ção. Ho­je, os jar­dins são mais se­gu­ros pa­ra os cães. Bas­ta evi­tar acú­mu­lo de de­tri­tos, fun­gos e plan­tas tó­xi­cas. Os pa­ra­si­tas, es­pe­ci­al­men­te car­ra­pa­tos, ain­da são incô­mo­dos, mas é só man­ter o ani­mal imu­ni­za­do pa­ra evi­tá-los.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.