Coi­sa de ca­bra ma­cho

O Diario do Norte do Parana - - ESPECIAL IMÓVEIS - Alexandre Gai­o­to gai­o­to@odi­a­rio.com Al­tos­ren­di­men­tos

Fun­ci­o­ná­ri­os e hós­pe­des que cru­zam o hall de um ho­tel ma­rin­ga­en­se pas­sam ba­ti­dos pe­lo cow­boy ar­re­mes­sa­do na pol­tro­na, de uma for­ma meio de­sen­gon­ça­da, mais ou me­nos co­mo o Je­sus, da Pi­età de Mi­che­lan­ge­lo. Ves­tin­do bo­ta de cou­ro, cha­péu mar­rom à ba­se de pe­los de cas­tor, ca­mi­sa pre­ta e cal­ça je­ans, o su­jei­to não apa­ren­ta ser um mi­li­o­ná­rio, mui­to me­nos um ído­lo do es­por­te que te­ve 38 os­sos que­bra­dos e uma de­ze­na de des­mai­os. É mais fá­cil ima­gi­nar que aque­le su­jei­to é um des­ses lu­ta­do­res que acre­di­tar que, até há pou­co tem­po, ele era re­mu­ne­ra­do di­a­ri­a­men­te pa­ra su­bir no lom­bo da pró­pria mor­te, di­an­te dos olha­res vi­dra­dos do pú­bli­co.

“Li em al­gum lu­gar que su­as botas che­gam a cus­tar 10 mil dó­la­res”, vou di­zen­do, en­quan­to nos sen­ta­mos nu­ma sa­la de reu­niões ao la­do do hall do ho­tel. “Is­so é len­da! As botas mais ca­ra que já ti­ve cus­ta­ram 600 dó­la­res. Aliás, na ver­da­de, as botas mais ca­ras que ti­ve não têm pre­ço. Ga­nhei no fi­nal dos anos no­ven­ta de uma mar­ca de cal­ça­dos. Fo­ram fei­tos ape­nas dois pa­res, mis­tu­ran­do cou­ro de ja­ca­ré, ele­fan­te e aves­truz: um par foi pa­ra mim e ou­tro, pa­ra o rei da Es­pa­nha, Ju­an Carlos.”

Peão aposentado, Adri­a­no Moraes pe­de um ca­fé. Sen­ta­dão, com o cha­péu des­can­san­do na me­sa, põe o pé es­quer­do nu­ma das ca­dei­ras e ser­ve-se da be­bi­da. Ele tem bra­ços for­tes e exi­be um cor­te de ca­be­lo fei­to à má­qui­na, mes­clan­do fi­os ne­gros à ca­be­lei­ra bran­ca. Su­as bo­che­chas são ro­sa­das e os olhos, azuis. Lem­bra um pou­co Alec Baldwin, mas sem a su­ti­le­za do ator norte-ame­ri­ca­no. Seus tra­pé­zi­os pa­re­cem sus­pen­sos pa­ra ci­ma, co­mo se fos­sem cons­tan­te­men­te pu­xa­dos por al­guém. O vo­zei­rão gra­ve e meio ras­ga­do tem o tom exa­to que se es­pe­ra de um “phe­no­me­non”, ape­li­do que ga­nhou nos EUA por en­car­nar um­fenô­me­no,tri­cam­peão­mun­di­al de mon­ta­ria em tou­ros pe­la PBR (Pro­fes­si­o­nal Bull Ri­ders).

En­ca­rar a mor­te, no lom­bo de ani­mais que pe­sam até 1.250 qui­los era uma ro­ti­na pra­ze­ro­sa. “Em ci­ma do tou­ro, pa­re­ce que o mun­do pa­ra. É uma mis­tu­ra de pra­zer fí­si­co com psi­co­ló­gi­co. Vo­cê não se im­por­ta mais com a co­ta­ção do dó­lar nem com as dí­vi­das. Dá a im­pres­são que o Pa­pa e até Deus pa­ram por um mo­men­to e, to­man­do uma xí­ca­ra de chá, acom­pa­nham a sua per­for­man­ce. Sin­to mui­ta sau­da­de des­sas mon­ta­ri­as”, re­ve­la.

Aposentado há no­ve anos, Adri­a­no atu­al­men­te é só­cio da PBR no Bra­sil. Di­re­tor de com­pe­ti­ção dos ro­dei­os da Ex­poin­gá, ele é res­pon­sá­vel por fis­ca­li­zar to­dos os de­ta­lhes: do som à ilu­mi­na­ção, dos fo­gos aos tou­ros.En­tor­nan­doum­se­gun­do­co­pi­nho de ca­fé, ele es­cla­re­ce al­guns mi­tos com re­la­ção ao uni­ver­so dos ro­dei­os. “Es­se pa­po de aper­tar os tes­tí­cu­los do tou­ro não exis­te nem nun­ca exis­tiu. O tou­ro sal­ta por­que ele pas­sa por uma­ten­sãop­si­co­ló­gi­ca.

A vi­da em ci­ma dos tou­ros tem um pre­ço ca­ro. E Adri­a­no lem­bra que, no ano pas­sa­do, um co­le­ga norte-ame­ri­ca­no, tam­bém peão, co­me­teu sui­cí­dio em de­cor­rên­cia de de­pres­são. Pa­ra ele, há uma se­me­lhan­ça na ro­ti­na dos peões com os jo­ga­do­res de fu­te­bol ame­ri­ca­no. Um mé­di­co des­co­briu que as pan­ca­das da­das e re­ce­bi­das nas par­ti­das de fu­te­bol ame­ri­ca­no eram o cer­ne de uma do­en­ça ce­re­bral de­ge­ne­ra­ti­va, pro­vo­can­do di­ver­sos pro­ble­mas men­tais, que vão des­de de­pres­são até alzhei­mer. Adri­a­no não é um peão co­mum. Fa­la com de­sen­vol­tu­ra, sem re­cor­rer a gí­ri­as, con­ju­gan­do os ver­bos cor­re­ta­men­te, res­pei­tan­do a nor­ma cul­ta da lín­gua por­tu­gue­sa. Es­tá mais pa­ra um em­pre­sá­rio que um atle­ta. Per­gun­to a ele se foi di­fí­cil tor­nar-se um mi­li­o­ná­rio. “Ga­nhei um mi­lhão de dó­la­res em ape­nas um mun­di­al”,res­pon­de,co­mo­se­dis­ses­se uma ob­vi­e­da­de do ti­po: “Olha ali, es­tá cho­ven­do”. E con­ti­nua: “De­pois, jun­tei mais três mi­lhões com as ou­tras com­pe­ti­ções. O di­fí­cil, na ver­da­de, não é ser um mi­li­o­ná­rio. Pra is­so, é fá­cil: bas­ta jun­tar um mi­lhão. O de­sa­fio é ser mul­ti­mi­li­o­ná­rio.”

Pa­ra que a fa­ma e a for­tu­na vi­es­sem, Adri­a­no te­ve de de­ban­dar do País. Con­sa­gra­do por aqui, to­cou pa­ra os EUA, fi­xan­do-se num sí­tio no Te­xas. “Se eu não ti­ves­se ido pa­ra lá, on­de mo­rei por 17 anos, nun­ca se­ria quem eu sou.” Ho­je, além de re­pre­sen­tar a PBR no Bra­sil, tem uma fa­zen­da em Ca­cho­ei­ra Pau­lis­ta (SP), on­de re­si­de com a fa­mí­lia e cria uma cen­te­na de tou­ros pa­ra mon­ta­ri­as, além de plan­tar eu­ca­lip­tos.

Aos 47 anos, já te­ve a vi­da bi- ogra­fa­da na obra “Mi­nha mis­são é mon­tar” e diz que há pla­nos pa­ra ro­da­rem um fil­me. “Uma pro­du­ção re­al­men­te boa, in­ter­na­ci­o­nal, com ato­res ame­ri­ca­nos, in­gle­ses e al­guns bra­si­lei­ros”, adi­an­ta. Cu­ri­o­so pe­las can­ções que em­ba­lam es­se ti­po de even­to, ques­ti­o­no se es­sas mon­ta­ri­as e ro­dei­os com tou­ros são in­fes­ta­das de ser­ta­ne­jo “uni­ver­si­tá­rio”. Ele sol­ta um sor­ri­so irô­ni­co.

“Olha só, um exem­plo: não sei se vo­cê é ho­mos­se­xu­al ou he­te­ros­se­xu­al, mas ho­je em dia tá uma mo­da es­se ne­gó­cio de vi­rar gay. Até gen­te que é he­te­ros­se­xu­al, e que nem é gay, re­sol­veu vi­rar gay por cau­sa des­sa mo­da. Na PBR, a gen­te não dei­xa a mo­da in­ter­fe­rir no nos­so pro­je­to. Não é por­que o ser­ta­ne­jo tá na mo­da que a gen­te vai to­car es­se ti­po de mú­si­ca. Mas, cla­ro, tem que to­car uma e ou­tra des­sas mú­si­cas, mas são pou­cas”, avi­sa, en­quan­to seu as­ses­sor de im­pren­sa apres­sa-se em ga­ran­tir que clás­si­cos de AC/DC e Step­penwolf tam­bém com­põem a tri­lha en­tre um e ou­tro tou­ro pu­lan­te.

“Vo­cê vai lá as­sis­tir a gen­te?”, ele per­gun­ta.

“Pes­so­al­men­te, não su­por­to lu­ga­res com mú­si­ca ser­ta­ne­ja”, res­pon­do. Ele abre ou­tro sor­ri­so. “É es­se ti­po de fã que a gen­te quer. Sa­be, o nos­so ne­gó­cio não é rodeio, vo­cê não vai aguen­tar um ca­ra lá fa­zen­do lo­cu­ções nem fi­car ou­vin­do mú­si­ca ruim. Nos­so ne­gó­cio é mon­ta­ria de tou­ro. Ani­mais que são atle­tas. É um gran­de es­pe­tá­cu­lo”, adi­an­ta, ofe­re­cen­do-me aces­sos ex­clu­si­vos pa­ra o backs­ta­ge do even­to, que ter­mi­na ho­je na are­na co­ber­ta da Ex­poin­gá.

—FO­TO: ANDY WAT­SON/PBR

SE­GU­RA PEÃO - Adri­a­no Moraes foi além das mon­ta­ri­as, do de­sa­fio de fi­car 8 se­gun­dos em ci­ma do tou­ro, e ho­je é um exe­cu­ti­vo do mun­do dos ro­dei­os da PBR.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.