No­vo Jar­dim

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Aci­da­de mu­dou, mas não a sua bela ge­o­gra­fia, mui­to me­nos a sua di­ver­si­da­de e o seu es­pí­ri­to de as­pi­ra­ção. Co­me­mo­ran­do o seu 70º ani­ver­sá­rio, Ma­rin­gá ce­le­bra as con­quis­tas e os avan­ços tí­pi­cos de uma ci­da­de mé­dia-gran­de. Seu iní­cio, no en­tan­to, con­ta ou­tra his­tó­ria. Em me­a­dos da dé­ca­da de 1930, os com­pra­do­res ad­qui­ri­am pro­pri­e­da­des nu­ma re­gião pre­do­mi­nan­te­men­te ocu­pa­da por flo­res­tas de ma­ta atlân­ti­ca e par­ti­am pa­ra a der­ru­ba­da das ár­vo­res na­ti­vas e pa­ra de­sen­vol­ver uma agri­cul­tu­ra, em es­pe­ci­al pa­ra o plan­tio de ca­fé, ro­tu­la­do “ou­ro ver­de” por sua ren­ta­bi­li­da­de. Um tra­ba­lho la­bo­ri­o­so, que de­pen­dia da “pi­ca­da” – um ca­mi­nho aber­to na ma­ta a gol­pes de fa­cão. Ain­da em 1954, ‘John’ Ro­dri­go Dos Pas­sos, jornalista ame­ri­ca­no de ori­gem por­tu­gue­sa, des­cre­veu as con­di­ções do lo­cal: “Na ci­da­de a po­ei­ra era in­su­por­tá­vel, mas nos ar­re­do­res era de su­fo­car. Os len­ços com que ten­tá­va­mos en­xu­gar os ros­tos su­a­ren­tos fi­ca­vam man­cha­dos de ver­me­lho. O nos­so guia... dis­se à gui­sa de con­so­la­ção que não nos de­vía­mos pre­o­cu­par com a po­ei­ra. Um mé­di­co... ha­via des­co­ber­to que a po­ei­ra de Ma­rin­gá es­ta­va im­preg­na­da de ter­ra­mi­ci­na...[e] cu­ra­va qual­quer in­fec­ção.” (Con­fes­so que aqui achei que o au­tor es­ta­va zom­ban­do da no­va ter­ra, va­len­do-se de uma pa­la­vra pa­re­ci­da, mas ter­ra­mi­ci­na é mes­mo um an­ti­bió­ti­co na ba­se de clo­ri­dra­to de oxi­te­tra­ci­cli­na e sul­fa­to de po­li­mi- xi­na B). Além das ri­que­zas na­tu­rais da re­gião, fo­ram dois os fa­to­res prin­ci­pais que trans­for­ma­ram Ma­rin­gá de um lu­ga­re­jo com pre­do­mi­nân­cia de pi­o­nei­ros des­bra­va­do­res, pro­du­to­res ru­rais paulistas e mi­nei­ros num gran­de cen­tro de con­ver­gên­cia econô­mi­ca abran­gen­do cem mu­ni­cí­pi­os, com um PIB bei­ran­do R$ 14 bi­lhões. O pri­mei­ro fa­tor se re­la­ci­o­na com a for­ma da sua co­lo­ni­za­ção: a gran­de pre­o­cu­pa­ção da Cia. Me­lho­ra­men­tos Norte do Pa­ra­ná, ao en­co­men­dar o pro­je­to ur­ba­nís­ti­co ao renomado en­ge­nhei­ro pau­lis­ta Jor­ge de Ma­ce­do Vi­ei­ra em 1943, era o de con­ju­gar o pla­no ur­ba­no à to­po­gra­fia da re­gião. Es­sa pre­o­cu­pa­ção fi­ca la­ten­te qu­an­do ob­ser­va­mos as ru­as re­tas e lar­gas e am­plas ave­ni­das com ajar­di­na­men­to cen­tral, on­de a es­pe­cu­la­ção imo­bi­liá­ria, de iní­cio, não te­ve vez. Com es­sa fi­lo­so­fia con­tem­po­râ­nea, o su­ces­so de Ma­rin­gá de­ve-se em gran­de par­te ao zo­ne­a­men­to ur­ba­no ori­gi­nal, que pre­via zo­nas in­dus­tri­ais, zo­nas co­mer­ci­ais e zo­nas re­si­den­ci­ais. Mas a co­lo­ni­za­ção do Norte do Pa­ra­ná mos­tra ou­tro as­pec­to mais su­til, o da in­cli­na­ção pa­ra ex­plo­rar no­vas fron­tei­ras que os adep­tos de Pi­tá­go­ras cha­ma­vam de purificação da al­ma (‘kathar­sis’, em gre­go). Não te­nho dú­vi­da de que os fa­zen­dei­ros que se aven­tu­ra­ram por aqui não se des­vin­cu­la­ram da re­a­li­da­de, mas tam­pou­co dei­xa­ram de se atre­ver no mun­do da abs­tra­ção e da fé. A gran­de maio- ria dos pi­o­nei­ros in­cor­po­ra­va es­se ide­al mo­ti­va­dor: sair em mis­são e vi­ven­ci­ar o que é di­fe­ren­te de nós pa­ra re­ve­lar o que há de bom em nós. O se­gun­do fa­tor de su­ces­so me foi trans­mi­ti­do por um dos três no­mes con­si­de­ra­dos os ver­da­dei­ros cri­a­do­res do pro­je­to pai­sa­gís­ti­co de Ma­rin­gá, a sua de­can­ta­da ar­bo­ri­za­ção – o en­ge­nhei­ro agrô­no­mo Aní­bal Bi­an­chi­ni da Ro­cha, que au­xi­li­ou o seu ide­a­li­za­dor, Dr. Luiz Tei­xei­ra Men­des, a par­tir de 1952. (O ou­tro no­me era o de Ge­ral­do Pi­nhei­ro Fon­se­ca, fun­ci­o­ná­rio da Cia Me­lho­ra­men­tos e que era en­car­re­ga­do do plan­tio de ár­vo­res). Gra­ças a es­ses vi­si­o­ná­ri­os, Ma­rin­gá pos­sui uma das mai­o­res con­cen­tra­ções de área ver­de do Bra­sil – 26,65 me­tros qua­dra­dos por ha­bi­tan­te. São 90 al­quei­res de ma­tas na­ti­vas, dis­tri­buí­dos por 17 bos­ques e mi­lha­res de ár­vo­res de di­ver­sas es­pé­ci­es plan­ta­das ao lon­go das ru­as e ave­ni­das. O Dr. Aní­bal me dis­se cer­ta vez que a ideia de sa­cri­fí­cio não po­de mor­rer. Obras re­a­li­za­das e ins­pi­ra­das na ba­se des­sa qua­li­da­de hu­ma­na su­pre­ma du­ram pa­ra sem­pre. O co­ti­di­a­no dos nos­sos an­te­ces­so­res foi re­ple­to do he­roi­co, do es­toi­co, e pro­vou que a Ci­da­de Jar­dim não foi um mito a des­co­brir, mas uma vi­são a cons­truir, re­nun­ci­an­do-se. E ago­ra que não pre­ci­sa­mos mais sen­tir frio pa­ra sa­ber o que é ca­lor, sair de ca­sa pa­ra sa­ber o que se dei­xou, uma no­va ter­ra pa­ra sa­ber o que é o lar, o que se­rá de nós nes­se no­vo jar­dim?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.