Va­lo­ri­za­ção da be­le­za afro é te­ma de even­to

O Diario do Norte do Parana - - MARINGÁ - Pau­li­ne Al­mei­da ma­rin­ga@odi­a­rio.com

A ‘di­ta­du­ra’ da cha­pi­nha en­fren­ta uma ba­ta­lha con­tra um gru­po acos­tu­ma­do a lu­tar, se­ja di­an­te do pre­con­cei­to de gê­ne­ro ou ra­ça: as mu­lhe­res ne­gras. Há um mo­vi­men­to forte em cur­so de va­lo­ri­za­ção da be­le­za afro-bra­si­lei­ra. Na bus­ca de es­ti­mu­lar a au­to­es­ti­ma des­se gru­po, a Se­cre­ta­ria da Mu­lher, Igual­da­de Ra­ci­al, Ju­ven­tu­de e Pes­soa Idosa pro­mo­veu a ter­cei­ra edi­ção da Tar­de da Mu­lher Negra em Ma­rin­gá.

O pro­je­to te­ve iní­cio na se­de da pas­ta, pas­sou pe­lo Con­jun­to Re­quião e on­tem che­gou ao Ci­da­de Al­ta com ser­vi­ços gra­tui­tos de ma­qui­a­gem, pen­te­a­do, tur­ban­tes, so­bran­ce­lha e dicas de pro­du­tos de be­le­za. Mo­ra­do­ra do bair­ro Odwal­do Bu­e­no Net­to, Fer­nan­da dos Santos, 35 anos, par­ti­ci­pou pe­la se­gun­da vez. En­quan­to ti­nha o ca­be­lo tran­ça­do, con­tou que ali­sou os fi­os há cer­ca de três me­ses, mas se ar­re­pen­deu. “Pre­ci­sa de di­nhei­ro pa­ra man­ter li­so e eu não te­nho. Eu apren­di que a gen­te ne­gro tem que se va­lo­ri­zar”, de­fen­deu. Se Fer­nan­da des­co­briu sua be­le- za aos 35 anos, a fi­lha de seis, Ma­ri­a­na, ain­da so­fre.

No mo­men­to da en­tre­vis­ta com a mãe, Ma­ri­a­na in­ter­rom­peu: “meu ca­be­lo é feio. To­do mun­do da es­co­la acha”. A cri­an­ça ain­da não con­se­gue ver os ca­chos co­mo bo­ni­tos fru­tos de uma he­ran­ça cul­tu­ral e re­pro­duz um pre­con­cei­to que im­pe­ra há ge­ra­ções. “Quan­do eu ia pa­ra es­co­la, as pes­so­as can­ta­vam ‘ne­ga do ca­be­lo du­ro’”, lem­brou Fer­nan­da ao ou­vir a fa­la da fi­lha.

Já Ele­ni­ce Xa­vi­er, 43 anos, é a pro­va de uma mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma. Sem­pre usou o ca­be­lo “ar­ma­do”, co­mo de­fi­niu, e con­ven­ceu a fi­lha de 22 anos a aban­do­nar o ali­sa­men­to. “É mais bo­ni­to, mais char­mo­so. Tem que mos­trar que a nos­sa ra­ça é boa e bo­ni­ta.” “É um em­po­de­ra­men­to das mu­lhe­res ne­gras, que fo­ram sem­pre su­cum­bi­das. O ca­be­lo sig­ni­fi­ca re­sis­tên­cia”, ex­pli­cou a ges­to­ra da igual­da­de ra­ci­al da Pre­fei­tu­ra de Ma­rin­gá, Cleu­za Te­o­do­ro, a res­pon­sá­vel pe­los pen­te­a­dos do even­to, que apren­deu cui­dan­do de si mes­ma e das fi­lhas.

A Tar­de da Mu­lher vai con­ti­nu­ar por ou­tros bair­ros, sem­pre com­fo­co­na­au­to­es­ti­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.