Cy­ber­bullying e os pe­ri­gos da in­ter­net

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA - Mary El­len Ro­sa­da

Crianças de­vem ter cui­da­do com o uso de re­des so­ci­ais; cri­mes online são pas­sí­veis de pu­ni­ção

Bullying – pa­la­vra de ori­gem in­gle­sa, que faz re­fe­rên­cia à prá­ti­ca de atos vi­o­len­tos, in­ten­ci­o­nais e re­pe­ti­dos, con­tra uma pes­soa in­de­fe­sa. É a in­ti­mi­da­ção, a vi­o­lên­cia (se­ja fí­si­ca, ou se­ja, psi­co­ló­gi­ca), in­ten­ci­o­nal e re­pe­ti­ti­va, pra­ti­ca­da por uma pes­soa ou por um gru­po con­tra uma ou mais pes­so­as. Quem pra­ti­ca o bullying tem o objetivo de in­ti­mi­dar, de agre­dir e aca­ba cau­san­do dor e an­gús­tia à ví­ti­ma, es­pe­ci­al­men­te em fun­ção do de­se­qui­lí­brio de po­der (psi­co­ló­gi­co, men­tal, fi­nan­cei­ro ou até mes­mo cor­po­ral) en­tre as par­tes.

Crianças e ado­les­cen­tes es­tão ca­da vez mais co­nec­ta­dos no am­bi­en­te vir­tu­al, tor­nan­do-se mais ex­pos­tos a in­ti­mi­da­ções, hu­mi­lha­ções e ou­tros di­ver­sos ti­pos de vi­o­lên­cia. Cha­ma-se de cy­ber­bullying es­tas prá­ti­cas co­me­ti­das por in­ter­mé­dio de mei­os di­gi­tais, es­pe­ci­al­men­te na in­ter­net.

Mui­to em­bo­ra o cy­ber­bullying não con­sis­ta em agres­sões fí­si­cas, e por is­so é co­mu­men­te vis­to co­mo me­nos da­no­so, tem con­sequên­ci­as tão ou mais gra­ves quan­to às do bullying fí­si­co. O abu­so so­fri­do pe­la ví­ti­ma do bullying vir­tu­al é, em sua mai­o­ria, de cu­nho psi­co­ló­gi­co, no en­tan­to ele po­de che­gar a se tor­nar fí­si­co em ca­sos ex­tre­mos. Ame­a­ças de mor­te, agres­são fí­si­ca e pu­bli­ca­ção de in­for­ma­ções pes­so­ais de ví­ti­mas são al­guns dos mei­os mais vi­o­len­tos de cy­ber­bullying, já que co­lo­ca a ví­ti­ma em si­tu­a­ção de ris­co e cons­tan­te apre­en­são di­an­te da pos­si­bi­li­da­de de um aten­ta­do con­tra sua vi­da.

Os ata­ques so­fri­dos são ge­ral­men­te di­re­ci­o­na­dos a ca­rac­te­rís­ti­cas pes­so­ais da ví­ti­ma e são fei­tas em meio pú­bli­co, de­ne­grin­do a ima­gem da ví­ti­ma e afe­tan­do sua au­to­es­ti­ma. O abu­so é cons­tan­te e po­de to­mar gran­des pro­por­ções, já que a di­nâ­mi­ca do mun­do online é enor­me e, na mai­o­ria das ve­zes, im­pos­sí­vel de se controlar.

Va­le lem­brar que quem co­me­te qual­quer ti­po de cri­me na in­ter­net po­de ser pu­ni­do. É pre­ci­so des­mis­ti­fi­car a ideia de que não há con­sequên­ci­as pa­ra as ações pa­ra menores. “Fe­liz­men­te esta len­da ur­ba­na es­tá se tor­nan­do ca­da vez mais es­que­ci­da. São fre­quen­tes os ca­sos de pu­ni­ções, se­jam cri­mi­nais, se­jam de na­tu­re­za cí­vel, so­bre atos ilí­ci­tos e da­no­sos co­me­ti­dos pe­la in­ter­net”, diz o ad­vo­ga­do Leonardo Pa­che­co, es­pe­ci­a­lis­ta em di­rei­to di­gi­tal, in­ter­net e tec­no­lo­gia. As pes­so­as agre­di­das pe­lo bullying apre­sen­tam al­guns sin­to­mas, co­mo: dis­túr­bio do so­no; pro­ble­mas de estô­ma­go; trans­tor­nos ali­men­ta­res; ir­ri­ta­bi­li­da­de; de­pres­são; trans­tor­nos de an­si­e­da­de; dor de ca­be­ça; fal­ta de ape­ti­te; e pen­sa­men­tos des­tru­ti­vos, co­mo de­se­jo de mor­rer, en­tre ou­tros.

Em mui­tos ca­sos as ví­ti­mas re­cor­rem a tra­ta­men­tos psi­co­ló­gi­cos, co­mo te­ra­pi­as pa­ra ame­ni­zar as mar­cas dei­xa­das pe­la agres­são. Uma das for­mas mais co­muns de bullying é o que acon­te­ce no am­bi­en­te es­co­lar. Em qua­se to­dos os paí­ses do mun­do, o bullying na es­co­la é um pro­ble­ma crô­ni­co.

As for­mas de agres­são en­tre os alu­nos são das mais va­ri­a­das e po­dem acon­te­cer em qua­se to­dos os ní­veis, des­de o primário até os úl­ti­mos anos do en­si­no médio, por exemplo.

O bullying atra­pa­lha a apren­di­za­gem do alu­no, além de afe­tar o seu com­por­ta­men­to fo­ra da es­co­la, se­gun­do os psi­có­lo­gos. Os pais e pro­fes­so­res de­vem es­tar aten­tos às ati­tu­des de seus fi­lhos e alu­nos, prin­ci­pal­men­te em al­te­ra­ções de com­por­ta­men­to, he­ma­to­mas no cor­po e demais si­tu­a­ções que pa­re­çam fo­ra do co­mum.

De acor­do com o ad­vo­ga­do Leonardo Pa­che­co, o bullying e cy­ber­bullying são pro­ble­mas gra­ves. “Mui­tas pes­so­as la­men­ta­vel­men­te me­nos­pre­zam a dor de quem so­fre bullying, vol­ta e meia di­zen­do que ‘na

VP­ro­fes­sor (a), de­sen­vol­va tex­tos e ilus­tra­ções a par­tir des­ta co­lu­na e en­vie pa­ra o O Diá­rio na Es­co­la pa­ra que se­ja pu­bli­ca­do nas pró­xi­mas edi­ções mi­nha época, is­to não acon­te­cia’. Nin­guém es­tá ne­gan­do que an­ti­ga­men­te as coi­sas eram re­sol­vi­das de ou­tra ma­nei­ra. Mas o nos­so es­tá­gio atu­al de ci­vi­li­za­ção já nos per­mi­te agir de uma for­ma mais ra­ci­o­nal, res­pei­to­sa e in­te­li­gen­te. Ade­mais, soa irô­ni­co per­ce­ber que gran­de par­te das ví­ti­mas são as crianças edu­ca­das por esta ge­ra­ção que se van­glo­ria de agir de for­ma agres­si­va e vi­o­len­ta”, diz ele.

Pa­che­co com­ple­men­ta: “As es­co­las de­vem, es­pe­ci­al­men­te em fun­ção da lei 13.185/2015, as­se­gu­rar me­di­das de cons­ci­en­ti­za­ção, pre­ven­ção, di­ag­no­se e com­ba­te à vi­o­lên­cia e à in­ti­mi­da­ção sis­te­má­ti­ca. Es­tas me­di­das de­vem ser enér­gi­cas e efi­ca­zes, não po­den­do, sob hi­pó­te­se al­gu­ma, se exo­ne­rar de res­pon­sa­bi­li­da­de e esconder os fa­tos, ain­da que não ocor­ram no am­bi­en­te es­co­lar.”

Pa­ra pre­ve­nir dos pe­ri­gos da in­ter­net, o me­lhor con­se­lho é pe­dir bom sen­so dos usuá­ri­os. “Quan­to aos pais, eles pos­su­em o de­ver de fis­ca­li­zar, de ve­ri­fi­car o que seus fi­lhos es­tão fa­zen­do na in­ter­net, es­pe­ci­al­men­te por­que ca­so al­gum pre­ju­di­ca­do ve­nha a bus­car a re­pa­ra­ção ju­di­ci­al­men­te, são os pais quem de­ve­rão in­de­ni­zar”, fi­na­li­za.

—FOTO: DIVULGAÇÃO

SO­FRI­MEN­TO. A vi­o­lên­cia vir­tu­al tem im­pac­to re­al na vi­da de quem so­fre.

—FOTO: DIVULGAÇÃO

LEI. Ad­vo­ga­do e es­pe­ci­a­lis­ta em di­rei­to di­gi­tal, in­ter­net e tec­no­lo­gia, Leonardo Ser­ra de Al­mei­da Pa­che­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.