Cri­me e cas­ti­go

O Diario do Norte do Parana - - CULTURA -

Es­cla­re­ço que a co­lu­na, ape­sar da ób­via re­fe­rên­cia no tí­tu­lo, não se dedica a exa­mi­nar o li­vro de Dos­toiévs­ki. Di­zem que nin­guém lê “Cri­me e Cas­ti­go” e sai in­có­lu­me, um vo­cá­bu­lo que tem, en­tre seus mui­tos sen­ti­dos, as se­guin­tes de­fi­ni­ções: “in­tei­ro”, “in­vul­ne­ra­do”, “que não so­freu ne­nhum da­no”. No que me diz res­pei­to, con­fes­so que is­so é to­tal­men­te ver­da­dei­ro. O meu pri­mei­ro con­ta­to com es­se li­vro foi no pe­río­do da gra­du­a­ção, quan­do eu ti­nha pou­co mais de 20 anos, e nun­ca sa­rei to­tal­men­te do im­pac­to, até por­que is­so não ape­nas es­ti­mu­lou re­lei­tu­ras, mas tam­bém abriu as por­tas pa­ra ou­tras obras do mes­mo au­tor, des­de sem­pre um dos meus pre­fe­ri­dos. Eu adi­an­tei, con­tu­do, que não iria fa­lar de Dos­toiévs­ki. A ci­ta­ção ao tí­tu­lo é pa­ra fa­lar do im­pac­to de ou­tra obra, esta mui­to pou­co am­bi­ci­o­sa es­té­ti­ca e li­te­ra­ri­a­men­te, em mi­nha for­ma­ção. Re­fi­ro-me ao exem­plar da his­tó­ria em qua­dri­nho do Ho­mem Aranha em que o Du­en­de Ver­de as­sas­si­na Gwen Stacy, a na­mo­ra­da de Pe­ter Par­ker, o es­tu­dan­te nerd que se ves­te de su­per-he­rói arac­ní­deo pa­ra fa­zer justiça. Meu con­ta­to com es­sa nar­ra­ti­va ocor­reu em 1973, aos 10 anos, e nun­ca saiu da mi­nha ca­be­ça. Pou­co mais de qua­tro dé­ca­das de­pois, ain­da acom­pa­nho sua re­per­cus­são nes­se uni­ver­so má­gi­co das His­tó­ri­as em Qua­dri­nhos, que te­ve o con­dão de pro­du­zir cer­ta mi­to­lo­gia po­pu­lar no mun­do con­tem­po­râ­neo, in­cor­po­ra­da pe­lo ci­ne­ma de al­ta de­fi­ni­ção. Meu es­tí­mu­lo pa­ra es­cre­ver a res­pei­to de­ri­va da aqui­si­ção de uma edi­ção de luxo das his­tó­ri­as que abor­dam a per­so­na­gem Gwen Stacy, des­de seu apa­re­ci­men­to até sua trá­gi­ca mor­te. Pu­de re­vi­ver, en­tão, as emo­ções da cri­an­ça de 10 anos. Aos não ini­ci­a­dos no uni­ver­so do Ho­mem Aranha, es­cla­re­ço que o Du­en­de Ver­de, tal­vez o seu mais em­ble­má­ti­co inimigo, era o úni­co que co­nhe­cia sua iden­ti­da­de se­cre­ta. Por es­pas­mos de memória, o vi­lão se es­que­cia dis­so quan­do vol­ta­va à nor­ma­li­da­de e imer­gia na ro­ti­na de in­dus­tri­al e pai de Harry Os­born, o me­lhor ami­go de Pe­ter Par­ker. O mar­can­te e po­lê­mi­co epi­só­dio foi edi­ta­do no Bra­sil em se­tem­bro de 1973, no nú­me­ro 53 da co­le­ção do Ho­mem Aranha, na época pu­bli­ca­da pe­la len­dá­ria Ebal. Os pro­du­to­res uti­li­za­ram téc­ni­cas de sus­pen­se pa­ra sur­pre­en­der os lei­to­res. A his­tó­ria co­me­ça com uma nar­ra­ti­va di­ver­si­o­nis­ta, sem in­di­ca­ções do que po­de­ria ocor­rer no fi­nal. So­men­te com o de­sen­ro­lar dos fa­tos e com a pro­du­ção do clí­max o leitor des­co­bre o que o aguar­da­va. A ima­gem fi­nal des­sa edi­ção é o Ho­mem Aranha com a na­mo­ra­da mor­ta nos bra­ços ju­ran­do vin­gan­ça. A ce­na to­da é de um re­quin­te de cru­el­da­de im­pres­si­o­nan­te. O Du­en­de Ver­de, ci­en­te da iden­ti­da­de de seu inimigo, lan­ça sua na­mo­ra­da do al­to da ponte de Ma­nhat­tan pa­ra o arac­ní­deo a sal­var. Ele, de­ses­pe­ra­do, ten­ta fa­zê-lo com sua po­de­ro­sa teia. Quan­do a teia con­se­gue la­çar a mo­ça e o he­rói pen­sou que ha­via ti­do su­ces­so, des­co­bre que ela já es­ta­va mor­ta em razão da que­da. Foi só en­tão que os nar­ra­do­res re­ve­la­ram qual era o tí­tu­lo da­que­la es­tó­ria: a noi­te em que Gwen Stacy mor­reu. A sequên­cia, edi­ta­da no próximo nú­me­ro da co­le­ção, nar­ra o cas­ti­go: a mor­te em com­ba­te do Du­en­de Ver­de, sem que o Ho­mem Aranha fos­se o res­pon­sá­vel di­re­ta­men­te. Mas o he­rói tam­bém car­re­gou seu cas­ti­go, o sen­ti­men­to de im­po­tên­cia por não ter con­se­gui­do sal­var a mu­lher ama­da. Pa­ra quem bus­ca­va fan­ta­sia no uni­ver­so HQ, foi um cho­que, al­go pa­ra não es­que­cer. Em mi­nha for­ma­ção cul­tu­ral, res­pei­ta­das as pro­por­ções, es­se foi o “Cri­me e cas­ti­go” da mi­nha in­fân­cia. Não saí in­có­lu­me.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.